Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

| 7 Jul 20

Ennio Morricone. Foto: Direitos reservados

 

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

“Estou afectuosamente próximo da mulher Maria e da família ao recordar o maestro Ennio Morricone: confio-o a Deus para que o acolha na harmonia celeste, entregando-lhe, talvez, a tarefa de algumas partituras a fazer executar aos coros angélicos”, escreveu entretanto, na sua página no Twitter, o presidente do Conselho Pontifício da Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi. E o Presidente da República de Itália, Sergio Mattarella, comentou que Ennio Morricone foi um artista “genial”, “ao mesmo tempo refinado e popular”.

Entre as mais de 500 autorias de bandas sonoras de filmes e produções televisivas que lhe são creditadas, podem destacar-se as músicas para os filmes A Missão, Por um Punhado de Dólares, O Bom, o Mau e o Vilão, Era Uma Vez na América e Cinema Paraíso.

 

O maestro trabalhou também com a cantora portuguesa Dulce Pontes para o álbum Focus, que deu origem a um conjunto de concertos realizado em 2017 em várias cidades europeias. A 6 de Maio do ano passado, Morricone deu um concerto em Lisboa, que contou também com a participação de Dulce Pontes, além da orquestra Roma Sinfonietta e do Coro Talin.

Nesse espectáculo, integrado na digressão The Final Concerts (Útlimos Concertos), o compositor fez um percurso temático através de muitas das suas obras mais conhecidas: epopeia história (temas de Os Intocáveis, A Tenda Vermelha, Ata-me) “Era uma vez na América” (temas do filme com o mesmo título, de Por um Punhado de Dólares e de O Bom, o Mau e o Vilão), cinema social (A Batalha de Argel, Sacco e Vanzetti, Afirma Pereira) e terminando com várias peças de A Missão (Gabriel’s Oboe, Fall e On earth as i tis in heaven).

Através do amigo e advogado Giorgio Assumma, ficou a saber-se que Morricone  conservou até ao último momento plena lucidez e grande dignidade” e que morreu “com o conforto da fé”. A nota acrescentava: “Despediu-se da sua amada mulher, Maria, que o acompanhou com dedicação em cada instante da sua vida humana e profissional e esteve ao seu lado até ao último suspiro, agradeceu aos filhos e netos pelo amor e cuidado que lhe deram, dedicou uma comovida lembrança ao seu público, de cujo afetuoso apoio extraiu sempre a força da sua criatividade.”

Morricone foi distinguido em 2019 com a medalha de ouro do pontificado, atribuída por Francisco, quatro anos depois de, em 2015, o compositor ter dedicado uma missa ao Papa. Mas já tinha ganho um Óscar honorário em 2007 e, em 2016, arrecadaria uma nova estatueta de Holywood com a banda sonora do filme Os oito odiados, de Quentin Tarantino.

A última das muitas condecorações recebidas pelo autor de várias peças de inspiração cristã remonta a 5 de Junho deste ano, quando foi distinguido com o prémio Princesa das Astúrias das Artes, que partilhou com o compositor norte-americano John Williams.

O funeral de Ennio Morricone decorrerá de forma privada, “em respeito ao sentimento de humildade que sempre inspirou os actos da sua existência”, refere a nota enviada à imprensa.

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Eventos decorrem até dia 29

Semana Laudato si’ 2022

A Semana Laudato Si’, evento de uma semana de duração que marca o sétimo aniversário da encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da criação, contará com uma série de celebrações globais e a primeira apresentação pública do trailer oficial de O Convite, um novo filme com o Papa Francisco.

China

Repressão contra uigures não para

O município de Konasheher, no centro da região uigur chinesa (Xinjiang), detém, segundo um levantamento da Associated Press (AP), a maior taxa de prisão conhecida no mundo: mais de 10.000 uigures (um em cada 25 habitantes) estão presos, acusados pelos tribunais chineses de atos de terrorismo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

E quando o Papa nos ler sobre o Sínodo? novidade

  O surgir da hipótese sinodal (com as características anunciadas para este caminho 2021-23) apareceu-nos como que o acender de um facho de luminoso gás (Ar-Sopro-Espírito) na imensa escuridão das noites desiludidas, por comuns pseudo-vivências, afinal queridas...

Tríptico e eco

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Enquanto há corrupção, há desesperança

“Se o Estado é forte, esmaga-nos. Se é fraco, perecemos.” Terá sido assim que noutro tempo Paul Valéry (1871-1945) se referiu àquele que é um dos mais fraturantes assuntos da praça pública portuguesa ao longo da última década: a corrupção. 

Cultura e artes

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pré-publicação

Qual é a religião de Deus?

Na próxima quinta-feira, 19 de maio, será apresentado no Porto Todos Nós Somos Sendo (ed. Contraponto), o livro que completa uma trilogia de conversas entre frei Fernando Ventura e Joaquim Franco. O 7MARGENS antecipa um excerto da obra, na qual frei Fernando e Joaquim questionam: “qual é a religião de Deus?” 

Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

Exposições, música e debates

“Diakuyu”: uma iniciativa para ajudar os ucranianos, e agradecer-lhes também

Uma exposição solidária com recolha de fundos para apoio aos refugiados ucranianos em Portugal está patente desde esta quinta-feira, 12, na Galeria Santa Maria Maior, em Lisboa. O título da exposição, Diakuyo, ou “obrigado” em ucraniano, foi escolhido por se tratar de “uma homenagem e agradecimento ao povo ucraniano, que não está está só a lutar em causa própria, mas para a defesa de valores universais da humanidade como a liberdade e a justiça”, explica a organização em nota enviada ao 7MARGENS.

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This