Ensaio de um testamento vital

| 18 Abr 2022

eutanasia mulher acamada foto c motortion (1200 x 612 px)

eutanasia mulher acamada foto c motortion (1200 x 612 px)

 

À luz da Páscoa: que celebra as dores e angústias da nossa última cena no teatro da vida; o silêncio vazio da morte; e finalmente a experiência daquela Luz simbolizável pelas auroras boreais, em que as cores parecem brincar e fazer esquecer o negrume da noite, aquela Luz desejada por todas as noites humanas – dei por mim a pensar nos testamentos vitais. Mais exactamente, como eu desejaria o cenário e actuação de todos os figurantes ligados à minha última cena. Mais ou menos com o guião seguinte.

A janela panorâmica deixa-me ver parte da cidade e lá longe montanhas azuis. Lutarei até ao fim pela beleza da vida humana e da natureza. E a presença delas é estimulante. À minha volta, todos sofrem, a seu jeito, a separação iminente. Mas sem esquecerem como a própria morte reúne os vivos e como todos desejam uma perfeita reunião “sem morte” (como escrevi no texto E juntou-se aos seus antepassados).

Na sala ao lado, alguém recordará quanto eu gostaria de que as reuniões de amigos e de família terminassem com um “e que estejamos sempre juntos”, seja qual for a situação. Deste modo nos tornaríamos mais sensíveis e sábios perante os mais duros acontecimentos, como a morte de filhos, guerras e demais tragédias.

No ambiente geral da sala, sente-se que a união interiorizada, resistente aos conflitos, é a melhor ajuda na cena da morte e em todos os momentos difíceis – para quem vai e para quem fica. E que o carinho verdadeiro é o melhor remédio para quem sofre.

No cenário da hora final, preocupam-se por que eu sinta a meu lado respeito e carinho e que (apesar de tudo!) me amam. E assim, por muito isolado que seja o momento, posso ter a sensação de um bébé que se embala.

Todos testemunham que eu, como crente, veria neste “embalo” o carinho de Deus, pois sempre afirmei que, pela razão e conhecimentos que me eram possíveis, não podia negar (nem compreender plenamente…) a “presença divina” ao longo de toda a história – bem na linha de Nicolau de Cusa: não vejo a Luz, só vejo as coisas iluminadas.

Cai-se na conta de como ambientes frequentes de coragem e alegria aumentam e fortalecem a coragem e alegria nas horas mais difíceis. Toda a pessoa que morre tem um testemunho a dar – cuja energia permanecerá para sempre. E até os erros e “maldades” serão lições do que pode estar bem ou mal.

Provavelmente pela última vez, discutem a importância de saber falar tranquilamente da morte, de como viver com ela e de como desejamos ser tratados nessa hora que sela a vida de cada qual.

Sem eu notar, discutem se é natural e desejável que a seu tempo apenas se preocupem com diminuir a dor e sofrimento (físico e espiritual). De qualquer modo, recordam frases minhas: que não desejo vegetar (“cientificamente” inconsciente sem probabilidades de recuperação), sendo já um corpo morto para a sociedade; embora possa manter o natural desejo de o tempo parar e continuar as horas boas neste mundo que conheço e onde, como se diz, “cada qual se pode amanhar”. Mas muita atenção: não me queiram enganar nem me olhem como um coitadinho – mas sim como companheiros na mesma aventura.

Manifesto ficou o meu mais firme desejo: ser útil para sempre. Ao longo do teatro da vida, na cena final e depois de sair do palco.

Lembram que entreguei o meu corpo à Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. E que, a meu ver, o corpo é uma oferta à Humanidade quando, seja como for, o entregamos à Natureza: pois simboliza a vida com que reforçámos ou pusemos à prova a infinda corrente da Vida cujo mistério cativa todos os seres humanos.

Para terminar, ressaltará esta ideia: na medida em que a sociedade valorizar serenamente estes sentimentos, saberemos “sair da cena” com a elegância e orgulho de bom actor. E o Grande Teatro da Vida continuará cada vez mais aprimorado para um final plenamente feliz.

Como na Páscoa, sempre renovada.

 

Manuel Alte da Veiga é professor aposentado do ensino universitário.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This