Comunidade em choque

Em França, padre acusado de abuso sexual comete suicídio

| 16 Jul 2023

padres, clero, clérigos,

O padre foi o quinto sacerdote a tirar a sua própria vida após acusações de abusos nos últimos cinco anos. Foto © Direitos reservados.

 

Um pároco acusado de abusar de uma jovem adolescente suicidou-se numa pequena cidade do nordeste de França. Benjamin Sellier, pároco da pequena cidade de Avesnessur-Helpe, a menos de dez quilómetros da fronteira com a Bélgica, morreu às 3 da manhã de 11 de julho, depois de ter sido atingido por um comboio de mercadorias. O clérigo de 47 anos estava a caminhar no meio dos dos carris e o maquinista do comboio não o viu a tempo de tempo de parar, noticia o jornal francês La Croix (artigo para assinantes).

Foi o quinto padre francês acusado de abuso sexual a suicidar-se nos últimos cinco anos. “Foi com profunda tristeza que recebemos a notícia da morte do Padre Benjamin Sellier, pároco da região de Avesnois,” disse o Arcebispo de Cambrai, Vincent Dollmann, num primeiro comunicado de imprensa.

O arcebispo confirmou ao La Croix que a morte do padre foi um suicídio ligado a dificuldades relacionadas com uma acusação de abuso. Há alguns meses, uma jovem adolescente adolescente apresentou queixa contra Sellier e o Ministério Público estava a investigar.

Segundo apurou o La Croix, o padre estava a colaborar com a investigação e, por causa da investigação, foi objeto de medidas cautelares. Foi suspenso do trabalho com jovens e comprometeu-se a procurar aconselhamento psicológico. “Seja qual for o resultado do processo, ele estava profundamente afetado pelas consequências de um eventual julgamento, e, em particular, pelas explosões nas redes sociais”, disse uma pessoa familiarizada com a sua situação.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This