Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

| 12 Jul 20

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

O texto da balada final do filme não me dizia nada de especial: Here’s to you, Nicolas and Bart/ Rest for ever here in our hearts/ The last and final moment is yours/ That agony is your triumph. (“Isto é para vocês, Nicolas e Bart, permaneceis para sempre aqui, nos nossos corações, o último e derradeiro momento é vosso, essa agonia é o vosso triunfo”).

A música, sim, acabou por me cativar. Trata-se de uma melodia muito simples, composta de quatro frases: AA’BA’’, baseada num baixo contínuo (ostinato) que lhe faculta a harmonia de Mi menor com uma ligeira modulação a Sol Maior na terceira frase. Mas o que mais me interessou foi a orquestração: iniciado o ostinato nos graves do piano, logo seguido pelo mesmo em terceiras paralelas, a que se junta um órgão em contraponto igualmente simples, mas cativante, depois do qual se apresenta a voz do solista. Esta é depressa dobrada por um pequeno grupo, que por sua vez vai engrossando de volume até constituir um verdadeiro clímax coral, agora com o apoio de toda uma orquestra ligeira e sempre sobre a base do tal ostinato, agora nos baixos da mesma.

 

Diante de tanta simplicidade “complexa”, sem pensar na origem da composição, veio-me à ideia aproveitar aquela música para as minhas celebrações sacras e litúrgicas: parecia-me que aquela melodia entrava facilmente no ouvido, era rica em harmonia e podia servir de comunhão a grupos de fé. Pedi então ao Manuel Neto, o poeta exímio daquela equipa diocesana de música, que me fizesse uma letra interventiva à sua maneira, que ficasse bem com aquela melodia, mas ele demorou a responder-me.

Com a música a encher-me a cabeça, numa noite decidi-me a ensaiar um rascunho que encaixasse na dita melodia e saiu-me, com certa facilidade, um texto que primava por algum dinamismo, com verbos activos (faz, escolhe, vai, constrói, abraça…), o que eu pretendia dos meus grupos de intervenção pastoral e litúrgica. Foi assim que surgiu o “Faz a paz, escolhe o amor. Vai, constrói um mundo melhor. Abraça os homens: são teus irmãos. Serás feliz na união.”

Transcrevi, então, de ouvido a música cantada por Joan Baez, com as harmonias e a possível orquestração que adaptei com alguma facilidade ao meu conjunto instrumental utilizado nas liturgias de que era responsável.

Ensaiada ao meu Grupo Coral de Cristo Rei (Gaia), com agrado geral, serviu de inúmeras maneiras e nas mais diversas celebrações: desde as Gospel Night (espécie de Liturgia da Palavra), que eu tinha importado de França, como a Vers l’Homme (que traduzi e adaptei com o título Ao encontro do homem e que a RTP transmitiu após o 25 de Abril de 1974) e que apresentei diversas vezes em várias igrejas da diocese do Porto, até à sua utilização nas missas. Naquelas Gospel Night, o “Faz a Paz, escolhe o amor…” constituiu grande apoteose final: com os instrumentos a apresentarem suavemente os ostinatos originais, seguindo-se a declamação do texto por uma solista, que logo o entoava, a que se seguia uma parte do coro e por fim todo o coro, com a intervenção da assembleia presente convidada a participar com entusiasmo crescente, constituindo o clímax que Morricone previra na balada final do filme.

 

Eis aí a história do meu encontro com a melodia singela, popular, de Ennio Morricone. A sua divulgação por todo o país cristão, mesmo no abraço eucarístico da paz, em cancioneiros litúrgicos quase sempre anónimos, só comprova a validade da aposta inicial numa “paródia” (termo perfeitamente justificado pela Musicologia através dos séculos, mesmo na Igreja) que bateu certo e comoveu tanta gente em Portugal. Comoveu e comove, como se comprova pela minha intervenção de há dois anos num encontro da Fraternitas em Alfragide, quando vários ex-padres, diante da presença autorizada do pastor Dimas de Almeida, se envolveram em discussão de lana caprina, eu proclamei bem alto “Faz a paz, escolhe o amor…” entoando a melodia de Morricone, logo seguida pela assembleia assumidamente vencida pela força daquela mensagem musical.

Sirva o presente testemunho como homenagem que um musicólogo português presta à memória de um autor inesquecível de grande música de filmes, não sei se também de música sacra, que foi Ennio Morricone. Fico apenas com pena de não ter comunicado com o compositor quando, o ano passado, juntou multidões no concerto em Lisboa, na sua última passagem por Portugal, propondo para o grande coro a balada do mesmo para o filme Sacco e Vanzetti, travestida de envolvimento cristão.

 

 

José Maria Pedrosa Cardoso é musicólogo, autor de vários livros de Musicologia e professor aposentado da Universidade de Coimbra.

 

Artigos relacionados

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

A Igreja Católica assinala neste domingo, 18 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. A esse propósito e com esse pretexto, o padre Tony Neves, dos Missionários Espiritanos, escreveu uma análise da Fratelli Tutti em chave missionária. A nova encíclica do Papa Francisco, divulgada há duas semanas, já foi objecto de várias leituras no 7MARGENS. Tony Neves considera-a “um texto inspirador para estes tempos de pandemia mundial”. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

Dormir com o inimigo novidade

O segmento evangélico americano pautou-se durante largas décadas por ensinar aos fiéis a integridade pessoal. A lógica era que o homem nascido de novo (born again) seria transformado à imagem de Cristo e viveria uma nova ética, sendo bom cidadão, bom profissional, parte duma família funcional, promotor da paz e cultivando o amor e o perdão para com o seu semelhante. Billy Graham foi o seu profeta maior, com uma postura de integridade e semeando uma mensagem de esperança num mundo do pós-guerra, devastado física e moralmente.

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco