E se um só acto pudesse salvar 250.000 vidas?

| 10 Fev 19 | Entre Margens, Últimas

O consumo excessivo de carne é apontado como uma das causa essenciais das alterações climáticas (foto © Matthias Zomer/Pexels)

 

E se um só acto pudesse salvar 250.000 vidas?

Não seria a atitude cristã fazê-lo, concretizá-lo, sem arrependimentos?

Lembro-me quando ocorreram as inundações na Madeira em 2010.
Todo o país se sensibilizou, entidades organizaram-se, correu ajuda humanitária, fomos em seu socorro. Nos supermercados, podíamos até deixar o troco que revertia para recuperação dos locais afectados e apoio às vítimas.

Por isso sei, sei quem somos, sei as gentes que há no meu país, sei quem é cristão e digno desse nome (imensos), no que acreditam e pessoas de outras religiões, ateus, sei que correriam a ajudar quem precisasse sem hesitar. Este é o meu Portugal.

Se soubermos que alguém, mesmo geograficamente distante de nós, precisa, de uma atitude, um acto. Nós vamos, nós fazemos, apenas precisamos que a informação nos chegue, saber da crise.

Por esse mesmo motivo sei que, se já não alteraram a dieta alimentar das vossas famílias para comer carne apenas duas vezes por semana no máximo (assegurando a dose nutricional), é porque não têm consciência, ainda não sabem que este pequeno acto será responsável por salvar 250.000 vidas.

Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS): relatam as mortes, até 2050, por conta das alterações climáticas. Não quero falar do abstracto, de mitologia ou subjectivismos. Escreverei apenas factos acrescentando algumas notas de rodapé para que os mais resistentes comprovem as fontes científicas, dos média ou de relatórios de organizações mundiais:

– As alterações climáticas existem[i].

– São causadas pela emissão de gases com efeito de estufa (GEE)[ii].

– A indústria da carne é uma das principais responsáveis pela emissão destes gases, em quantidade e principalmente em qualidade[iii].

– Frio e calor extremos hoje sentidos são causados pelas alterações climáticas[iv].

– Estima-se que 19 milhões de pessoas migraram em 2015 por causas climáticas[v].

– O impacto no número de pobres e em condição vulnerável pode chegar de 62 a 467 milhões e pessoas[vi].

– O secretário-geral da ONU alerta que temos dois anos para reverter a situação[vii].

– Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais 250.000 pessoas terão morrido à conta das alterações climáticas em 2050[viii].

Os efeitos não são futuros, mas estão já a acontecer e merecem a nossa mobilização.

Estes são dias em que estamos de luto. Uma dezena de pessoas morreu, não em guerras ou assassinatos, mas pela vaga de frio nos EUA. Morreram por causa das alterações climáticas por nós causadas. Não precisamos de uma arma, basta um bife todos os dias na nossa mesa.

Está mais frio nos EUA do que na Antártida e mais calor na Austrália do que no deserto.

Erradamente, já ouvi várias pessoas dizer: “O Senhor criou os animais para nós comermos.” Devo dizer que o fundamento bíblico de tal informação é extremamente escasso e despojado de sentido ou contextualização. Na própria história da Criação (Génesis 2, 29-30), podemos ler Deus a dizer-nos exactamente o oposto: comer apenas o que vem da terra, plantas e árvores de fruto. A única vez que, na Bíblia, Deus diz directamente para comermos animais é na narração do Dilúvio: tudo tinha sido varrido da Terra (Génesis 9, 3-5).

Os fundamentos para reduzir ou eliminar carne têm a sua base hoje, não no Antigo Testamento mas no Novo, no mais importante mandamento que Jesus nos deixou: “Ama o teu próximo (seja ele quem for e onde esteja) como a ti mesmo”. Reduzir ou eliminar carne da nossa dieta é a mais importante medida que podemos tomar hoje para reverter as alterações climáticas. Hoje, estão em causa vidas e é disso apenas que se trata.

O clima, o vento e as marés seguem o seu rumo, seguem o seu rumo natural sem a nossa intervenção. Com a nossa intervenção, emitindo em grande número de GEE para a atmosfera, a natureza transforma-se num caos, perde o seu equilíbrio, somos corresponsáveis por tudo que está e irá acontecer. Os nossos hábitos alimentares e de consumo têm de mudar com a maior urgência.

Por esta razão, o Papa Francisco foi desafiado, por uma menina de 12 anos, a fazer uma dieta vegan durante a Quaresma, um tempo de transformação. Em troca o movimento Million Dollar Vegan entregará um milhão de dólares ao Papa, para ser empregue numa obra de caridade à sua escolha. Parece-me que basta defendermos a vida de 250 mil pessoas – número de pessoas que morrerão por conta das alterações climáticas, segundo a OMS – sendo vegan durante a Quaresma. Fazê-lo em troca de dinheiro, mesmo que para a caridade, não me parece certo. Fica o desafio ao Papa Francisco, a todas as entidades ministeriais, de todas as confissões e religiões, e a todos nós.

Resta-me apenas dizer a pessoas de fé, hospitaleiras, fraternas, de entreajuda: leiam, munam-se dos factos, estatísticas, estudos científicos, declarações da ONU e de ONG locais e internacionais e actuem conforme. Actuem conforme um cristão, que preza o próximo como a si mesmo e a vida humana como mais alto valor – para que assim nenhum conforto ou prazer mundano a tal se sobreponha.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

O tempo é agora.

Que a paz e o amor de Cristo estejam com todos.

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

 

Notas

[i] A maioria qualificada de 97% dos cientistas da área afirma-o sem dúvida: http://whatweknow.aaas.org/wp-content/uploads/2014/07/whatweknow_website.pdf (Relatório Associação Americana para o Avanço da Ciência – 2014), https://www.rtp.pt/noticias/mundo/97-dos-cientistas-responsabillizam-humanidade-pelas-alteracoes-climaticas_n814559, o próprio Papa Francisco afirma a existência das mudanças climáticas na sua encíclica (FRANCISCO, Louvado sejas: Carta Encíclica Laudato Si, Editorial Apostolado da Oração, Braga, 2015, 20-23). Os restantes três por cento, dos cientistas chamados ‘negacionistas’ tem-se mostrado não “ideologicamente neutros” estando ligados ao mundo empresarial e seus actores principais – as grandes empresas (poluidoras) – institutos com financiamentos questionáveis como a ExxonMobil ou os próprios irmãos Koch.
Fontes: https://exxonsecrets.org/html/index.php (Investigação da Green Peace USA); Klein, Naomi,Tudo Pode Mudar, Capitalismo Vs. Clima, Editorial Presença, 2016, p. 63.

[ii]http://nautilus.fis.uc.pt/gazeta/revistas/30_1/vol30_fasc1_Art06.pdf;

https://www.youtube.com/watch?v=2BeTXPPKyd0; https://www.tempo.pt/noticias/divulgacao/mudancas-climaticas.html;

[iii]https://www.chathamhouse.org/sites/default/files/publications/research/CHHJ3820%20Diet%20and%20climate%20change%2018.11.15_WEB_NEW.pdf; http://www.fao.org/news/story/en/item/197646/icode/;

Segundo a FAO – Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura – estima-se que o sector agropecuário emite 7,1 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente (CO 2 -eq) por ano, representando 14,5% de todas as emissões induzidas pelo homem: http://www.fao.org/ag/againfo/resources/en/publications/tackling_climate_change/index.htm.

Investigadores da Universidade de Oxford publicam estudo em revista científica referindo que, para evitar alterações climáticas com efeitos devastadores, é necessário que os países ocidentais (como Portugal) reduzam o consumo de carne para 90%, ou seja, comendo-a apenas duas vezes por semana: https://www.nature.com/articles/s41586-018-0594-0

[iv]https://www.bbc.com/portuguese/geral-47080543

[v]http://publications.iom.int/system/files/wmr2015_en.pdf

[vi]https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/sites/2/2018/07/SR15_SPM_version_stand_alone_LR.pdf; https://politicsofpoverty.oxfamamerica.org/2018/10/heres-what-you-need-to-know-about-the-latest-ipcc-report/.

[vii]https://www.unric.org/pt/actualidade/32478-guterres-qas-alteracoes-climaticas-avancam-mais-rapido-do-que-nos; https://observador.pt/2018/09/10/guterres-avisa-que-o-mundo-tem-dois-anos-para-agir-contra-mudancas-climaticas/

[viii]https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134014/9789241507691_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Pessoas

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Fale connosco