Emissões zero, água e emissões limpas – escolher “o que conta”, pede o Papa Francisco

| 12 Out 2020

O Papa Francisco, num dos momentos da sua intervenção por vídeo na conferência Countdown TED. Foto captada do vídeo no canal YouTube.

 

É necessário escolher “entre o que conta e o que não conta”, em relação ao problema das alterações climáticas, disse o Papa Francisco, numa mensagem vídeo à iniciativa global “Countdown” TED, na qual personalidades de todos os quadrantes tentam sensibilizar para as consequências daquele problema.

Na sua intervenção, o Papa destaca que deve ser feita uma “escolha entre continuar a ignorar o sofrimento dos mais pobres e maltratar a nossa casa comum, a Terra, ou comprometermo-nos a todos os níveis a transformar a nossa forma de agir”.

Citado pela revista espanhola Vida Nueva, o Papa destacou o papel de cada pessoa para enfrentar a crise ecológica antes que seja demasiado tarde e acrescentou que o actual sistema económico é “insustentável”. “Estamos perante o imperativo moral, e a urgência prática, de repensar muitas coisas: como produzimos, como consumimos, pensando na nossa cultura do desperdício, a visão de curto prazo, a exploração dos pobres, a indiferença para com eles, o aumento das desigualdades e a dependência de fontes de energia nocivas.”

Francisco apelou ainda a um compromisso que permita “construir, na próxima década, um mundo em que as necessidades das gerações presentes, incluindo todas, possam ser satisfeitas sem comprometer as possibilidades das gerações futuras”.

Para isso, propôs que cada pessoa “pode dar um contributo significativo”, seja como indivíduos ou membros de grupos – famílias, comunidades religiosas, empresas, associações, instituições: educação no cuidado da casa comum; compreensão de que os problemas ambientais estão ligados às necessidades humanas; e educação baseada em dados científicos e uma abordagem ética.

Também o acesso à água limpa como “um direito humano essencial e universal” é importante. “É essencial, porque determina a sobrevivência das pessoas e é, portanto, uma condição para o exercício de todos os outros direitos e responsabilidades”, afirmou. Para acrescentar: “Garantir uma alimentação adequada para todos através de métodos agrícolas não destrutivos deve tornar-se o objectivo fundamental de todo o ciclo de produção e distribuição de alimentos.”

A sua terceira proposta é “uma substituição progressiva, mas sem demora, dos combustíveis fósseis por fontes de energia limpa”. Temos apenas alguns anos (menos de 30, segundo os cientistas) para reduzir drasticamente as emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera. “Esta transição deve não só ser rápida e capaz de satisfazer as necessidades energéticas presentes e futuras, mas também estar atenta aos efeitos sobre os pobres, as populações locais e os que trabalham nos sectores de produção de energia”, afirmou o Papa, que insistiu na ideia de que a Terra “deve ser trabalhada e cuidada, cultivada e protegida” e que “não podemos continuar a espremê-la como uma laranja”.

Esta iniciativa, explica a Ecclesia, pretende “acelerar soluções” para as alterações climáticas, e teve a participação de mais de 50 oradores – activistas, líderes religiosos e políticos, artistas, cientistas e empresários.

“Gostaria de convidar-vos a fazer uma viagem juntos. Uma jornada de transformação e ação. Não tanto por palavras, mas sobretudo por ações concretas e urgentes”, pediu o Papa, recordando o seu conceito de “ecologia integral” fixado na encíclica Laudato Si’, de 2015.

(A intervenção integral do Papa pode ser vista a seguir, em italiano, com legendas em inglês)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This