“Enquanto milhões de pessoas morrem à fome em todo o globo, toneladas de comida são deitadas para o lixo todos os dias”, alerta embaixador do Vaticano na ONU

| 20 Out 20

Gabriele Caccia, Foto Holy See Mission UN

Gabriele Caccia pediu que se reduza “o custo dos alimentos nutritivos” e se tornem “as dietas saudáveis acessíveis a todos”. Foto © Missão das Nações Unidas na ONU.

 

O observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas (ONU), o arcebispo Gabriele Caccia, fez um apelo veemente à necessidade de combater, em simultâneo, a pobreza e a fome no mundo. Há “uma realidade paradoxal” que vê “alimento para todos, mas fome quotidiana para muitos”, denunciou no discurso que proferiu no âmbito da 75ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

“Enquanto milhões de pessoas morrem à fome em todo o globo, toneladas de comida são deitadas para o lixo todos os dias”, alertou o embaixador do Vaticano na ONU, na passada sexta-feira, 16 de outubro. O contexto socioeconómico “dramático” causado pela pandemia da covid-19, acrescentou Caccia, veio agravar “a vulnerabilidade” das pessoas que passam fome e são desnutridas, porque “o declínio da produtividade agrícola e as restrições à exportação” exacerbaram “a pobreza e a insegurança alimentar daqueles que dependem da economia agroalimentar”.

O nosso planeta, referiu ainda Caccia, sofre de “uma relação distorcida entre alimentação e nutrição”. O arcebispo lembrou que “um número crescente de pessoas tem acesso principalmente, se não exclusivamente, a alimentos de qualidade inferior”, o que leva ao “aumento de peso, obesidade e doenças relacionadas com a nutrição”. O observador da Santa Sé pediu, por isso, que se reduza “o custo dos alimentos nutritivos” e se tornem “as dietas saudáveis acessíveis a todos”.

Gabriele Caccia pediu ainda que sejam elaboradas medidas específicas e de emergência para o setor agrícola, pois a segurança alimentar “só será alcançada quando as estruturas sociais responderem às exigências da justiça e do respeito pela dignidade intrínseca de cada pessoa”. É necessária “uma nova mentalidade”, ou seja, “políticas de desenvolvimento que tenham a pessoa humana no seu centro e que, em vez de fomentar a cultura do descarte, promovam a justiça social, a solidariedade e o respeito pelos frutos da terra e do trabalho humano”, garantindo “o acesso equitativo aos bens e recursos indispensáveis para sustentar a vida e promover o desenvolvimento integral de cada pessoa”, concluiu.

 

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This