Inquérito 7M sobre o Sínodo 2023 (4)

Entre a esperança e a decepção

| 16 Mai 2022

Na unidade paroquial de Marcel Callo em Flers, em França, todos os presépios das igrejas da paróquia são inspirados pelo logótipo do Sínodo. Foto: Direitos reservados (https://www.synodresources.org/2546/)

 

Na sequência do inquérito sobre o final da fase diocesana do Sínodo em Portugal, feito pelo 7MARGENS, publicámos já comentários do franciscano capuchinho Fernando Ventura, da professora de Ética e teóloga Teresa Martinho e do teólogo e antropólogo Alfredo Teixeira. Fica a seguir o comentário da irmã Julieta Dias, da congregação do Sagrado Coração de Maria.

 

Uma primeira reacção é de expectativa esperançosa porque só duas dioceses não responderam nada e uma apenas apontou a data da assembleia, o que me leva a pensar que há trabalho prévio à assembleia agendada. Além disso, a possibilidade de terem envolvido pelo menos cerca de 50 mil pessoas – sendo uma pequena percentagem – não deixa de ser significativo no contexto actual. E a minha esperança mesmo é que a hierarquia sinta que só há vantagem na escuta e participação activa dos leigos e da sociedade em geral, na vida da Igreja.

Em relação às perguntas 2 e 3, ficarei muito decepcionada se as dioceses não publicarem os contributos recebidos e se não os aproveitarem para a dinamização futura dos seus planos pastorais.

O grande objectivo do Sínodo 2023 é, precisamente, chegarmos a uma Igreja sinodal, uma Igreja onde todos, clérigos e leigos, caminhemos juntos, sempre. Como diz o Papa Francisco, “a sinodalidade exprime a natureza da Igreja, a sua forma, o seu estilo, a sua missão”. “A Palavra de Deus caminha connosco. Todos são protagonistas, ninguém pode ser considerado simples figurante. É preciso entender bem isto: todos são protagonistas. O papa, o cardeal vigário, os bispos auxiliares não são os protagonistas” (Discurso aos fiéis da diocese de Roma, 18. Setembro. 2021).

Para atingirmos uma Igreja com estas características é absolutamente necessário praticarmos uma escuta recíproca, não só no seu interior, mas escutarmos as vozes que vêm do exterior, para trazermos à Igreja “as alegrias e as tristezas” do nosso mundo, a fim de levarmos, a todos, a esperança que nos habita, contribuindo para um mundo mais justo, mais ao jeito de Jesus Cristo.

 

Maria Julieta Mendes Dias faz parte do Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria; é co-autora do livro A Verdadeira História de Maria Madalena (ed. Casa das Letras)

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This