Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

| 7 Jul 20

Ennio Morricone. Foto: Direitos reservados

 

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

“Estou afectuosamente próximo da mulher Maria e da família ao recordar o maestro Ennio Morricone: confio-o a Deus para que o acolha na harmonia celeste, entregando-lhe, talvez, a tarefa de algumas partituras a fazer executar aos coros angélicos”, escreveu entretanto, na sua página no Twitter, o presidente do Conselho Pontifício da Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi. E o Presidente da República de Itália, Sergio Mattarella, comentou que Ennio Morricone foi um artista “genial”, “ao mesmo tempo refinado e popular”.

Entre as mais de 500 autorias de bandas sonoras de filmes e produções televisivas que lhe são creditadas, podem destacar-se as músicas para os filmes A Missão, Por um Punhado de Dólares, O Bom, o Mau e o Vilão, Era Uma Vez na América e Cinema Paraíso.

 

O maestro trabalhou também com a cantora portuguesa Dulce Pontes para o álbum Focus, que deu origem a um conjunto de concertos realizado em 2017 em várias cidades europeias. A 6 de Maio do ano passado, Morricone deu um concerto em Lisboa, que contou também com a participação de Dulce Pontes, além da orquestra Roma Sinfonietta e do Coro Talin.

Nesse espectáculo, integrado na digressão The Final Concerts (Útlimos Concertos), o compositor fez um percurso temático através de muitas das suas obras mais conhecidas: epopeia história (temas de Os Intocáveis, A Tenda Vermelha, Ata-me) “Era uma vez na América” (temas do filme com o mesmo título, de Por um Punhado de Dólares e de O Bom, o Mau e o Vilão), cinema social (A Batalha de Argel, Sacco e Vanzetti, Afirma Pereira) e terminando com várias peças de A Missão (Gabriel’s Oboe, Fall e On earth as i tis in heaven).

Através do amigo e advogado Giorgio Assumma, ficou a saber-se que Morricone  conservou até ao último momento plena lucidez e grande dignidade” e que morreu “com o conforto da fé”. A nota acrescentava: “Despediu-se da sua amada mulher, Maria, que o acompanhou com dedicação em cada instante da sua vida humana e profissional e esteve ao seu lado até ao último suspiro, agradeceu aos filhos e netos pelo amor e cuidado que lhe deram, dedicou uma comovida lembrança ao seu público, de cujo afetuoso apoio extraiu sempre a força da sua criatividade.”

Morricone foi distinguido em 2019 com a medalha de ouro do pontificado, atribuída por Francisco, quatro anos depois de, em 2015, o compositor ter dedicado uma missa ao Papa. Mas já tinha ganho um Óscar honorário em 2007 e, em 2016, arrecadaria uma nova estatueta de Holywood com a banda sonora do filme Os oito odiados, de Quentin Tarantino.

A última das muitas condecorações recebidas pelo autor de várias peças de inspiração cristã remonta a 5 de Junho deste ano, quando foi distinguido com o prémio Princesa das Astúrias das Artes, que partilhou com o compositor norte-americano John Williams.

O funeral de Ennio Morricone decorrerá de forma privada, “em respeito ao sentimento de humildade que sempre inspirou os actos da sua existência”, refere a nota enviada à imprensa.

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This