E quando o Papa nos ler sobre o Sínodo?

| 28 Mai 2022

Presépio na paróquia de Marcel Callo em Flers (França), usando o logotipo do Sínodo: “Lá caminhei, em grupo, da melhor forma possível, até chegar ao fim (esticado)…” Foto: Direitos reservados (https://www.synodresources.org/2546/)

 

O surgir da hipótese sinodal (com as características anunciadas para este caminho 2021-23) apareceu-nos como que o acender de um facho de luminoso gás (Ar-Sopro-Espírito) na imensa escuridão das noites desiludidas, por comuns pseudo-vivências, afinal queridas cristãs.

E não nos negámos ao chamamento.

Mas normalmente nos sonhos, muito sonhados, quando se aterra, revela-se-nos a paisagem que pisamos, nua e crua, bem distinta da que se queria e esperava, para rebolar, em crescendo, a força imaginada.

Também agora, por aqui, e em alguns outros lados, assim tem sido, segundo sei. Na digestão da nossa pobreza.

Como as notícias anunciam, propaladas como vento áspero, e talvez gélido, quando a intermédia meta desta primeira etapa já se vai mostrando, afinal na sua-nossa natural rudeza.

Claro que também se notam vislumbres da aurora. No meio dos naturais descuidos, se lhe quisermos assim chamar.

É que isto é, e creio será mesmo, um princípio do novo, ou, renovado. Imparável, pois, embora, neste início, toscamente exercitado. Como o queremos e esperamos! Apesar de…

Mas atentemos em factos concretos.

Quando vi o primeiro questionário elaborado para os grupos a constituir na minha diocese (digerida que foi a prelecção apresentativa, que admiti a dobrar) a minha primeira reacção foi escrever ao secretariado responsabilizado pela conduta:

“Acabei de ter acesso ao módulo II.

Considerando também o módulo I, as temáticas a aprofundar não estarão compostas por generalismos a mais, que pouco mais motivarão que bla bla bla de boas intenções?

Será lógico um genérico, mas não deveriam depois apontar objectivamente a coisas concretas que todos sabemos são sentidas nas ‘comunidades’ cristãs?”

E a resposta, de imediato e agradecida, trouxe-me mais generalidades, embora referindo-as abertas, mas efectivamente numa casa com portas, mas sem janelas arejantes.

Eu sei que houve outras dioceses bem mais profícuas e motivadoras. Vi e recomendei mas, por cá, o mote era assim e estava lançado.

Lá caminhei, em grupo, da melhor forma possível, até chegar ao fim (esticado), sempre notando e anotando, para que constasse e lá chegasse.

E por relatórios que já vi, pelas nossas incapacidades de beber a frescura basicamente proposta e exigida, avolumam-se-me os receios de que querendo fazer um trabalho tão bem feito, “deitemos fora o bébé com a água do banho”.

Eu acredito que o Espírito accionou a sua força. Mesmo nas nossas tertúlias ainda escuras e húmidas. Mas, e depois…

De tão bem querermos resumir, de resumo em resumo, não iremos cair em palavras gastas, ocas e sensaboronas, sem força e sem futuro?

Do grupo, à paróquia/vigararia, e desta à diocese, seguindo-se o âmbito nacional; para depois prosseguir da Congregação ao Papa… resumindo… resumindo… filtrando e deixando cair…

Não seria importantíssimo seleccionarmos os “ditos” nus e crus como se manifestaram, registando-os e divulgando-os com as marcas de origem, ainda que (claro) anonimamente?

Apenas catalogando-os por espécies e temas. Mas não olvidando as genialidades, simples, mas profundas, que, por decerto, não deixaram de surgir…

Não querendo ser mais papistas que o Papa.

Tenho grande pavor, que quando Francisco vier a ler, se pergunte se é isso, afinal e assim, a nossa humanidade manifesta, na (sua/nossa) Igreja periférica deste século.

 

José Gonçalves é Licenciado em Sociologia e em Gestão de Património e Organizações Culturais

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This