Empregos do futuro: automação, trabalhos diferentes e menos acidentes

| 17 Jan 19

Cerca de 50 por cento do tempo despendido nas atuais atividades laborais em Portugal poderia ser automatizado com tecnologias existentes, “o que representa um elevado potencial de automação quando comparado com outros países”, de acordo um estudo apresentado nesta quinta-feira, 16 de janeiro.

O estudo da CIP – Confederação Empresarial de Portugal (desenvolvido em conjunto com o McKinsey Global Institute e a Nova School of Business and Economics) calcula que aquela percentagem de tempo crescerá para 67 por cento, em 2030. Num cenário conservador (em que se assume que apenas um quarto do potencial total pode ser automatizado – por falta de capacidade de investimento das empresas, por exemplo – a adoção da automação em Portugal pode levar à perda de 1,1 milhões de empregos na indústria e comércio até 2030.

O elevado potencial de automação do país está relacionado com o peso significativo da indústria transformadora e o comércio na economia nacional.

Segundo o estudo intitulado “Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal”, cerca de 1,8 milhões de trabalhadores portugueses terão de melhorar competências ou mudar de emprego até 2030, o que “coloca desafios significativos, que exigirão um papel ativo”, tanto do Governo como do setor privado, “no processo de reconversão da força de trabalho”: “A transformação digital da sociedade e da economia nacionais representam uma enorme oportunidade. Para que se minimizem os desafios decorrentes desta transição e para que se potenciem as imensas oportunidades, impõe-se uma avaliação de novas políticas públicas e um eficaz plano de requalificação da sociedade, num esforço conjunto entre setor público, empresas e instituições de educação e formação”, lê-se ainda no documento.

Esta automação criará ainda outros postos de trabalho na saúde, assistência social, ciência, profissões técnicas e construção: o estudo estima que as novas tecnologias e o crescimento económico poderão gerar entre 600 mil e 1,1 milhões de empregos. 

Para fazer este estudo foram analisadas 800 profissões e 2000 tarefas desempenhadas em diversos setores de atividade – identificando 18 competências de base necessárias para desempenhar qualquer posição e a capacidade de automação de cada uma delas.

A possibilidade de automação das indústrias transformadoras pode trazer, como consequência, a diminuição dos acidentes de trabalho, já que a maioria dos acidentes de trabalho mortais acontecem nas indústrias transformadoras e da construção. Depois de anos em queda, o número de mortes por acidentes de trabalho voltou a aumentar em Portugal:  no último ano, esta foi a causa de morte de mais de 131 pessoas – um aumento de 10 por cento, comparado com 2017. 

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Os lugares do Papa no Iraque: uma viagem de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade

Os lugares da viagem do Papa ao Iraque erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Ali começou a viagem de Abraão, ali Francisco regressa numa visita que traduz o reencontro e a reafirmação da fraternidade. Um percurso pelos lugares da viagem, ao encontro da memória desses lugares.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Pessoas

Sete Partidas

Viagem ao Sul

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Guardar o jardim do mundo

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This