E quando o Papa nos ler sobre o Sínodo?

| 28 Mai 2022

Presépio na paróquia de Marcel Callo em Flers (França), usando o logotipo do Sínodo: “Lá caminhei, em grupo, da melhor forma possível, até chegar ao fim (esticado)…” Foto: Direitos reservados (https://www.synodresources.org/2546/)

 

O surgir da hipótese sinodal (com as características anunciadas para este caminho 2021-23) apareceu-nos como que o acender de um facho de luminoso gás (Ar-Sopro-Espírito) na imensa escuridão das noites desiludidas, por comuns pseudo-vivências, afinal queridas cristãs.

E não nos negámos ao chamamento.

Mas normalmente nos sonhos, muito sonhados, quando se aterra, revela-se-nos a paisagem que pisamos, nua e crua, bem distinta da que se queria e esperava, para rebolar, em crescendo, a força imaginada.

Também agora, por aqui, e em alguns outros lados, assim tem sido, segundo sei. Na digestão da nossa pobreza.

Como as notícias anunciam, propaladas como vento áspero, e talvez gélido, quando a intermédia meta desta primeira etapa já se vai mostrando, afinal na sua-nossa natural rudeza.

Claro que também se notam vislumbres da aurora. No meio dos naturais descuidos, se lhe quisermos assim chamar.

É que isto é, e creio será mesmo, um princípio do novo, ou, renovado. Imparável, pois, embora, neste início, toscamente exercitado. Como o queremos e esperamos! Apesar de…

Mas atentemos em factos concretos.

Quando vi o primeiro questionário elaborado para os grupos a constituir na minha diocese (digerida que foi a prelecção apresentativa, que admiti a dobrar) a minha primeira reacção foi escrever ao secretariado responsabilizado pela conduta:

“Acabei de ter acesso ao módulo II.

Considerando também o módulo I, as temáticas a aprofundar não estarão compostas por generalismos a mais, que pouco mais motivarão que bla bla bla de boas intenções?

Será lógico um genérico, mas não deveriam depois apontar objectivamente a coisas concretas que todos sabemos são sentidas nas ‘comunidades’ cristãs?”

E a resposta, de imediato e agradecida, trouxe-me mais generalidades, embora referindo-as abertas, mas efectivamente numa casa com portas, mas sem janelas arejantes.

Eu sei que houve outras dioceses bem mais profícuas e motivadoras. Vi e recomendei mas, por cá, o mote era assim e estava lançado.

Lá caminhei, em grupo, da melhor forma possível, até chegar ao fim (esticado), sempre notando e anotando, para que constasse e lá chegasse.

E por relatórios que já vi, pelas nossas incapacidades de beber a frescura basicamente proposta e exigida, avolumam-se-me os receios de que querendo fazer um trabalho tão bem feito, “deitemos fora o bébé com a água do banho”.

Eu acredito que o Espírito accionou a sua força. Mesmo nas nossas tertúlias ainda escuras e húmidas. Mas, e depois…

De tão bem querermos resumir, de resumo em resumo, não iremos cair em palavras gastas, ocas e sensaboronas, sem força e sem futuro?

Do grupo, à paróquia/vigararia, e desta à diocese, seguindo-se o âmbito nacional; para depois prosseguir da Congregação ao Papa… resumindo… resumindo… filtrando e deixando cair…

Não seria importantíssimo seleccionarmos os “ditos” nus e crus como se manifestaram, registando-os e divulgando-os com as marcas de origem, ainda que (claro) anonimamente?

Apenas catalogando-os por espécies e temas. Mas não olvidando as genialidades, simples, mas profundas, que, por decerto, não deixaram de surgir…

Não querendo ser mais papistas que o Papa.

Tenho grande pavor, que quando Francisco vier a ler, se pergunte se é isso, afinal e assim, a nossa humanidade manifesta, na (sua/nossa) Igreja periférica deste século.

 

José Gonçalves é Licenciado em Sociologia e em Gestão de Património e Organizações Culturais

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This