É possível sonhar na velhice e alcançar

| 5 Ago 2022

ampulheta velhice casal foto pixabay

“Tanto que a geração mais nova tem para dar e incentivar a mais velha; mas sem dúvida alguma que a geração mais velha tem tanto para acrescentar à mais nova!” Foto © Pixabay.

 

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Espero chegar a essa fase da vida, e agora talvez lhe pareça uma sonhadora sem ter os pés no chão, mas acredito que é possível sonhar na velhice.

A nossa vida é como as quatro estações do ano: é composta por fases que têm início no ventre materno até à idade avançada. Então, em cada fase há algo para vivenciarmos e descobrirmos o nosso papel nela. Se pensarmos bem, em cada estação do ano o nosso vestuário não é o mesmo, bem como a nossa alimentação. Há uma necessidade natural e que nos é intrínseca de sabermos viver conforme a estação em que estamos para nos sentirmos bem e satisfeitos.

Deste modo, é preciso viver também da melhor maneira a estação ou fase da velhice. Não é ignorar as limitações e problemas com que ela se nos apresenta, mas também, por mais difícil que seja alguma situação, não podemos deixar-nos consumir por ela. Fico muito triste quando vejo alguns idosos que ainda vivos já fizeram o seu funeral. Vivem como já estando mortos, sem esperança, com sentimentos de inutilidade.

Em conversa com diferentes gerações, compreendo cada vez mais a necessidade da comunhão que tem que haver entre elas, a começar dentro de cada lar.

Tanto que a geração mais nova tem para dar e incentivar a mais velha; mas sem dúvida alguma que a geração mais velha tem tanto para acrescentar à mais nova!

A última estação da vida não é o fim em si, e é para ser vivida da melhor maneira. Recordo duas mulheres de idade muito avançada, com problemas de saúde, com pouco para o seu dia a dia e com mais detalhes que serviriam de tropeço para serem felizes; no entanto, elas ensinaram-me que nada disso é impedimento para sonhar na velhice, apenas tiveram que perceber o que podiam ainda fazer, o que tinha que ser mudado, estratégias a alterar e aceitar, agarrando com alegria e empenho um novo papel a desenvolver dentro das suas casas e família, na igreja e na sociedade. Lidavam com a saudade de maneira saudável, falavam do seu passado mais triste e mais risonho como pérolas de enriquecimento no seu caráter e em tudo o que elas eram. Mas o que mais me impressionou numa delas e me inspirou foram as lágrimas constantes de gratidão a Deus e o sonhar nesta fase por algo que ela tanto desejava e que em parte conseguiu ver e desfrutar. Concordo que a fé genuína em Jesus Cristo foi combustível para ela, razão para escolher viver feliz, mesmo com as características próprias da sua velhice. O seu corpo envelheceu, mas não a sua alma, e tão pouco a sua fé e a capacidade de sonhar.

Estes exemplos e outros mais levam-me à Bíblia e a pensar como é tão atual: nela encontramos Isabel e Zacarias, que durante anos desejaram um filho e tinham pedido a Deus um milagre face à esterilidade dela. Eram agora um casal em idade avançada, que já tinham colocado de lado a ideia de serem pais. Certamente a idade, o muito tempo de espera, a saúde ou a falta dela faziam deles um casal que de maneira alguma reunia condições para continuar a sonhar com um bebé. Eram conhecidos por tal infortúnio, talvez fossem alvo de olhares de pena e, da parte de alguns, possivelmente com juízo como se fosse um castigo. Mas inesperadamente, foram surpreendidos com o que sempre sonharam. Precisamente na velhice, Deus reavivou e restaurou o sonho deste casal. A Bíblia não diz que eles estavam cheios de saúde, de forças, de dinheiro, de amigos; apenas refere que Deus ouviu as suas orações quando eram mais novos e, contra todas as expectativas humanas e da ciência, na velhice voltaram a sonhar e foram convidados a abraçar o projeto divino. São estes os pais do tão conhecido João, o Batista. Uns podem dizer: como é isso possível? Por isto é que Deus é quem é, simplesmente Deus. O que isto me ensina é que não há uma idade própria para sonhar; logo, na velhice é possível continuar a sonhar e alcançar. A velhice é uma estação singular na qual permanecemos úteis; logo, somos necessários e podemos contribuir com o nosso derradeiro melhor que é fruto de uma longa experiência de vida.

E para terminar, o que mais me emociona é lembrar outros exemplos que no fim desta estação tão preciosa, já no leito da morte, onde os seus corpos sucumbiam, tinham nos seus olhares brilhantes o reflexo da sua alma e deles brotavam lágrimas de alegria e ansiedade por irem ver Aquele a quem sempre amaram, em quem sempre acreditaram e com quem sempre sonharam encontrar-se: Jesus. Sim, isto é o que de precioso e diferenciador tem o cristianismo. O cristão sonha até ao fim.

 

Isabel Ricardo Pereira é missionária evangélica; contacto: isabeljose@sapo.pt

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This