Encarnando o irmão Luc

| 27 Set 20

Michael Londasle. Dos Homens e dos Deuses

Michael Londasle no papel de irmão Eric, numa cena de Dos Homens e dos Deuses. Foto: Direitos reservados

 

Michael Lonsdale era, na sexta-feira, ao final do dia, na sala 3 dos Cinemas Cinemax do BragaShopping, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

“Este filme toca o coração. Ele fala de coisas raras, como o sacrifício, a coragem ou o trabalho em favor do entendimento entre os povos. É perturbadora, esta história de vítimas inocentes, sacrificadas. Os monges de Tibhirine estavam completamente integrados na população. Cultivavam a terra, criavam ovelhas, cuidavam de colmeias… Os camponeses com quem trabalhavam, que curavam, eram como irmãos que eles não queriam abandonar”, diz Michael Lonsdale numa entrevista publicada num número especial da revista Pélerin dedicado ao filme sobre estes monges que morreram por, apesar de ameaçados, não terem querido abandonar a pobre gente argelina da vizinhança.

Michael Lonsdale não será, com certeza, entre nós, um actor muito conhecido, mas isso não obsta a que seja, sem qualquer dúvida, um dos mais fascinantes actores franceses de teatro (um dos seus amigos foi Samuel Beckett) e de cinema. Os cinéfilos recordar-se-ão, talvez, de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, e outros, por não associarem o nome à pessoa ou, melhor dizendo, ao actor, não saberão que ele foi o abade obscurantista do filme O Nome da Rosa ou que já desempenhou o papel do vilão que se esforça para fazer a vida negra a James Bond. Não é, evidentemente, por acaso que se participa em filmes de Luis Buñuel, Louis Malle, Steven Spielberg ou François Truffaut.

Encarnar o irmão Luc foi muito fácil para Michael Lonsdale. A razão, explica o actor, deve-se ao facto de compreender muito bem as motivações do monge. “É como um amigo, não tenho qualquer dúvida.” Luc é monge e médico. De manhã à noite, cuida das doenças dos camponeses argelinos que vêm ao mosteiro. Chega a receber cento e cinquenta pessoas por dia. Tem ainda tempo para escutar e ajudar a encontrar respostas, como sucede quando a filha do jardineiro lhe pergunta o que é o amor. O actor, tal como Luc, é católico.

Num pequeno livro de orações (Oraisons. Arles: Actes Sud, 2000), Michael Lonsdale escreve que Marguerite Duras lhe contou que o viu num sonho com o hábito de monge. “Não me tornei monge. Gostaria de o ter sido. Doce apelo, que a minha miserável natureza não escutou.” Dos Homens e dos Deuses permitiu-lhe ser, por algum tempo, bem mais do que um intérprete de um monge.

“Era um cristão algo ‘morno’, que vivia egoisticamente. A fé ensinou-me o perdão e a suprimir o julgamento. A religião tornou-se parte essencial da minha vida. Mas ela encontra-se intimamente ligada às duas outras componentes da minha existência, o cinema e a pintura. A expressão artística é um dom de Deus”, confessou numa entrevista concedida a Le Journal du Dimanche (19 de Fevereiro de 2011).

A fé que professa e a Igreja a que pertence foram temas incontornáveis dessa conversa. Michael Lonsdale julga que “há uma forma de Igreja que é demasiado arcaica – isso não pode continuar –, é preciso que as coisas mexam. A mediocridade beata reduz o Cristo a uma espécie de obrigação severa. Falava-se ainda, há não demasiado tempo, do tribunal de Deus. É um pavor”. A seguir, manifesta outro incómodo: “É preciso parar com os trajes de cardeais e de bispos, o fausto que impõe uma representação rica de Deus, que é contrária à sua mensagem. É preciso eliminar todos esses signos exteriores”.

O actor espera também que se autorize o casamento dos padres um dia. “O temperamento humano é demasiado forte para aceitar esta vida sem que isso seja problemático. Os apóstolos eram casados, os padres também o eram até ao século XI. Talvez isso ocorra com o próximo Papa, mais moderno, mais jovem”.

Questionado sobre se tem medo da morte, Michael Lonsdale diz que não, que ela é natural. “Nascemos, desaparecemos, permanece o grande mistério do depois. Mas acredito na palavra de Cristo: ‘Em verdade te digo, estarás comigo no paraíso.’ Sinto-me sereno, deposito as coisas nas mãos de Deus.”

Entre o que necessita, o actor refere o silêncio. “O silêncio é de ouro neste mundo moderno barulhento, em que não se cessa de gesticular, falar, correr e para quê?” Uma útil pergunta para estes tempos.

 

Este texto foi publicado no Diário do Minho de 5 de Junho de 2011. O 7MARGENS publicou já, a propósito da morte de Michael Londasle, uma entrevista dada ao jornal L’1visible.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Um Grande Homem: Integrado Marginal

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

[Mãos à obra]

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão novidade

O conceito de desenvolvimento sustentável tem duas interpretações: para os intelectuais humanistas é um desenvolvimento que respeita o ambiente, de forma abstrata, sem contabilizar desenvolvimento ou impacte ambiental, mas pode levar a questionar o modelo económico e até o modo de vida actuais; para os industriais, políticos e economistas entende-se como um desenvolvimento que possa ser eterno.

A ideia de Deus

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This