I Domingo do Advento

Ensemble São Tomás de Aquino na Capela do Rato

| 26 Nov 21

Ensemble São Tomás Aquino

Ensemble São Tomás de Aquino. Foto: Direitos reservados.

Um diálogo entre obras de Alfredo Teixeira e João Andrade Nunes é como a comunidade da Capela do Rato apresenta a presença do Ensemble São Tomás de Aquino (ESTA) que, neste domingo, 28 – o I do Advento e o início de um novo ano litúrgico – irá cantar na eucaristia que ali se realiza. É “uma escuta orante capaz de acender em todos a promessa da madrugada que anuncia a luz de Cristo”, lê-se na informação divulgada.

O ensemble, criado em Julho de 2015 e composto por jovens músicos profissionais, é o grupo residente na Igreja de São Tomás de Aquino, em Lisboa, constituindo-se como um grupo de composição variável.

Também as apresentações do grupo são variadas: em concerto, o ESTA já apresentou obras como o Kyrie e Gloria da Missa em Si menor, e o Magnificat de Bach, o Gloria de Vivaldi, o Messias de Handel ou o Requiem de Mozart, além de muitas outras de polifonia sacra antiga e contemporânea.

Com uma colaboração próxima com o compositor Alfredo Teixeira, o ensemble também já estreou várias das suas obras: Missa do Parto, para coro e órgão (2018), Apocalipse Breve segundo Daniel Faria, para duplo trio (2019); Hinário para um tempo de confiança, para coro, órgão e saxofone (2021).

Em Março deste ano, o ESTA iniciou, através de várias plataformas digitais, um projecto intitulado “Vou interpretar o meu enigma ao som da lira. Música, Liturgia, Espiritualidade”, que pretende (re)descobrir e divulgar, de forma ampla, música portuguesa. Além da apresentação em diversos festivais, o ensemble publicou o seu primeiro disco, intitulado Vimos do Mar e da Montanha (ed. Paulus Editora).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde menos se espera, aí está Deus

Onde menos se espera, aí está Deus novidade

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This