Empregos do futuro: automação, trabalhos diferentes e menos acidentes

| 17 Jan 19

Cerca de 50 por cento do tempo despendido nas atuais atividades laborais em Portugal poderia ser automatizado com tecnologias existentes, “o que representa um elevado potencial de automação quando comparado com outros países”, de acordo um estudo apresentado nesta quinta-feira, 16 de janeiro.

O estudo da CIP – Confederação Empresarial de Portugal (desenvolvido em conjunto com o McKinsey Global Institute e a Nova School of Business and Economics) calcula que aquela percentagem de tempo crescerá para 67 por cento, em 2030. Num cenário conservador (em que se assume que apenas um quarto do potencial total pode ser automatizado – por falta de capacidade de investimento das empresas, por exemplo – a adoção da automação em Portugal pode levar à perda de 1,1 milhões de empregos na indústria e comércio até 2030.

O elevado potencial de automação do país está relacionado com o peso significativo da indústria transformadora e o comércio na economia nacional.

Segundo o estudo intitulado “Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal”, cerca de 1,8 milhões de trabalhadores portugueses terão de melhorar competências ou mudar de emprego até 2030, o que “coloca desafios significativos, que exigirão um papel ativo”, tanto do Governo como do setor privado, “no processo de reconversão da força de trabalho”: “A transformação digital da sociedade e da economia nacionais representam uma enorme oportunidade. Para que se minimizem os desafios decorrentes desta transição e para que se potenciem as imensas oportunidades, impõe-se uma avaliação de novas políticas públicas e um eficaz plano de requalificação da sociedade, num esforço conjunto entre setor público, empresas e instituições de educação e formação”, lê-se ainda no documento.

Esta automação criará ainda outros postos de trabalho na saúde, assistência social, ciência, profissões técnicas e construção: o estudo estima que as novas tecnologias e o crescimento económico poderão gerar entre 600 mil e 1,1 milhões de empregos. 

Para fazer este estudo foram analisadas 800 profissões e 2000 tarefas desempenhadas em diversos setores de atividade – identificando 18 competências de base necessárias para desempenhar qualquer posição e a capacidade de automação de cada uma delas.

A possibilidade de automação das indústrias transformadoras pode trazer, como consequência, a diminuição dos acidentes de trabalho, já que a maioria dos acidentes de trabalho mortais acontecem nas indústrias transformadoras e da construção. Depois de anos em queda, o número de mortes por acidentes de trabalho voltou a aumentar em Portugal:  no último ano, esta foi a causa de morte de mais de 131 pessoas – um aumento de 10 por cento, comparado com 2017. 

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Pessoas

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Viver no ritmo certo novidade

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Uma Teofania nos corações humanos

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This