Ensaio de um testamento vital

| 18 Abr 2022

eutanasia mulher acamada foto c motortion (1200 x 612 px)

eutanasia mulher acamada foto c motortion (1200 x 612 px)

 

À luz da Páscoa: que celebra as dores e angústias da nossa última cena no teatro da vida; o silêncio vazio da morte; e finalmente a experiência daquela Luz simbolizável pelas auroras boreais, em que as cores parecem brincar e fazer esquecer o negrume da noite, aquela Luz desejada por todas as noites humanas – dei por mim a pensar nos testamentos vitais. Mais exactamente, como eu desejaria o cenário e actuação de todos os figurantes ligados à minha última cena. Mais ou menos com o guião seguinte.

A janela panorâmica deixa-me ver parte da cidade e lá longe montanhas azuis. Lutarei até ao fim pela beleza da vida humana e da natureza. E a presença delas é estimulante. À minha volta, todos sofrem, a seu jeito, a separação iminente. Mas sem esquecerem como a própria morte reúne os vivos e como todos desejam uma perfeita reunião “sem morte” (como escrevi no texto E juntou-se aos seus antepassados).

Na sala ao lado, alguém recordará quanto eu gostaria de que as reuniões de amigos e de família terminassem com um “e que estejamos sempre juntos”, seja qual for a situação. Deste modo nos tornaríamos mais sensíveis e sábios perante os mais duros acontecimentos, como a morte de filhos, guerras e demais tragédias.

No ambiente geral da sala, sente-se que a união interiorizada, resistente aos conflitos, é a melhor ajuda na cena da morte e em todos os momentos difíceis – para quem vai e para quem fica. E que o carinho verdadeiro é o melhor remédio para quem sofre.

No cenário da hora final, preocupam-se por que eu sinta a meu lado respeito e carinho e que (apesar de tudo!) me amam. E assim, por muito isolado que seja o momento, posso ter a sensação de um bébé que se embala.

Todos testemunham que eu, como crente, veria neste “embalo” o carinho de Deus, pois sempre afirmei que, pela razão e conhecimentos que me eram possíveis, não podia negar (nem compreender plenamente…) a “presença divina” ao longo de toda a história – bem na linha de Nicolau de Cusa: não vejo a Luz, só vejo as coisas iluminadas.

Cai-se na conta de como ambientes frequentes de coragem e alegria aumentam e fortalecem a coragem e alegria nas horas mais difíceis. Toda a pessoa que morre tem um testemunho a dar – cuja energia permanecerá para sempre. E até os erros e “maldades” serão lições do que pode estar bem ou mal.

Provavelmente pela última vez, discutem a importância de saber falar tranquilamente da morte, de como viver com ela e de como desejamos ser tratados nessa hora que sela a vida de cada qual.

Sem eu notar, discutem se é natural e desejável que a seu tempo apenas se preocupem com diminuir a dor e sofrimento (físico e espiritual). De qualquer modo, recordam frases minhas: que não desejo vegetar (“cientificamente” inconsciente sem probabilidades de recuperação), sendo já um corpo morto para a sociedade; embora possa manter o natural desejo de o tempo parar e continuar as horas boas neste mundo que conheço e onde, como se diz, “cada qual se pode amanhar”. Mas muita atenção: não me queiram enganar nem me olhem como um coitadinho – mas sim como companheiros na mesma aventura.

Manifesto ficou o meu mais firme desejo: ser útil para sempre. Ao longo do teatro da vida, na cena final e depois de sair do palco.

Lembram que entreguei o meu corpo à Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. E que, a meu ver, o corpo é uma oferta à Humanidade quando, seja como for, o entregamos à Natureza: pois simboliza a vida com que reforçámos ou pusemos à prova a infinda corrente da Vida cujo mistério cativa todos os seres humanos.

Para terminar, ressaltará esta ideia: na medida em que a sociedade valorizar serenamente estes sentimentos, saberemos “sair da cena” com a elegância e orgulho de bom actor. E o Grande Teatro da Vida continuará cada vez mais aprimorado para um final plenamente feliz.

Como na Páscoa, sempre renovada.

 

Manuel Alte da Veiga é professor aposentado do ensino universitário.

 

Bispos dos EUA instam Congresso a apoiar programa global de luta contra a sida

Financiamento (e vidas) em risco

Bispos dos EUA instam Congresso a apoiar programa global de luta contra a sida novidade

No momento em que se assinala o 35º Dia Mundial de Luta Contra a Sida (esta sexta-feira, 1 de dezembro), desentendimentos entre republicanos e democratas nos Estados Unidos da América ameaçam a manutenção do Plano de Emergência do Presidente para o Alívio da Sida (PEPFAR), que tem sido um dos principais financiadores do combate à propagação do VIH em países com poucos recursos. Alarmados, os bispos norte-americanos apelam aos legisladores que assegurem que este programa – que terá já salvo 25 milhões de vidas – pode continuar.

Para grandes males do Planeta, grandes remédios do Papa

Para grandes males do Planeta, grandes remédios do Papa novidade

Além das “indispensáveis decisões políticas”, o Papa propõe “uma mudança generalizada do estilo de vida irresponsável ligado ao modelo ocidental”, o que teria um impacto significativo a longo prazo. É preciso “mudar os hábitos pessoais, familiares e comunitários”. É necessário escapar a uma vida totalmente capturada pelo imaginário consumista.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Em cada oportunidade, estás tu”

Ajuda em Ação lança campanha para promover projetos de educação e emprego

“Em cada oportunidade, estás tu” é o mote da nova campanha de Natal da fundação Ajuda em Ação, que apela a que todos os portugueses ofereçam “de presente” uma oportunidade a quem, devido ao seu contexto de vulnerabilidade social, nunca a alcançou. Os donativos recebidos revertem para apoiar os programas de educação, empregabilidade jovem e empreendedorismo feminino da organização.

Não desviemos o olhar da “catástrofe humanitária épica” em Gaza

O apelo de Guterres

Não desviemos o olhar da “catástrofe humanitária épica” em Gaza novidade

A ajuda que as agências da ONU estão a dar aos palestinianos da Faixa de Gaza, perante aquilo que o secretário-geral considera uma “gigantesca catástrofe humanitária”, é manifestamente inadequada, porque insuficiente. A advertência chega de António Guterres, e foi proferida em plena reunião do Conselho de Segurança, que ocorreu esta quarta feira, 29, no tradicional Dia de Solidariedade com o Povo Palestiniano.

“Não deixeis que nada se perca da JMJ”, pediu o Papa aos portugueses

Em audiência no Vaticano

“Não deixeis que nada se perca da JMJ”, pediu o Papa aos portugueses novidade

O Papa não se cansa de agradecer pela Jornada Mundial da Juventude que decorreu em Lisboa no passado mês de agosto, e esta quinta-feira, 30, em que recebeu em audiência uma delegação de portugueses que estiveram envolvidos na sua organização, “obrigado” foi a palavra que mais repetiu. “Obrigado. Obrigado pelo que fizeram. Obrigado por toda esta estrutura que vocês ofereceram para que a Jornada da Juventude fosse o que foi”, afirmou. Mas também fez um apelo a todos: “não deixeis que nada se perca daquela JMJ que nasceu, cresceu, floriu e frutificou nas vossas mãos”.

O funeral da mãe do meu amigo

O funeral da mãe do meu amigo novidade

O que dizer a um amigo no enterro da sua mãe? Talvez opte por ignorar as palavras e me fique pelo abraço apertado. Ou talvez o abraço com palavras, sim, porque haveria de escolher um ou outro? Os dois. Não é possível que ainda não tenha sido descoberta a palavra certa para se dizer a um amigo no dia da morte da sua mãe. Qual será? Porque é que todas as palavras parecem estúpidas em dias de funeral? 

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This