Tradição de Quaresma

Encomendação das almas ecoa nas noites da aldeia de Carlão

| 10 Mar 2024

Encomendação das Almas. Quaresma

Mulheres de Carlão juntam-se nos pontos mais altos para cantar às almas. Foto © Filipe Ribeiro

 

Uma dúzia de mulheres vestidas de negro, de tochas em punho na penumbra da noite, reza e canta no ponto mais alto da aldeia de Carlão, concelho de Alijó, para, de forma audível, reduzir as penas das almas que sofrem no purgatório. O ritual repete-se aos sábados ao longo da Quaresma. É a encomendação das almas – uma tradição ancestral, de base popular, mas profundamente religiosa, que ainda se mantém em algumas localidades transmontanas.

A tradição foi reavivada em 2019, depois de uns anos em que caiu em desuso, graças a um grupo de mulheres que se junta durante a Quaresma, aos sábados à noite, para “cantar às almas”. “Queremos preservar esta tradição que é muito antiga”, diz António Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Carlão e Amieiro.

O envelhecimento da população e o êxodo rural, sobretudo por causa da emigração, têm “deixado cair” algumas tradições que, para o autarca, “importa preservar”.  “Temos pouca gente, que é maioritariamente idosa, e as tradições vão-se perdendo. Estes costumes vão desaparecendo, mas é importante preservar as tradições antigas”, ressalva.

Os conceitos de céu, purgatório e inferno fazem parte da religiosidade popular e estão muito enraizados nos meios mais rurais. É neste espaço que o ritual da encomendação das almas se mantém enquanto prática de culto, para “interceder pelas almas dos antepassados que estão a sofrer no purgatório”. Tradicionalmente, os grupos que percorriam a aldeia em oração eram mistos, ou só de mulheres. Vestidos de negro, saíam de casa a altas horas da noite e paravam em vários pontos da aldeia para rezar em conjunto. “Pede-se a salvação das almas do purgatório, para que passem à Glória”.

Encomendação das Almas. Quaresma

Isaura é uma das impulsionadoras do grupo. Foto © Filipe Ribeiro

Isaura Dias, que lidera o grupo de uma dúzia de mulheres, a sua maioria ainda jovem, lembra que a oração, em locais elevados, tem por intenção primeira “pessoas que sofreram mortes trágicas ou repentinas e, na agonia, não tiveram tempo para se preparar para a passagem para o outro mundo”.

Para que a oração seja audível em toda a aldeia, o grupo percorre os sítios mais altos, que devem ser “em número ímpar” (cinco, sete ou nove) e “sem nunca andar para trás”. “Costumamos subir às fragas ou a sítios altos, onde as pessoas não nos vêm, mas de onde somos bem ouvidas”, lembra Isaura.

Antigamente, na aldeia, havia vários grupos de oração que incluíam também homens. “Hoje, infelizmente, não temos nenhuma voz masculina que nos acompanhe. Não porque não possam participar, mas porque, apesar do apelo, não querem”, acrescenta.

A encomendação das almas em Carlão acontece até à Quinta-Feira Santa (noite em que se cantam os martírios) e não é rezada no Sábado de Aleluia (dia 30 de março) por este já fazer parte das celebrações de Páscoa.

 

pe de pagina Journalismfund Europe 7MONTES (1)

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This