Educados por fantasmas

| 18 Jan 21

No romance gótico A Volta no Parafuso*, de Henry James, uma preceptora acaba a lançar duas crianças (um menino e uma menina) nos braços da morte, ao querer protegê-las da influência nociva de duas aparições, os fantasmas de um casal de adultos (a anterior preceptora e um criado) que teriam pervertido as crianças, no passado, iniciando-as precocemente na crueldade e na luxúria.

As boas intenções da preceptora, em vez de as libertar do “mal” como pretendia (ou, nas palavras da própria, de as “salvar”), resultam no adormecimento das suas inteligências e no bloqueio das suas potencialidades, enfim, matam aquilo que ao corpo único dos seus pupilos estaria prometido. É possível reconhecer aqui uma denúncia velada de Henry James ao crime que é toda a educação que, repleta de suposições, não concede escutar quem tem pela frente e levar essas potencialidades singulares ao estado de realização autónoma.

Não sejamos tão implacáveis para com a preceptora de A Volta no Parafuso. Afinal, ela prenuncia, a um século de distância, uma impotência só agora plenamente manifesta: a impossibilidade de educar em tempo de fantasmas. Porque este, sem que habitualmente nos apercebamos, é de facto um tempo de fantasmas. Na verdade, a preceptora representa uma espécie em extinção: a dos mestres. Por mais professores que ainda existam, de ano para ano, a sua função parece tornar-se obsoleta.

É impossível ser mestre, quando a figura correspondente, a do jovem aprendiz (aquele que acreditaria no valor do conhecimento e que existem seres dotados da capacidade de o auxiliarem na descoberta do mundo), já não existe.

A extensão de tal crise é ampla e profunda. Vai até às raízes do que é educar. Se este acto implica um vínculo, uma continuidade e um desvio fecundo, podemos dizer que também a educação parental estará dentro em breve morta, uma vez que a figura do filho, tradicionalmente entendida, morre também. A ruptura niilista consumada no mundo virtual em que vivem parece não ser reatável.

A morte de Deus anunciada por Nietzsche, não era mais que a constatação da morte da autoria: o autor-mor está morto simplesmente porque não é reconhecido pelas criaturas; começavam a morrer com ele o vínculo com o passado, os autores da tradição, os Pais; morrem, agora, os que socialmente os vieram substituir, os “autores” e transmissores do saber, os Mestres, vulgo, professores.

Nesta galeria de espaços vazios, quem dará agora a conhecer o mundo às nossas crianças e aos nossos jovens? Verdadeiramente ninguém. Ou, se quisermos ser subtis, na realidade são fantasmas que educam hoje as crianças e os jovens. Não já as figuras tutelares e impotentes dos pais ou dos professores, mas o próprio mundo tornado espectro, um mundo feito de imagens fascinantes que chegam incessante e inapelavelmente. A criança chora no comboio ou na sala de espera do médico? Dá-se-lhe o telemóvel ou tablet, e ei-la a jogar. O jovem está aborrecido num jantar de família? Nem precisa de pedir. É tácito que tem o direito de se refugiar no Instagram ou no seu grupo de Whatsapp.

“O jovem está aborrecido num jantar de família? É tácito que tem o direito de se refugiar no Instagram ou no seu grupo de Whatsapp...” Foto: Today Testing / Wikimedia Commons

 

Mas que mundo fantasmagórico é este que se dá a conhecer aos nossos filhos e aos nossos jovens sem qualquer mediação? Sim, porque por mais que alguns pais ou professores lhes tentem fornecer um filtro crítico, um princípio de realidade, este mundo é tão poderosamente fascinante, hipnótico e narcotizante que aqueles nada podem…

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia. Até porque os fantasmas não vêm do nada, por detrás de qualquer mundo criado há sempre uma ideia geradora…

Curiosamente, tal como a maior parte das histórias góticas, as sementes da “construção mental” desse mundo foram em grande parte anglo-saxónicas, sementes que, transplantadas para o continente americano, deram origem a um embondeiro que cobriu a Terra. Não falo apenas da Sociedade do Espectáculo, que Hollywood, a televisão e depois os novos meios tecnológicos difundiram e impuseram exaustivamente; não falo sequer particularmente contra a imagem ou o cinema – pois também a imagem enquanto filha da imaginação criativa e o cinema enquanto filho do pensamento crítico podem colaborar na criação de seres humanos autónomos; falo antes dessa espécie de nova ideologia que, composta por implícitos epistemológicos, psicológicos e filosóficos (a maioria nascidos na dobra entre o séc. XIX e o séc. XX), está na base do mundo tal como se nos apresenta hoje através dos ecrãs.

Pensando, por exemplo, nos videojogos ou nas redes sociais – falo do behaviorismo, segundo o qual o comportamento humano se reduz à resposta imediata a um estímulo; falo do ódio ao pensamento que ele gera, já que a interposição do pensamento se apresenta como empecilho à “acção”. Falo da usurpação do antigo lugar do livre-arbítrio (ou da possibilidade do seu uso) que o behaviorismo representa, na medida em que, sem a colocação de várias hipóteses pelo pensamento, sem a avaliação das mesmas por este, sem a recusa de alguns estímulos e a decisão final por um deles, não há verdadeira acção (isto é, acção livre).

Falo, a este propósito, das formas contemporâneas do behaviorismo: do presentismo radical que, ignorando as raízes antropológicas e históricas do presente, cria perigosos desmemoriados, terreno fértil de populismos e novos fascismos; do presentismo da velocidade que, exaltando a fruição sem demora e sem a avaliação das consequências, compromete a capacidade humana fundamental de projectar a vida; do presentismo hedonista e narcísico disfarçado de “nova espiritualidade”; do presentismo multissensorial que, violando os limites temporais do cérebro humano para o processamento de informação, põe em risco a saúde mental.

Falo, neste caso ainda, dos placebos encontrados para o mal-estar decorrente da negação da negatividade inerente a qualquer vida humana, placebos que superficialmente iludem as doenças do excesso, mas nada resolvem na raiz: o opinismo amador ou supersticioso dos youtubers, as fórmulas new-age, as “psicologias positivas”, o coaching, os livros de auto-ajuda, as novas igrejas milagreiras, as velhas, de rituais vazios, que, ainda assim, tal como os outros placebos, se insinuam no novíssimo espaço virtual…

“Todas estas formas de ideologia afectam hoje indelevelmente as relações humanas, os gestos e as criações humanas”. Foto: Sara Nieto, Acções do marketing digital / Wikimedia Commons.

 

Desse tão próximo de nós séc. XIX vêm também o pragmatismo, a publicidade, o cientismo, o darwinismo e todas as formas actuais derivadas dos mesmos… O pragmatismo, segundo o qual só o útil é verdadeiro e válido; sendo tudo, consequentemente, comprável e/ou descartável, valendo o conhecimento e a arte, por exemplo, apenas na medida em que forem convertíveis em moeda… A publicidade persuasiva que, criando tendências artificialmente e oleando a obsolescência programada dos produtos, alimenta o velho sistema capitalista, para o qual se é tanto mais quanto se produz e consome… O positivismo científico, essa fé cega no facto e nas ciências exactas, hoje sociologicamente convertido em cientismo estatístico e burocrático, segundo o qual se crê ser possível ler numericamente a complexa realidade humana, violentando-a através de simplificações desumanas que, para cúmulo, se impõem, no mundo escolar e do trabalho, como metas a atingir… O darwinismo social, que, refundado no mito da igualdade de capacidades em todos os humanos, as destina a uma única necessidade: a luta individual e interesseira pela sobrevivência.

Florescem hoje, graças a este, os dogmas sinistros do empreendedorismo e da meritocracia, segundo os quais a vida social, sendo biologicamente determinada pela sobrevivência, resulta na divisão da humanidade em: os justamente bem-sucedidos empreendedores (poucos) e a multidão imensa dos “falhados preguiçosos”. Tais dogmas são, de resto, os critérios cegos de eugenia social pelos quais se avaliam, e sobretudo se seleccionam, jovens e adultos, nas escolas e nas empresas…

Todas estas formas de ideologia afectam hoje indelevelmente as relações humanas, os gestos e as criações humanas. Estão presentes no marketing existencial vigente nas redes sociais, segundo o qual cada ser humano tem a dimensão exacta do que de si exibe; ou na miséria estética dos objectos “artísticos” criados propositadamente para a diversão narcotizante das massas; ou no algoritmo que exclui o que é novo e diferente da partilha estética da maioria, reduzindo a sensibilidade ao belo à mediania morna do agradável, expressa em likes e emojis.

Portanto, a impotência da preceptora de A Volta no Parafuso é a nossa, de pais e de professores. Os fantasmas actuais, contudo, são, como se acaba de ver, muito mais requintados e perversos do que aqueles que o ressentimento e o medo dos mortos geravam. Os novos fantasmas são máquinas altamente sofisticadas e os fios que os movem, apesar de identificáveis e de modo nenhum metafísicos, são invisíveis para quem vive fascinados diante de tais fantasmas.

E esse é o drama presente da educação escolar e parental: aqueles que ainda vêem os fios habitam em mundos tão diversos dos das crianças e jovens que acompanham, que o diálogo se torna aparentemente impossível. Pois, como mostrar, sem causar repúdio a quem vive por assim dizer no capricho do fascínio, que tais fantasmas estrangulam dimensões imprescindíveis ao florescimento da humanidade no humano? Dimensões como a gratuidade dos gestos, a ética da co-responsabilidade, a partilha estética exigente, a sensibilidade ao outro, a empatia, a compaixão, a emulação para a excelência, a complementaridade dos talentos, a mútua alegria de corpos e rostos frente a frente, enfim, a amizade e o amor…

Numa das leituras possíveis da obra-prima de Henry James, os fantasmas são meras alucinações da preceptora. A esperança do autor destas notas desencantadas é a de que, se bem que contribuindo para alertar para um problema real, estas venham a revelar-se também visões parciais e enganadoras de uma realidade afinal rica em recursos insuspeitos, na qual as futuras gerações encontrarão um equilíbrio entre a humanidade, a tecnologia e a natureza. Nesse sentido, o desafio que se impõe inevitavelmente ao pensamento, agora, é responder à pergunta: Como educar em tempo de fantasmas?

 

* Do livro de Henry James há pelo menos duas edições em português, uma publicada pela Relógio d’Água, a outra na Sistema Solar, que optou pela tradução O Aperto do Parafuso para o título.

 

Paulo Pereira de Carvalho é professor de Filosofia no ensino secundário

Continuar a ler...

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This