E se um só acto pudesse salvar 250.000 vidas?

| 10 Fev 19 | Entre Margens, Últimas

O consumo excessivo de carne é apontado como uma das causa essenciais das alterações climáticas (foto © Matthias Zomer/Pexels)

 

E se um só acto pudesse salvar 250.000 vidas?

Não seria a atitude cristã fazê-lo, concretizá-lo, sem arrependimentos?

Lembro-me quando ocorreram as inundações na Madeira em 2010.
Todo o país se sensibilizou, entidades organizaram-se, correu ajuda humanitária, fomos em seu socorro. Nos supermercados, podíamos até deixar o troco que revertia para recuperação dos locais afectados e apoio às vítimas.

Por isso sei, sei quem somos, sei as gentes que há no meu país, sei quem é cristão e digno desse nome (imensos), no que acreditam e pessoas de outras religiões, ateus, sei que correriam a ajudar quem precisasse sem hesitar. Este é o meu Portugal.

Se soubermos que alguém, mesmo geograficamente distante de nós, precisa, de uma atitude, um acto. Nós vamos, nós fazemos, apenas precisamos que a informação nos chegue, saber da crise.

Por esse mesmo motivo sei que, se já não alteraram a dieta alimentar das vossas famílias para comer carne apenas duas vezes por semana no máximo (assegurando a dose nutricional), é porque não têm consciência, ainda não sabem que este pequeno acto será responsável por salvar 250.000 vidas.

Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS): relatam as mortes, até 2050, por conta das alterações climáticas. Não quero falar do abstracto, de mitologia ou subjectivismos. Escreverei apenas factos acrescentando algumas notas de rodapé para que os mais resistentes comprovem as fontes científicas, dos média ou de relatórios de organizações mundiais:

– As alterações climáticas existem[i].

– São causadas pela emissão de gases com efeito de estufa (GEE)[ii].

– A indústria da carne é uma das principais responsáveis pela emissão destes gases, em quantidade e principalmente em qualidade[iii].

– Frio e calor extremos hoje sentidos são causados pelas alterações climáticas[iv].

– Estima-se que 19 milhões de pessoas migraram em 2015 por causas climáticas[v].

– O impacto no número de pobres e em condição vulnerável pode chegar de 62 a 467 milhões e pessoas[vi].

– O secretário-geral da ONU alerta que temos dois anos para reverter a situação[vii].

– Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais 250.000 pessoas terão morrido à conta das alterações climáticas em 2050[viii].

Os efeitos não são futuros, mas estão já a acontecer e merecem a nossa mobilização.

Estes são dias em que estamos de luto. Uma dezena de pessoas morreu, não em guerras ou assassinatos, mas pela vaga de frio nos EUA. Morreram por causa das alterações climáticas por nós causadas. Não precisamos de uma arma, basta um bife todos os dias na nossa mesa.

Está mais frio nos EUA do que na Antártida e mais calor na Austrália do que no deserto.

Erradamente, já ouvi várias pessoas dizer: “O Senhor criou os animais para nós comermos.” Devo dizer que o fundamento bíblico de tal informação é extremamente escasso e despojado de sentido ou contextualização. Na própria história da Criação (Génesis 2, 29-30), podemos ler Deus a dizer-nos exactamente o oposto: comer apenas o que vem da terra, plantas e árvores de fruto. A única vez que, na Bíblia, Deus diz directamente para comermos animais é na narração do Dilúvio: tudo tinha sido varrido da Terra (Génesis 9, 3-5).

Os fundamentos para reduzir ou eliminar carne têm a sua base hoje, não no Antigo Testamento mas no Novo, no mais importante mandamento que Jesus nos deixou: “Ama o teu próximo (seja ele quem for e onde esteja) como a ti mesmo”. Reduzir ou eliminar carne da nossa dieta é a mais importante medida que podemos tomar hoje para reverter as alterações climáticas. Hoje, estão em causa vidas e é disso apenas que se trata.

O clima, o vento e as marés seguem o seu rumo, seguem o seu rumo natural sem a nossa intervenção. Com a nossa intervenção, emitindo em grande número de GEE para a atmosfera, a natureza transforma-se num caos, perde o seu equilíbrio, somos corresponsáveis por tudo que está e irá acontecer. Os nossos hábitos alimentares e de consumo têm de mudar com a maior urgência.

Por esta razão, o Papa Francisco foi desafiado, por uma menina de 12 anos, a fazer uma dieta vegan durante a Quaresma, um tempo de transformação. Em troca o movimento Million Dollar Vegan entregará um milhão de dólares ao Papa, para ser empregue numa obra de caridade à sua escolha. Parece-me que basta defendermos a vida de 250 mil pessoas – número de pessoas que morrerão por conta das alterações climáticas, segundo a OMS – sendo vegan durante a Quaresma. Fazê-lo em troca de dinheiro, mesmo que para a caridade, não me parece certo. Fica o desafio ao Papa Francisco, a todas as entidades ministeriais, de todas as confissões e religiões, e a todos nós.

Resta-me apenas dizer a pessoas de fé, hospitaleiras, fraternas, de entreajuda: leiam, munam-se dos factos, estatísticas, estudos científicos, declarações da ONU e de ONG locais e internacionais e actuem conforme. Actuem conforme um cristão, que preza o próximo como a si mesmo e a vida humana como mais alto valor – para que assim nenhum conforto ou prazer mundano a tal se sobreponha.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

O tempo é agora.

Que a paz e o amor de Cristo estejam com todos.

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

 

Notas

[i] A maioria qualificada de 97% dos cientistas da área afirma-o sem dúvida: http://whatweknow.aaas.org/wp-content/uploads/2014/07/whatweknow_website.pdf (Relatório Associação Americana para o Avanço da Ciência – 2014), https://www.rtp.pt/noticias/mundo/97-dos-cientistas-responsabillizam-humanidade-pelas-alteracoes-climaticas_n814559, o próprio Papa Francisco afirma a existência das mudanças climáticas na sua encíclica (FRANCISCO, Louvado sejas: Carta Encíclica Laudato Si, Editorial Apostolado da Oração, Braga, 2015, 20-23). Os restantes três por cento, dos cientistas chamados ‘negacionistas’ tem-se mostrado não “ideologicamente neutros” estando ligados ao mundo empresarial e seus actores principais – as grandes empresas (poluidoras) – institutos com financiamentos questionáveis como a ExxonMobil ou os próprios irmãos Koch.
Fontes: https://exxonsecrets.org/html/index.php (Investigação da Green Peace USA); Klein, Naomi,Tudo Pode Mudar, Capitalismo Vs. Clima, Editorial Presença, 2016, p. 63.

[ii]http://nautilus.fis.uc.pt/gazeta/revistas/30_1/vol30_fasc1_Art06.pdf;

https://www.youtube.com/watch?v=2BeTXPPKyd0; https://www.tempo.pt/noticias/divulgacao/mudancas-climaticas.html;

[iii]https://www.chathamhouse.org/sites/default/files/publications/research/CHHJ3820%20Diet%20and%20climate%20change%2018.11.15_WEB_NEW.pdf; http://www.fao.org/news/story/en/item/197646/icode/;

Segundo a FAO – Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura – estima-se que o sector agropecuário emite 7,1 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente (CO 2 -eq) por ano, representando 14,5% de todas as emissões induzidas pelo homem: http://www.fao.org/ag/againfo/resources/en/publications/tackling_climate_change/index.htm.

Investigadores da Universidade de Oxford publicam estudo em revista científica referindo que, para evitar alterações climáticas com efeitos devastadores, é necessário que os países ocidentais (como Portugal) reduzam o consumo de carne para 90%, ou seja, comendo-a apenas duas vezes por semana: https://www.nature.com/articles/s41586-018-0594-0

[iv]https://www.bbc.com/portuguese/geral-47080543

[v]http://publications.iom.int/system/files/wmr2015_en.pdf

[vi]https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/sites/2/2018/07/SR15_SPM_version_stand_alone_LR.pdf; https://politicsofpoverty.oxfamamerica.org/2018/10/heres-what-you-need-to-know-about-the-latest-ipcc-report/.

[vii]https://www.unric.org/pt/actualidade/32478-guterres-qas-alteracoes-climaticas-avancam-mais-rapido-do-que-nos; https://observador.pt/2018/09/10/guterres-avisa-que-o-mundo-tem-dois-anos-para-agir-contra-mudancas-climaticas/

[viii]https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134014/9789241507691_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

O pensamento nómada do poema de Deus novidade

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Pessoas

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

“Diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” Nos derradeiros momentos de vida, já no hospital, Manuela Silva pegara na mão da irmã que a acompanhou nos últimos meses, olhando-a e, com plena consciência de que vivia os instantes finais, deu-lhe o último recado: “Vou partir, mas diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” A sua memória será recordada nesta segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, numa eucaristia presidida pelo patriarca de Lisboa.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Fale connosco