Guterres pede ações urgentes

Efeito de estufa com novos máximos faz das renováveis o “único caminho”

| 18 Mai 2022

energias renovaveis foto c filograph

“As energias renováveis ​​são o único caminho para a segurança energética real, preços de energia estáveis ​​e oportunidades de emprego sustentáveis”, afirmou António Guterres. Foto © Filograph.

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, instou esta quarta-feira, 18, os Estados membros a adotar ações que considerou “críticas” para “impulsionar a transição para as energias renováveis” e assim enfrentar os indicadores-chave da mudança climática que conheceram novos recordes em 2021.

Entre essas ações, destacou um maior acesso à tecnologia e abastecimento de energia renovável, a triplicação dos investimentos privados e públicos nesse tipo de energias ​​e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis.

Estas propostas surgem no seguimento de um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM), que acaba de ser publicado, e que aponta para novos máximos atingidos no planeta no respeitante a concentrações de gases de efeito estufa, aumento do nível do mar, calor do oceano e acidificação do oceano.

“Este é mais um sinal claro de que as atividades humanas estão a causar mudanças à escala planetária em terra, no oceano e na atmosfera, com ramificações prejudiciais e duradouras para o desenvolvimento sustentável e os ecossistemas”, alerta a OMM.

Por sua vez, António Guterres lamentou que o assunto se tenha convertido numa “ladainha sombria do fracasso da humanidade em lidar com a disrupção climática”.

“As energias renováveis ​​são o único caminho para a segurança energética real, preços de energia estáveis ​​e oportunidades de emprego sustentáveis. Se agirmos juntos, a transformação das energias renováveis ​​pode ser o projeto de paz do século XXI”, disse Guterres.

O relatório da OMM sobre o estado do clima global em 2021 vem confirmar que os últimos sete anos foram os nos mais quentes alguma vez registados, com a temperatura média global a situar-se em cerca de 1,11°C acima do nível pré-industrial.

Como tem sido apontado, o objetivo do mundo orienta-se no sentido de agir nesta década para evitar impactos climáticos cada vez piores e manter o aumento da temperatura abaixo de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, como também recordou o secretário-geral, na sessão de apresentação do relatório.

A emergência da seca no Corno de África, as recentes inundações mortais na África do Sul e o calor extremo na Índia e no Paquistão são apenas os exemplos mais recentes de um fenómeno cada vez mais generalizado e frequente. “É apenas uma questão de tempo até vermos outro ano mais quente do que algum anteriormente registado”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

O relatório da Situação do Clima Global, da OMM, complementa o da Sexta Avaliação do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), que inclui dados até 2019 e será usado como documento oficial para as negociações da ONU sobre mudanças climáticas, na COP27, cimeira que ocorrerá este ano no Egito.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This