É possível amar um terrorista?

| 8 Mai 19 | Entre Margens, Últimas

A perseguição religiosa toca a todos e é uma das que causa mais vítimas em todo o mundo, talvez porque o fanatismo religioso é o pior de todos. Curiosamente fala-se pouco no Ocidente da cristianofobia, que origina, provavelmente, a maior das perseguições. 

O primeiro socorro às vítimas, após o atentado na igreja de São Sebastião, no Sri Lanka, no Domingo de Páscoa. Foto © ACN Portugal

 

É evidente que existem correntes anti-semitas um pouco por todo o lado, na linha duma malfadada tradição milenar, mas que foi agravada nas últimas décadas, em particular a partir do nazismo. Os judeus são, de facto, um povo especial, e a história mostra de forma recorrente que pagaram um preço elevado pela sua singularidade, com perseguições, expulsões e execuções em massa. Mas decerto que a animosidade contra os judeus se deve hoje, em grande parte, à actuação política do moderno estado de Israel, em particular na difícil convivência com os palestinianos.

O islão também se pode queixar do passado. Sendo uma religião de vocação universalista, tal como o cristianismo – ao contrário do judaísmo –, ambas teriam que chocar entre si, inevitavelmente, com vista ao desígnio da sua expansão. Mas hoje a islamofobia cresceu exponencialmente pela mão da extrema-direita, dos nacionalismos e dos supremacistas brancos no mundo ocidental, em resultado dos populismos que se vão instalando paulatinamente e da problemática dos refugiados e migrantes.  

Consta que em dez meses foram queimados onze templos cristãos em França. A verdade é que a investigação do Pew Research Center publicado em Julho de 2018 e referente à situação em 2016, “os cristãos são o grupo religioso com mais restrições em todo o mundo, em termos absolutos”.Nesse ano registaram-se restrições e assédio em 144 dos 198 países analisados. Só depois surgem os muçulmanos, que viram a sua actividade religiosa limitada e que foram alvo de assédio em 142 países.

Sendo o cristianismo a maior religião do mundo em termos de fiéis, não admira que sejam igualmente os mais perseguidos. Segundo Nelson Jones, autor do blogue Heresy Corner, citado por Alexandre Martins,“pela mesma lógica, seria de esperar que os muçulmanos fossem o segundo grupo mais perseguido.” E de facto é isso que se depreende dos números do Pew Research Center: “O assédio aos membros dos dois maiores grupos religiosos – cristãos e muçulmanos – por governos e grupos sociais continua a ser generalizado em todo o mundo, e ambos foram alvo de um aumento do número de países que os assedia em 2016.”

Mas o terceiro grupo religioso mais perseguido em todo o mundo é o judaísmo, o que é estranho tendo em conta a sua reduzida expressão numérica. Julga-se que os judeus representem apenas 0,2% da população mundial, em comparação com 31% de cristãos e 24% de muçulmanos. Portanto, os judeus continuam a ser o grupo religioso mais perseguido, em termos relativos, dada a sua população.

O conjunto dos ataques perpetrados por bombistas suicidas cingaleses no Sri Lanka contra igrejas cristãs (católicas e protestante), assim como em hotéis, terão uma leitura mais política visando a indústria do turismo. O grupo extremista islâmico local Thawahid Jaman já era conhecido pela autoria de actos de vandalismo contra símbolos da maioria budista do país. Contudo, diga-se que muito do que é identificado como perseguição religiosa não é mais do que luta pelo poder, onde a religião funciona apenas como pretexto ou catalisador emocional.

Mas a resposta das comunidades cristãs locais é de paz e perdão. Segundo a revista americana Relevant, mesmo face a esta terrível tragédia, o pastor da Igreja de Zion (protestante), Roshan Mahesan, diz que perdoa os homens-bomba responsáveis ​​pelos ataques do Domingo de Páscoa. Numa mensagem em vídeo, o pastor Roshan declarou: “Estamos feridos. Também estamos zangados, mas ainda assim, como pastor titular da Igreja de Sião Batticaloa, toda a congregação e toda a família afectada, dizemos ao homem-bomba, e também ao grupo que o enviou, que os amamos e perdoamos. Não importa o que tenham feito, nós amamo-vos porque cremos no Senhor Jesus Cristo”.

O deputado Abraham Sumanthiran resolveu fazer também uma importante declaração de fé: “Eu sou cristão e compartilho da tristeza da igreja cristã no Sri Lanka neste momento. Cremos em Jesus Cristo, que veio a este mundo, sofreu como nós e levou o pior do mal para si e foi crucificado injustamente. Mas ele derrotou todo o mal através do amor sacrificial, que é o que celebramos na Páscoa – o dia da ressurreição”.O sentimento é que, ainda que a população esteja em sofrimento, não quer entregar-se ao ódio e vingança. De igual modo, o padre Jude Fernando, que oficiava numa das igrejas atacadas, declarou: “Nós amamos a paz. Nós perdoamos. O nosso Deus é um Deus de paz, e não de vingança. Nós vos amamos e perdoamos”.

Este é o caminho.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O sonho de um novo humanismo… novidade

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco