Eles vêm tirar-nos os sonhos

| 20 Mar 2022

“Há alguém por aí” Foto © Ana Cordovil

“Há alguém por aí” Foto © Ana Cordovil

 

Senhores governantes, senhores jornalistas

Há mais vida para além das notícias de guerra.

Eram 11h da manhã, naquele café onde estava pela primeira vez, a conversa na mesa do lado era para se ouvir… cinco senhoras, todas vizinhas de lotes próximos e “evitados” pela cidade.

Naquele bairro as ruas não ganham chão de passeio, as portas não se acertam a fechar, as entradas dos lotes numerados não ganham cor, são antes lugares de encontros combinados e rápidas passagens.

Na rua onde teimosamente aprendo a estar, há olhares de desafio e solidão que evitam viver.

Mas, teimosamente as vizinhas no café falam e não querem desistir.

“Sabes como o filho da Maria? Aquele que ficou sem emprego e sem casa com esta… da covid, agora que tudo se parecia compor com promessas da segurança social e da Santa Casa, vem agora esta gente… sim, sei que vêm da guerra que não é boa, mas vêm ‘roubar’ de novo as casa e os nossos empregos”…

“Isto é sempre para os mesmos! E quem não tem e precisa vai ficar outra vez na rua ou a dividir camas ou chão na casa da mãe?…”

“Querem ajudar, muito bem! mas aqui a malta que estava já sem forças depois de dois anos com a covid, como é que é?”

“Eu queria ver essa gente do governo a viver aqui! Isso sim!”

“E a polícia só apanha quem não devia… os que roubam andam aí à grande e até se riem da gente.”

A televisão sempre ligada! O rol de imagens e notícias sobre a guerra invade e cruza a conversa das vizinhas.

 

Senhores Governantes

Não esqueçam a quem devem servir e cuidar.

A vida dos mais desprotegidos tanto pela guerra como pela miséria que geramos nos regimes que temos deve ser sempre a nossa prioridade. Esquecer alguns ou adiar os projetos mais urgentes socialmente é um erro demasiado pesado para o futuro.

 

e Senhores Jornalistas

Por favor, não queremos só notícias da guerra quase em direto a entrar nas nossas cabeças.

A solidariedade organizada para responder ao drama da guerra não pode ser esquecida mas procurem outras notícias! e divulguem boas iniciativas e outras necessidades que vos chamam a dar voz!

Ao decidir escrever esta crónica no 7MARGENS, é também como católica que o faço pois para mim o Deus em que acredito tem o mesmo olhar pelos que sofrem as guerras e as senhoras que conversam com amargura no café. A todos somos chamados a olhar, cuidar e respeitar.

Saiba eu, em primeiro lugar, ser mais útil onde posso ajudar.

 

“Queres vir?” Foto © Ana Cordovil

“Queres vir?” Foto © Ana Cordovil

 

Ana Cordovil

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This