Encanto e tristeza

| 13 Mar 20

Escrevo com vontade de pintar. É dessa possibilidade que construo esta crónica.

63 anos

 

Há dias recebi em nossa casa uma amiga que não via há algum tempo.

Encontrámo-nos primeiro no meu ateliê de pintura e quase no início de conversa perguntei-lhe:

“Enquanto esperas que termine o meu trabalho, queres ler uma revista ou pintar?”

A reposta foi pronta:

“Pintar”

Dispus na mesa papéis e aguarelas.

O nosso reencontro começara há poucos minutos. Fazia mais de um ano que não nos abraçávamos. Mas ficámos em silêncio. Cada uma de roda do que tinha entre mãos.

Quando se pinta não se dizem muitas palavras. É assim como um encontro com a nossa intimidade. Apesar do tempo todo que passara desde a última vez que conversáramos, a minha amiga pintou sem pressas, ou destino marcado. Estava a pintar.

Ao terminar ofereceu-me esta pintura.

34 anos

 

Logo me encantou e mais tarde já em nossa casa, e antes de voltar a partir, acrescentou-lhe uma dedicatória que transcrevo em parte:

“Uma casa é feita de pessoas.

Grandes, pequenas, de diferentes cores e gerações.

Uma casa é feita de acolhimento, de encontros e alegrias.

Uma casa é feita de laços e corações.

Mas há um coração que nos une, que se chama família…”

Foi ao saborear aquela mensagem, repetindo-a em silêncio para mim mesma, que construí esta crónica que já “crescia” em mim.

Retomemos o tema da casa.

A casa.

A casa devia ser esse lugar a que todos procuramos chegar, onde nos sentimos seguros, amados e livres.

Mas a minha amiga acrescenta à casa – no que escreve como o seu desejo de uma casa, do que deve ser uma casa – o sentido de família alargada.

É dessa família alargada que me lembro sem cessar quando, junto de nós, pessoas e famílias são despejadas das casas em que moraram durante anos, sem quaisquer medidas de proteção adequadas e respeitadoras da sua humanidade. Vítimas da “modernização” da cidade, desgraçadamente incapazes de pagarem a súbita valorização do chão onde construíram vida. Pior ainda é a tristeza que nos fica no coração com as novas notícias de tantos que fogem das guerras e da fome e vivem atirados de fronteira em fronteira… Família, casa – que significado terá para eles?

Onde estamos nós face a este nosso próximo? Que sinais de esperança damos e construímos nas nossas vidas, casas e famílias?

No meio de tantas dúvidas e tristeza, há uns dias senti-me parte de um abraço maior.

O dia, em Lisboa, tinha nascido carregado de humidade no ar. O frio e vento pareciam que tolhiam os nossos movimentos.

Ele há dias que temos vontade de voltar para casa. Dias em que sentimos que não devíamos ter saído de casa.

No meio de alguma azáfama e ansiedade, o céu carregado de chuva resolveu cair sobre tudo que encontrou. Durou poucos minutos, mas deixou muitos de nós encharcados até aos ossos e espalhou estragos por aqui e por ali. Nada de muita monta.

Foi o caos – dissemos.

Mas após alguns minutos surgiu o Arco-íris enorme e lindo!

6 anos

 

Senti-o como uma bênção do céu. Assim como uma dádiva carregada de promessas para todos.

O arco-íris inspira crianças e adultos na sua pintura e surgiu para mim como a promessa de uma casa/uma família onde caibam todos os homens por igual.

Saibamos construir essa casa.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco