Entre Margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Um imperativo de coerência

Ao renunciar, num ato de humildade e, seguramente, após longa reflexão, Joseph Ratzinger declarou não se encontrar em condições físicas compatíveis com o exercício das funções de Papa. Após a renúncia, o colégio dos cardeais eleitores escolheu Jorge Mario Bergoglio, o atual Papa Francisco, alguém que tem procurado atender as necessidades da Igreja, ouvir os fiéis e responder às suas inquietações. Revelou-se uma feliz surpresa para a Igreja, apesar dos movimentos de contestação que surgem em várias frentes.

Esquecer Simulambuco

Como português que sou senti-me um pouco comprometido em Simulambuco, quando visitei Cabinda no mês passado. Portugal falhou aos cabindas talvez porque o que tem de ser tem muita força. É o caso do petróleo.

Confessional

Que há passos e despassos, acertos e desacertos, conluios e cisões na Igreja-instituição-Vaticano, todos e todas vamos sabendo, mais os que frequentam as missas em conversas de bastidores e mais ainda os leitores de jornais e os que assistem a noticiários no mundo inteiro. Não é esse aqui o ponto.

A Guiné-Bissau merece uma oportunidade

O resultado destas eleições presidenciais, cujos dados foram divulgados no dia 1 de janeiro, com a vitória de Sissoco Embaló, levantam desafios que passam por um lado, pela rápida decisão sobre o recurso ao Supremo Tribunal de Justiça por alegadas irregularidades, instaurado pela candidatura de Domingos Simões Pereira, e pela divulgação do resultado final e oficial das eleições de 29 de dezembro.

Cidadania e Moral – viagem educativa rumo à construção da cidade

Uma das maiores conquistas que podemos alcançar em termos pedagógicos diz respeito à construção de pontes entre disciplinas e áreas do saber. Pontes e não muros. Porque pedagogia é “caminhar ao lado do outro”. Construir pontes que permitam encetar o diálogo e compreender a complementaridade na diversidade de aprendizagens sobre o humano. A busca de sentido para essa diversidade de aprendizagens transparece nas interrogações e interpelações iniciais dos discentes: “Os que vamos aprender? para que serve o que vamos aprender?”. Esta busca levará, cada um, ao encontro da bússola que há-de guiar e conduzir à construção da feli(z)cidade.

Onde estás, comunidade cristã?

Talvez não devesse contar esta história. Mas aceito as palavras de Jesus, que se me calar até as pedras falarão. E de facto de uma experiência sem importância, tocamos no fundamental da Igreja, o ser Comunidade.

Trump e os evangélicos

A prestigiada revista americana fundada por Billy Graham em 1956 defendeu, a 19 de Dezembro passado, a destituição de Donald Trump, uma atitude inédita que está a provocar algum desconforto nos meios evangélicos.

A difícil arte de amar

É inegável que cada um de nós sente carência de ser amado de forma inteira e incondicional. Ninguém sobrevive à aterradora sensação de não ter quem o espere quando regressa a casa, console as lágrimas mais sentidas e rejubile consigo nas maiores vitórias.

Educação 2018: progredimos muito, alguns desafios persistem

Foi recentemente publicado o “Estado da Educação” relativo a 2018, documento que o Conselho Nacional de Educação (CNE) edita todos os anos e em que propõe uma leitura atualizada da evolução de um conjunto de indicadores de análise da educação em Portugal. Destaco aqui seis aspetos.

O negócio da canábis

É de esperar que venham a ser de novo discutidos na legislatura que agora se iniciou projetos de legalização do cultivo, posse e venda de canábis para uso pessoal (dito “recreativo”). Suspeita-se até que algumas plantações em larga escala já autorizadas no nosso país não tenham em vista apenas a venda para fins medicinais (hoje já legalizada), mas a venda para fins recreativos.

Quanto tempo dura um crime?

No passado mês de Dezembro a Helena Araújo publicou no 7MARGENS um texto intitulado “O terror nazi: Todos devem saber tudo”. Nele se debruçava sobre a necessidade de divulgar alguns dos crimes mais horrendos cometidos por humanos. E digo humanos e não humanidade para enfatizar que aqueles que os perpetraram não são abstracções, são homens habitantes de um país, possuidores de um nome, ligados a uma história de vida. Reiterando este seu desiderato, reforço-o com outra exigência – a de não esquecer.

Elogio de um submarino

António Fournier (1966 – 2019), nascido numa ilha, foi um desses instrumentos pontifícios que ainda nos fazem crer na humanidade, com esperança contra toda a esperança. Conheci-o, quase por acaso, numa rua da Baixa de Lisboa e logo me apercebi disso. Professor da Universidade de Turim, aproveitou essa condição de emigrante para se transformar num veículo de comunicação entre a cultura portuguesa e a cultura italiana, entre as suas literaturas.

O labirinto do tempo

Há uma tendência geral para considerar a viragem para um novo ano como uma espécie de dobradiça da história. Por isso se formulam tantas intenções no início de cada unidade de tempo a que chamamos ano, mas que, regra geral, não resistem mais do que duas ou três semanas, no regresso às rotinas do costume.

Pequeno exercício de memória ou liberdade de expressão

Ainda tão próximo o dia de domingo passado, em celebração da Sagrada Família, encontro a carta de 16 de Dezembro de 2014, escrita pelo Movimento Nós Somos Igreja a D. Manuel Clemente, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, que tinha convocado para 2015 um Sínodo Diocesano, na mesma altura em que também em Roma se vivia o período entre as duas sessões do Sínodo dos Bispos sobre a família. Em tempo de preparação para o Sínodo, o NSI exprimia-se a manifestar apoio, proximidade, envolvimento com os nossos bispos, no exercício dos seus ministérios.

Na Beira, após o ciclone Idai: um Natal incompleto e de superação

O dia do Natal é marcado por muita alegria, partilha, confraternização e união. Este ano, não é assim para muitas pessoas: muitos dos nossos irmãos que foram vítimas do devastador ciclone Idai, em Moçambique, este Natal fica marcado por sentimentos de dor, consternação e saudades de todos e de tudo o que perdemos durante a intempérie.

Crescer como construtores de paz

Tenho 18 anos e participei no primeiro congresso internacional de formação para jovens líderes embaixadores de paz que decorreu em Madrid, de 13 a 15 de Dezembro, promovido pela rede Living Peace.

Injustiça social: “ukati, ovaxini vangahona vasati?”*

Marleen faz referência a uma injustiça social. Ao facto de se colocar “por cima dos ombros da mulher” a responsabilidade pelo casamento e pela família. Devo referir que, tradicionalmente, no Sul de Moçambique, o casamento de um homem e de uma mulher, na maior parte das vezes, é um compromisso entre as famílias dos dois. O que Marleen refere na música é que a família de uma determinada esposa se sente orgulhosa, pelo facto de a filha se ter casado.

Natal sem tempo

Sempre que quero explicar aos meus alunos o que é o Natal, socorro-me da língua inglesa. Não sendo eu professor de tal idioma, os miúdos estranham, mas depois lá vão entendendo as veredas tortuosas por onde me proponho levá-los. Normalmente, ao fim de alguns minutos, abrem os olhos ou a boca e começam a entender.

Há qualquer coisa no Natal

Mesmo abstraindo-nos das trocas de presentes, das reuniões de família na Consoada, e de mais algum folclore natalício, a verdade é que a quadra desperta um conjunto de sentimentos positivos nas pessoas em geral e sobretudo nas crianças.

Julia Kristeva e os 10 princípios do Novo Humanismo

No passado mês de Novembro pude pela primeira vez abraçar Julia Kristeva quando do reconhecimento com o grau de doutora honoris causa pela Universidade Católica Portuguesa. Queria conhecer ao vivo esta mulher que tanto me tem inspirado ao longo dos anos. Agradecendo-lhe a referência que são para mim os Dez Princípios do Novo Humanismo, Kristeva invetivou-me: “Il faut continuer!” (Precisamos de continuar!)

A tradição do Madeiro nas Beiras

  Com o aproximar da festa do Natal, uma grande parte das populações das aldeias e vilas da raia, de Trás-os-Montes às Beiras, envolve-se numa milenar festa comunitária, tendo como centro uma fogueira, colocada às portas das igrejas, para ser acesa antes da Missa...

A revelação de um apaixonado

No nosso íntimo, imaginávamos um deus omnipotente. A proximidade divina com a nossa matéria-prima, a desmedida do Seu amor tira-nos o chão. Queríamos um justiceiro e Deus troca-nos as voltas revelando-Se um apaixonado.

Beckett e o Advento

O que é que o dramaturgo Samuel Beckett tem que ver com o Advento? Talvez nada. Ou talvez tudo. Depende de quem ou do que estamos à espera.

Ditosa sejas, Senhora do Ó!

Tal como acontece com outros passos dos Evangelhos, as narrações da Infância de Jesus em Mateus e Lucas apresentam leituras diversificadas. Os nascimentos excepcionais são alegorias que pretendem explicar o mistério que envolve o nascimento de alguém que supera o padrão humano.

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Taizé e os jovens: uma experiência que marca

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Tem graça: ainda vou à missa!

Tem graça: ainda vou à missa! É o que fico a pensar, depois de ouvir certas conversas… Por isso, apreciei muito a sugestão do Conselho Diocesano de Pastoral, de Aveiro: «escutar as pessoas sem medo do que disserem». Mas… E se as pessoas têm medo de dizer o que lhes vai na alma? E não seria igualmente importante perguntar «Por que é que vai à missa»?

O elogio da frugalidade – por um Natal não consumista

O livro do sociólogo e filósofo francês Jean Baudrillard, Le Système des Objets[1], é uma reflexão sobre a sucessão de objectos de vária ordem, que se produzem a um ritmo acelerado nas civilizações urbanas. Interessa-lhe sobretudo o tipo de relação que os consumidores estabelecem com essa avalanche de gadgets, de aparelhos e de produtos de várias espécies. Ao relê-lo para efeitos de um trabalho académico, encontrei algumas páginas que me levaram a pensar nesta fase de consumismo desenfreado que, quer queiramos ou não, nos acompanha na época do Natal.

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

A fraternidade na Igreja Católica

Não faz muito ou até mesmo nenhum sentido uma Igreja Católica densamente hierarquizada como ainda hoje a Igreja se apresenta. Muito pouca gente acredita nisso. O mundo despojou-se e os formalismos felizmente perderam terreno.

Jornalixo

Chamemos-lhe jornalismo “criativo”, em vez de fake news ou jornalismo de fabricação, tabloide ou mesmo de sofreguidão. Independentemente da nomeação, é coisa que não nos interessa. De todo.

Católicos na Praça Central

Praça Central é, segundo a CNAL, um grande espaço de reflexão sobre questões do Cristianismo, Sociedade e Cultura de e para os leigos na Igreja Católica. Estive presente na recente Praça Central que se realizou em Santarém no passado dia 23 de Novembro.

Chamas, fuligem, humanidade

Fito as imagens das igrejas queimadas no Chile e recordo. Trago de novo ao coração lembranças dolorosas: a iconoclastia que irrompeu em tantos momentos do devir humano; o saque de igrejas em demasiadas épocas da História, levado a cabo até por “paladinos” da cristandade que de cristãos pouco tinham…

O Carter que dá cartas

Jimmy Carter foi Presidente dos Estados Unidos entre 1977 e 1981 mas é um caso à parte na política americana. Cristão convicto e comprometido, nunca utilizou a fé para fazer política, ao contrário do que é corrente nos Estados Unidos, onde a Modernidade chegou pela mão da religião, ao contrário da Europa, que escolheu a via do secularismo.

Multiculturalidade e condição feminina: algumas questões

Admitimos sem problema que as sociedades são regidas por diferentes valores e que há maneiras próprias de viver num mesmo espaço. O que nem sempre é pacífico, pois há certos direitos que embora se imponham como legítimos quando tomados cada um por si, poderão entrar em colisão quando se trata de convivência intercultural. Exemplificamos com a reivindicação dos direitos das mulheres, que frequentemente se torna um factor de antagonismo e de dissidência.

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

“Cristianocídio”

Quando falamos de liberdade religiosa no mundo temos que falar, antes de mais, em perseguição, e sobretudo sublinhar que os cristãos são os mais perseguidos de todos. Sem qualquer dúvida.

A Guiné-Bissau e o futuro

Há uma nova crise política na Guiné-Bissau. O país volta a estar em suspenso depois de um complexo processo que culminou com as eleições legislativas em março deste ano, permitindo o normal funcionamento da Assembleia Popular e a tomada de posse de um Governo legítimo que viu aprovado no Parlamento o seu programa.

Voltámos ao tempo da outra senhora?

Lê-se e não se acredita. Uma educadora de infância numa escola pública da Madeira viu a directora prejudicar-lhe a avaliação anual por se ter recusado a ir receber um bispo à igreja. Será que o tempo voltou para trás?

Conta Satélite da Economia Social: avaliar o peso do setor social no país

O Instituto Nacional de Estatísitica (INE) divulgou no Verão os resultados da terceira edição da Conta Satélite da Economia Social, relativa ao ano de 2016. A disponibilização de informação estatística atualizada destina-se a permitir efetuar uma avaliação da dimensão económica e das principais caraterísticas da Economia Social no nosso país.

O sentido dos ritos

Era uma igreja bonita e simples, como são as pequenas igrejas rurais. Um adro pequeno, algumas árvores e casas em volta. Os bancos estavam demasiado próximos, indicando a tentativa de aproveitar bem o espaço – afinal, estamos no Minho e o mês de julho é, tradicionalmente, de casamentos. Na sua maioria, ainda são na igreja, o noivo esperando nervoso à porta, a noiva de branco conduzida ao altar pelo pai.

Presença luminosa…

“Pensar o futuro contempla uma dupla preocupação: promover o entendimento em torno dos objetivos a alcançar num horizonte temporal alargado e contribuir para a construção de uma visão prospetiva, no que se refere à identificação de potencialidades e riscos decorrentes de mudanças demográficas, tecnológicas, económico-financeiras e outras”. A complexidade estava no seu horizonte, na linha dos ensinamentos de Edgar Morin, mas nessa preocupação estava fundamentalmente a consideração dos problemas concretos das pessoas. Manuela Silva (1932-2019) deu-se inteiramente às causas dos outros, na defesa intransigente da dignidade da pessoa humana.

Julia Kristeva, pensamento abrangente, uma inspiração

Em boa hora teve a Universidade Católica Portuguesa a iniciativa de, na cerimónia de abertura do ano académico do passado dia 10 de outubro, atribuir o doutoramento honoris causa à professora Julia Kristeva, por proposta da Faculdade de Ciências Humanas. Tive o privilégio de estar presente neste merecido doutoramento de uma mulher cujo pensamento abrangente e comprometido tem sido uma inspiração para mim.

A importância de uma estátua

É inaugurada neste domingo, 20 de Outubro (Dia Mundial das Missões) em Cernache de Bonjardim, uma estátua, em bronze, erguida à missionação portuguesa. O monumento representa a figura do antigo missionário e bispo do Porto (1899-1918) D. António Barroso (1854-1918) e revela os 320 nomes dos padres missionários, que saíram, como ele, do Real Colégio das Missões, entre 1856 e 1912, nos governos liberais e no início da República.

Foi então que conheci a Manuela Silva…

Em 2004, depois de quatro anos em Itália e acabadinha de regressar de um ano na América Latina no meio dos mais pobres, e tendo aí conhecido uma Igreja que andava envolvida nas revoluções sociais e a lutar ativamente pela justiça, mesmo quando para isso se tornava incómoda e alienava a simpatia dos poderosos, fiquei desanimadíssima com o que encontrei em Portugal. A Igreja cheirava-me a mofo. Foi então que conheci a Manuela Silva…

Um poeta na Capela Sistina

O Papa Francisco acaba de colocar o Colégio Cardinalício em risco, ao incluir nele um poeta. Devia saber que os poetas são gente perigosa em qualquer parte, mesmo entre cardeais… O tempo o dirá.

“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”: temos que fazer constar

Em função de um estudo que li sobre uma das culturas moçambicanas, a macua, um povo de Nampula, escrito por Helena Assunção, em 2018, comecei a delinear um sonho: o dia no qual mais elementos do Património Cultural Imaterial do meu país ascendam, à semelhança da timbila e do nyau, à categoria de Património Cultural Imaterial da Humanidade.

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Erradicar a pobreza… com Manuela Silva

«Nós queremos erradicar a pobreza», afirmou a profª. Manuela Silva, muito firmemente. Como se poderá concretizar esta «erradicação», à luz do pensamento de Manuela Silva? Talvez seja razoável considerar segmentos de ação…

A desvairada parvoíce do politicamente correcto

Já não há pachorra para isto. A ideologia do politicamente correcto tornou-se uma autêntica ditadura que não permite espaço para o humor, nem contextualização histórica, nem sequer uma pitadinha de bom senso. Estamos perante uma espécie de fascismo social e relacional.

Dizer “olha o fascista” resolve muito pouco

André Ventura entrou na Assembleia da República e, pela primeira vez, teremos uma organização partidária onde o populismo, a irresponsabilidade e a desinformação são parte fundamental do seu programa e das suas ideias. Vivemos dias difíceis e enfrentamos desafios que há muito têm lugar pela Europa e por algumas outras democracias liberais no mundo.

Manuela Silva: um olhar inteiro, justo e solidário sobre a Terra inteira

Esperávamos a sua partida, mas acreditávamos que talvez fosse possível ainda continuar connosco. A Manuela Silva iniciou segunda-feira (7 de outubro) uma grande viagem e deixou-nos. Hoje, já são muitas as notícias e os testemunhos sobre quem foi e como foram envolvidos aqueles que tiveram o privilégio de com ela privar. Já não há muito para dizer, ou talvez esteja ainda tudo para dizer, porque importa que tudo continue a ser dito.

Adela Cortina e o conceito ético de “aporofobia”

O nome de Adela Cortina é conhecido e respeitado na filosofia contemporânea, nomeadamente nos campos da filosofia política e da ética aplicada. Num dos seus recentes livros cunhou o conceito de “aporofobia”, dissertando sobre o modo como a pobreza é encarada na sociedade actual e como tal situação é incompatível com a democracia, pois esta implica e exige o direito à inclusão.

Igreja Católica: que dizes do absentismo eleitoral?

A abstenção foi, mais uma vez, a grande vencedora das últimas eleições. É uma das doenças da nossa democracia. Não se pode continuar a demonstrar a perplexidade por tão expressa falta de cidadania, só depois de se encerrarem as urnas de voto. É um mal que tem de ser atacado rapidamente, pois as suas causas já estão bem identificadas.

O Sínodo visto a partir da Amazónia

Como este Sínodo é sobre a Igreja na Amazónia e também sobre a ecologia, para além de representantes dos bispos do mundo inteiro, vão estar bispos sobretudo dos nove países da Pan-Amazónia. O maior grupo será o brasileiro, com nada menos que 58 bispos. Mas haverá também muitos outros convidados para participar, entre leigos, diáconos, padres e religiosos que trabalham nesta imensa região da Amazónia.

Crentes sem religião, à procura de Deus

Na abordagem ao fenómeno religioso há que respeitar toda a gente, os crentes de qualquer religião ou sistema filosófico, os agnósticos e os ateus. Mas a complexificação da vida contemporânea está a levantar novas categorias até hoje desconhecidas. É o caso dos crentes sem religião.

Tudo bem, nada mal…

Quando há uns anos passei o mês de Agosto em Moçambique, fui tocada pela alegria e sentido positivo do povo moçambicano. Lembro-me de saudar as “mamãs” – as mulheres mais velhas – que vendiam frutas e legumes na rua perguntando-lhes: “Como vai a senhora?” Invariavelmente a resposta era “Tudo bem, nada mal!”… Uma lufada de ar fresco.

China, uma imensa prisão

Uma consulta do sítio bitterwinter.org, especializado na temática da liberdade religiosa na China, de que é principal responsável o sociólogo italiano Massimo Introvigne, causa profunda impressão.

Ambientalistas e paradigmas – Tempos curiosos

Prevêem-se tempos difíceis, de muita destruição, que atingirão infelizmente uma grande maioria daqueles que menos responsabilidade tiveram na origem de tudo isto. Circunstâncias que talvez mudem um pouco somente quando todos aqueles que estão em baixo sofrerem as consequências na própria pele, o sentirem de verdade de forma crua e real, e se encontrarem numa situação em que nada mais têm a perder.

A minha amiga comida

Na mesa ao lado uma mulher mais nova, muito nova, seguramente com menos 30 anos e 20 de idade, sentou-se e encomendou um croissant com chocolate e um refrigerante. Tinha visivelmente excesso de peso. Era cliente habitual e a dose bem conhecida do empregado. Quando estava a terminar ele perguntou, aliás, se ia ao segundo.

D. Manuel Martins, o defensor de Setúbal que partiu há dois anos

No passado dia 24, terça-feira, fez dois anos que D. Manuel Martins partiu deste mundo. Para todos os que o admiramos, ele não nos deixou, apenas se transformou a dimensão em que esteve, neste mundo, durante 90 anos – 23 dos quais na região de Setúbal. No dia 26 de outubro de 1975, disse que passaria a ser de Setúbal. Nunca mais deixou de o ser.

Greta não está sozinha em Casa

Onde os vemos? Nas primaveras, em contestação nas ruas, nos novos movimentos desinstitucionalizados de protesto – anticapitalista, antiglobalização, anticorrupção, antiviolência, anti… –, nas greves estudantis, nas lutas contra a discriminação e as desigualdades, na vivência ou procura de uma liberdade que quebra velhos (pre)conceitos, a dar voz à emergência climática, nas opções alimentares, na generosidade do voluntariado…

O homem Jesus Cristo

Está na hora de sublinhar a humanidade de Jesus Cristo. A identidade do Cristo Filho de Deus esconde muitas vezes a sua condição humana, que é talvez aquela que mais deveria influenciar e inspirar homens e mulheres que assumem a fé cristã.

“Vamos decorar a rua da Páscoa para o Natal!”

Na continuação das duas crónicas anteriores sobre projetos de vizinhança na Rua da Páscoa em Lisboa, apresento outro que ganhou vida há um ano e pode ser o mote para outros projetos locais. Desta vez vou contar-vos como uma ideia que valorizou o coletivo e a beleza ajudou a desbloquear medos, ansiedades e sofrimentos.

Tempo de regressar à questão social

O Sínodo para a Amazónia de Outubro de 2019 revela-se da maior importância e atualidade. Daí que o Papa Francisco peça uma revisitação à sua encíclica Laudato si’, “porque quem não a leu não compreenderá nunca o Sínodo sobre a Amazónia. A Laudato si’ não é uma encíclica verde, é uma encíclica social que se baseia sobre uma ‘realidade verde’, a proteção da Criação”.

A (grande) importância de compreender o Iémen

O conflito no Iémen e as suas várias dimensões têm sido pouco discutidas e debatidas. Isso mudou ligeiramente após o ataque a duas refinarias sauditas, fazendo disparar o preço do petróleo. Para entender o que se está a passar não apenas no país, mas também na região, ficam aqui dez pontos e uma conclusão sobre um conflito que se arrasta há cinco anos.

Entre a Mata das Camarinhas e a greve do clima

Percorro diariamente, mais uma vez, a Mata das Camarinhas , entre Moledo e Caminha – um ritual de final de mês de Agosto que repito todos os anos.
Experimento aqui uma profunda comunhão com a natureza, com o mistério, como se entrasse numa catedral. Descubro-me balbuciando “Laudato Sí’” enquanto os meus pés calcam as agulhas dos pinheiros sobre o terreno bem arenoso.

Festas e romarias, uma nova religiosidade

Após a Páscoa e ao longo do verão, no interior do país, vive-se ao ritmo das romarias e das festas dos santos de secular devoção local. Quando, após a saída de uma grande parte da população ativa que emigrou nas décadas de 60-70 do séc. XX para a Europa, se pensava que estas festas se achavam comprometidas, surge agora a agradável surpresa de que elas aí estão de novo, embora vivenciadas de um modo diferente. Continuam a ser a “festa do povo” mas, nos últimos tempos, já com um novo figurino.

O Brexit dos pobres

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

A ecologia não é só reciclar – celebrando o “Tempo da Criação”

Do convite do Papa decorreram múltiplas iniciativas. Entre elas, a rede Cuidar da Casa Comum, uma plataforma aberta à participação ecuménica. O seu principal objectivo é não só dar a conhecer e aprofundar a Laudato Si’, mas também promover uma consciência operativa da urgência em cuidar da Terra e em proporcionar instrumentos de análise que permitam pensar o futuro do Planeta.

Democracia em risco de serviços mínimos

Na década de 1970, a luta pela democracia encontrava-se em alta. Em vários países do globo lá se foi implantando, apesar das sempre complexas vicissitudes deste processo. Nesta fase se incluiu, numa primeira vaga, Portugal e Espanha que vinham de duas ditaduras gémeas. Outros países foram aderindo na América Latina, inspirados na democracia brasileira.

Jaime Gonçalves, um bispo sempre a favor do povo

No processo do diálogo para a paz em Moçambique, há alguns episódios da vida do arcebispo da Beira, D. Jaime Gonçalves, dignos do interesse de todos nós. Este grande bispo, com quem trabalhei muito directamente, durante vários anos, merece umas palavras nestas minhas Memórias. Quando digo “mais”, significa que já me referi noutras ocasiões a D. Jaime nos livros que escrevi e noutros momentos da minha vida de jesuíta.

A questão racial nas igrejas evangélicas

A presença de evangélicos no espaço público e na vida política brasileira tem-se tornado significativa desde a década de 80, coincidindo com a redemocratização do Brasil, após um longo período de regime ditatorial. A sua presença no Congresso e na Câmara de Deputados tem instigado debates sobre diversos temas relacionados com os Direitos Humanos, contribuindo para que os evangélicos se tenham tornado um relevante grupo de manobra política em tempos de eleições.

O Papa poisará aqui os seus pés

A agitação cresce nas ruas da cidade de Maputo. Compram-se camisetas e capulanas com fotografias do Papa Francisco. Uma bola de ansiedade cresce dentro da cidade. O país todo prepara-se para se curvar ao Papa que chega nesta quarta-feira. Nas ruas, as conversas, que se deixam levar pelo vento, murmuram a vinda de Francisco.

O ciclo da vida

Muitos anseiam essa última emancipação, surpreendentemente sem temer o novo ser que resultará do ser que venceu a morte – e que o terá feito por ser escravo dos seus medos e das suas angústias. Mas há algo de assustador em tudo isto. É que, na ânsia de vencer o medo da morte, parecemos ter esquecido a lição mais infantil e, por isso, mais sábia de todas: é o ciclo da vida.

Crime contra a humanidade – o que é?

Crime contra a humanidade são as florestas a arder e um tesouro como a Amazónia estar em perigo. E sem olhar a tecnicidades, é-o também uma economia assente no consumo: que quanto maior, melhor. Chamam-lhe “crescimento”. Que quanto maior, mais dinheiro. Retira a uns a riqueza para a concentrar em outros e a atenção do Estado prende-se na ação de arrecadar mais impostos conforme o interesse que lhe convém, para equilíbrio de contas públicas.

A mulher de dois mundos

As mulheres movem-se hoje em dois mundos muito diferentes. Se num deles estão a conquistar as posições a que têm naturalmente direito, no outro permanecem acantonadas por condicionamentos culturais, políticos, sociais e religiosos.

Uma revolução antropológica

A “ideologia do género” parte da distinção entre sexo e género, a qual se insere na distinção mais ampla entre natureza e cultura. O sexo representa a condição natural e biológica da diferença física entre homem e mulher. O género representa a construção histórico-cultural da identidade masculina e feminina. Até aqui, nada de novo, ou ideológico. A novidade reside na afirmação ideológica de que o género assim concebido deve sobrepor-se ao sexo assim concebido; a cultura deve sobrepor-se à natureza. O género não tem de corresponder ao sexo, corresponde a uma escolha subjetiva, que vai para além dos dados naturais e objetivos.

Que quer dizer “boa educação”?

Por que é que os Evangelhos apresentam Jesus a dissuadir pretensos discípulos de se despedirem da família e até, para um deles, de cumprir o dever quase sagrado de sepultar o pai acabado de morrer? Como se pode falar de boa educação?

Um mar de gente que são pessoas

Estive no Mediterrâneo. Não foi a primeira vez, mas talvez tenha sido a primeira vez que me incomodou mergulhar, olhar no horizonte e perceber que ali tão perto existiam homens, mulheres e crianças que também o faziam por razões diferentes, à espera de uma boia que os salve ou de um porto que os acolha.

O monstro

A solidão é uma espécie de monstro que persegue tenazmente milhares de idosos em Portugal. O problema principal deles nem sequer são os cuidados de saúde, mas a solidão a que os entregamos cada vez mais.

Bicentenário do Báb: “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

A teologia das pedras

A tentação de lançar pedras sobre os outros é sempre maior do que a de nos colocarmos em frente a um espelho. Mas, cada vez que lançamos uma pedra contra alguém, no fundo estamos a magoar-nos a nós mesmos.

Um género de ideologia

Já houve quem escrevesse que a ideologia de género não existe. Já houve quem escrevesse que quem defende a igualdade de género esconde uma ideologia. Falemos, pois, da realidade e avaliemo-la à luz não de uma ideologia, mas de duas: a ideologia da igualdade e a ideologia dos que clamam contra a ideologia de género.

“Nome grande”, nome espiritual

Um indivíduo não existe por si só; ou seja, a sua identidade se encontra ligada à sua família, aos seus ancestrais, à sua espiritualidade e/ou, por vezes a um acontecimento. Quero com isso dizer que, quando lhe perguntam o nome, do ponto de vista da filosofia dos gitonga, o indivíduo deverá dizer o seu, o do pai e o do avô

Conversa à volta da fogueira

Todos concordam que os incêndios florestais são uma calamidade em qualquer parte do mundo. Mas o que poucos ousam dizer em voz alta é que são uma calamidade inevitável e que, por essa razão, há que aprender a viver com eles.

Cooperação na solidariedade

A importância estratégica do sector social e solidário foi assumida pelo Estado desde há várias décadas, tendo sido assinado em 1996 o Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, enquanto instrumento que visava “criar condições para o desenvolvimento da estratégia de cooperação entre as instituições do sector social, que prosseguem fins de solidariedade social, a Administração Central e as Administrações Regional e Local”.

Escrever com os polegares

No passado mês de Junho morreu o filósofo Michel Serres. A sua obra é vastíssima e profundamente original. De facto escreveu sobre filosofia, história das ciências, matemática, pedagogia, ecologia, ciências da comunicação, banda desenhada. Neste campo é de relevar a importância que atribuiu a Hergé e aos seus personagens, que analisou como objectos de estudo filosófico.

A obra de arte de Alan Turing

Foram os resquícios da mentalidade vitoriana que levaram a Inglaterra a sacrificar cruelmente um dos seus maiores. E um certo rasto puritano que pontificou durante séculos em terras de Sua Majestade.

Escutar, acompanhar e ajudar

Há uns dias a liturgia católica de Domingo convidava-nos e aprofundar o encontro de Jesus com Marta e Maria (Evangelho de Lucas 10, 38-42). Há nesse encontro um convite à disponibilidade interior que vulgarmente chamamos de “escuta”.

Cada um disse o que lhe ia na alma

Durante as entrevistas que fiz aos moradores, e antes de iniciarmos o trabalho de pintura em madeira com diferentes parcelas de céu que enfeitaram as portas da rua durante o mês de junho do ano passado, coloquei uma pergunta aos vizinhos sobre o que têm encontrado de belo na Rua da Páscoa desde que aí mora.

Bolsonaro cristão, Bolsonaro pagão

Há quem defenda que o governo de Bolsonaro, apesar de se afirmar cristão, em boa parte, inscreve-se todos os dias em campo oposto à respectiva ética. As comparações com a personagem Donald Trump são inevitáveis.

O sonho de um novo humanismo…

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

IPSS e desenvolvimento local

As IPSS caracterizam-se por dar resposta a necessidades que as populações identificam e experimentam no seu dia-a-dia, prestando serviços e gerindo equipamentos sociais ao mesmo tempo que, localmente, contribuem para a solução de problemas de emprego.

A guerra dos papas

Falo não da guerra dos papas entre si (que também as houve e bem violentas) mas entre os “adeptos” deste ou daquele, nas imensas bancadas onde toda a gente se pode refugiar e donde aprecia, a modos de júri conflituoso, o grande desfile dos sucessores de São Pedro.

A última das liberdades

Um estudo da OCDE recentemente publicado revela que Portugal está entre os dez países membros dessa organização onde o ensino não estatal é mais elitista. Esse estudo, com o título School Choice and Equity (“Escolha da escola e equidade”) analisa a questão da possibilidade de escolha da escola, pública ou privada, e da equidade quanto a essa possibilidade.

Jesus e a Alegria do Amor

O Concílio Vaticano II constituiu uma oportunidade para que alguns cristãos pudessem exprimir abertamente aquilo em que já acreditavam, mas que viviam como que em estado de tensão interior ou até com uma contradição traumática de difícil gestão. Cinquenta anos depois, há uma questão que continua a ser sentida e vivida como se não se tivessem passado já cinquenta anos: trata-se da rotura do matrimónio (entre leigos entretanto recasados) e da forma como isso é encarado pelos responsáveis da Igreja Católica.

Animais, respeito e substituições

Uma primeira nota tem a ver com o desequilíbrio que se foi instaurando à medida que fomos evoluindo e a urbanidade se foi sobrepondo à ruralidade. Pese embora todas as conquistas, deixámos muito lá atrás uma hierarquia de valores que nos ensinava a respeitar os animais, mesmo se por vezes com um carácter utilitário, sem nunca deixar que ocupassem o espaço relacional próprio dos laços entre seres humanos.

A arte de meditar

De há uns anos para cá temos vindo a assistir a um movimento de promoção e adesão à meditação, cujos ecos nos chegam através de partilhas ou de anúncios nas nossas ruas ou nas redes sociais. São modelos de meditação inspirados, na sua maioria, em práticas budistas ou hindus. A adesão é considerável, sobretudo entre as camadas mais jovens. Procura-se na meditação uma forma de fugir ao activismo e ao stress do dia-a-dia que, sobretudo no Ocidente, vai consumindo as nossas vidas, e também um meio de encontro consigo próprio. Fomos buscar este instrumento ao Oriente como se, mais uma vez, “do Oriente nos viesse a salvação”…

Viver poesia

Ser pai não é melhor do que ser poeta. Ou antes, é uma outra forma de o ser, porventura mais genuína e útil. Pode-se fazer Poesia escrevendo-a, mas o melhor de tudo ainda é vivê-la.

Cultura, valores, espiritualidade

O espaço onde o sentido da vida se exprime é no âmbito da Cultura. Há muitas definições de cultura. Aqui entendemo-la como a formulação do âmago de todas as nossas atividades, pensamentos e desejos, os critérios nucleares de construção das nossas vidas individuais e coletivas. É o lugar onde se nos mostra onde queremos chegar.

O preconceito contra o ensino profissional não tem limites

Os Ministérios da Ciência e Ensino Superior e da Educação lançaram a campanha “não desistas de ti”. Ao entrar no “site” respetivo, pode ler-se, em letras gordas: “Hey, tu. Sim, tu. Tu podes fazer o que quiseres. A sério. E quando uma pessoa sabe o que quer tem algo para lutar. Por isso não baixes os braços e vai à luta. Não desistas de ti.” Depois, clica-se em baixo, em “vou à luta” e entra-se numa página sem qualquer graça, com uma listagem de cursos e de instituições, da Direção Geral do Ensino Superior.

“Avó, a rua do teu ateliê é bonita”

A rua é a Rua da Páscoa na freguesia de Campo de Ourique, em Lisboa, onde “mora” há 25 anos o meu ateliê de Pintura da Azulejos e Artes Plásticas e que levou a este comentário da minha neta mais velha num dos passeios a caminho do ateliê.

Cuidadores: propostas legislativas redutoras

A proposta de “cuidador” na legislação em fase de aprovação enferma, à partida, de um significado redutor ao “cuidado” do que são as normais relações familiares e de afeto que devem ser apoiadas, incentivadas e protegidas e não objeto de “classificações”, como “principal” e “não principal”.

Ku-txinga: dos hábitos às mudanças tradicionais

Há peculiaridades e subjectividades a preservar, até porque o modo de realizar esses rituais tem uma função social específica, para os seus membros. Se esses modos de fazer colocam em risco a vida das pessoas, estamos perante um hábito, uma cultura ou uma tradição que deve ser mudada. No caso de que se fala, trata-se de uma mudança e não de um corte da tradição.

Greve climática estudantil: Responsabilidade pelo futuro

Com a temática quase ausente da recente luta eleitoral para o Parlamento Europeu (PE), decidiram os jovens estudantes fazer uma greve climática para nos ensinar que a guerra contra as alterações climáticas, terá de ser vencida em todos os níveis, do local ao global, se quisermos continuar a viver no nosso planeta azul.

José Mattoso

A atribuição a José Mattoso (1933) do Prémio Árvore da Vida – Padre Manuel Antunes constitui um justo reconhecimento de uma carreira exemplar de historiador, ensaísta, pedagogo e pensador a quem muito deve a cultura portuguesa.

A água do Jordão não é benta

O rio Jordão e a Terra Santa tornaram-se nos últimos anos um importante centro de peregrinação religiosa para alguns sectores cristãos. Uma moda que se pode inserir no processo de judaização que está em curso.

Iémen, a guerra esquecida

Acredito que as pessoas mais atentas e que gostam de ler sobre geopolítica e geoestratégia conheçam o Iémen. Mas, para a grande maioria, será um país desconhecido. É, aliás, pouco estudado, pouco trabalhado e pouco analisado. O que geralmente não se sabe é que no Iémen se vive a maior crise humanitária do mundo.

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

A prova dos caracóis

Como o trabalho voluntário em ambientes de incerteza e risco nos pode levar a viver valores que defendemos, mas que dificilmente concretizamos.

O que vale a vida de Vincent Lambert

Uma verdadeira saga judiciária, com uma impressionante componente dramática, tem ditado o destino da vida de Vincent Lambert. Uma vida que tem estado à mercê de sucessivas e contraditórias decisões de instâncias médicas, judiciais e políticas. Uma saga que não terminou.

Os jovens e a abstenção

68,6%: foi esse o valor da abstenção a nível nacional para as eleições europeias de 2019. Pela Europa, em média, os valores são mais baixos e conheceram uma digna diminuição em relação às eleições de 2014. No entanto, é inequívoco que a Europa e Portugal têm uma tarefa grande pela frente. Mais grave se torna o cenário olhando para a abstenção jovem em Portugal.

Os mais velhos

Esta questão é central nos tempos de hoje e na sociedade portuguesa. Que estamos a fazer dos nossos velhos? Fazem parte dos “descartados” da sociedade, como afirma o papa Francisco? São meros “utentes” de instituições que anseiam por mais um lugar vago para continuarem a ter lucro? Têm de pedir desculpa por ainda existirem? É urgente pensarmos nesta ordem de questões e encontrar alternativas.

Educar para o silêncio

Para muitas pessoas o silêncio mete medo e é evitado a todo o custo. Mantermo-nos constantemente ocupados, na confusão e no barulho, evita que olhemos para dentro de nós e nos confrontemos com as nossas limitações e imperfeições, dúvidas e angústias, tristezas e medos. A sociedade frenética em que vivemos não ajuda em nada a desenvolver a capacidade de silenciar.

No Brasil atual: lembranças para não perder a esperança

Para se enfrentar tempos de desolação e incerteza, como os que se vivem hoje no Brasil com a vitória da ultradireita, convém olhar para a história da conquista dos direitos humanos de LGBT, negros e mulheres. A memória do passado permite ver o presente em perspectiva, mantendo vivos valores, utopias e esperanças.

No voto, a luta pelo nosso futuro

Ouço muitas vezes: “Não sei no que votar. Achas que vote?”. A minha resposta é SIM!
A maior parte das vezes sinto-me muito insegura para votar. Ter de votar num partido ou num representante de um partido não é tarefa fácil. A responsabilidade de voto é muita e a identificação com tudo o que um partido defende é pouca. A decisão é difícil. Mas não acredito que este seja o problema maior.

Definir a Europa das próximas gerações

As eleições europeias são um serviço a que somos chamados a responder na base da fidelidade da nossa crença. Não consigo falar de todas as crenças e seus ideias, posso falar da que conheço: a Bíblia. Não podemos dizer que este livro, ou “biblioteca”, é ideologicamente neutro.

A moda dos “currais” eleitorais já cá chegou?

A prática nefasta de “currais eleitorais” em muitas igrejas é uma realidade brasileira. Terá chegado finalmente a Portugal, ou trata-se antes de uma tradição antiga entre nós, mas agora sujeita a um sufrágio muito mais atento e exigente por parte dos cidadãos?

A União Europeia necessita de psicanálise

Importa olhar para o «subconsciente» da União Europeia e tentar perceber a causa de tão grande tormento. Dir-se-ia que a União Europeia necessita de fazer algumas sessões de psicanálise. Queiramos ou não, estejamos ou não de acordo, a realidade é que a União Europeia marcará o nosso futuro coletivo.

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Um protestante português no Sri Lanka

João Ferreira d’Almeida é o responsável pela obra literária mais divulgada de sempre na língua de Camões, com quase 200 milhões de exemplares distribuídos da tradução da Bíblia de sua lavra. Mas é, em simultâneo, um dos mais desconhecidos autores ou literatos de todo o espaço lusófono.

Progresso e regressão

“Está na altura de incluir na agenda política o combate à pornografia” – não, esta frase não é de algum político moralista e ultraconservador. É de um embaixador especial do Governo sueco para o combate ao tráfico de pessoas.

É possível amar um terrorista?

A perseguição religiosa toca a todos e é uma das que causa mais vítimas em todo o mundo, talvez porque o fanatismo religioso é o pior de todos. Curiosamente fala-se pouco no Ocidente da cristianofobia, que origina, provavelmente, a maior das perseguições.

Breves considerações sobre a “filosofia de género”

De 2009 a 2013 coordenei um projecto de investigação intitulado As Mulheres na Filosofia. No mesmo período leccionei na FLUL cadeiras ligadas à Filosofia de Género. É pois com alguma estranheza que constato a visão negativa que por vezes acompanha esta temática. Daí entender que vale a pena tecer sobre ela algumas considerações.

Crise económica e espiritualidade da vida

Uma Espiritualidade sã e holística não pode deixar de criticar os chamados “valores burgueses”, conservadores, os chamados valores do “individualismo”, da “liberdade” (sem equilíbrio da igualdade), do “consumismo”, do “materialismo”, do crescimento de uma hiper-tecnologia imune à crítica do humanismo e, além disso, anti-natureza, etc. Mas também terá que criticar a hipocrisia do que foi o chamado modelo de “socialismo real” (ou “irreal?), burocrático, incapaz de resolver sadiamente a dialética entre oferta e procura, de estagnação com controlo centralizado de tudo…

Deus não é sócio de César

A confusão entre César e Deus – isto é, entre o secular e o religioso – sempre gerou problemas ao longo da História. A atracção fatal pelo poder levou os homens a confundirem ambos os planos de intervenção, por vezes com graves consequências.

Proteção social: ser guarda do seu irmão

Há uma “cultura muito nossa”, em que cada português se sente “guarda do seu irmão” e em que, no exercício da cidadania, por caridade ou solidariedade, muitos não rejeitam fazer o que está ao seu alcance na construção coletiva para um melhor devir de cada um e de todos.

Entrevista… entre vistas… entre olhares

A realização de entrevistas é sempre um desafio muito grande que os alunos encontram no contexto dos seus trabalhos académicos. Na verdade, são um desafio enorme em qualquer fase da nossa vida de investigação e ninguém pode, em rigor e com seriedade, dizer que possui “traquejo” suficiente a ponto de ignorar cuidados especiais na condução desta técnica.

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Coerência e comércio de armas

Quando se aproximam as eleições europeias, é particularmente oportuno refletir sobre aqueles valores em que assenta a União Europeia, em cuja génese está um propósito de construção de uma paz duradoura e de respeito pelos direitos humanos. A incoerência das políticas de governos europeus no que a tais valores diz respeito não pode deixar de contribuir para a descredibilização do projeto de unidade europeia, que hoje tão fragilizado está.

Homens e Animais – uma apologia filosófica do bom senso

É com este apelo irónico à distribuição equitativa de bom senso que Descartes inicia o seu Discurso do Método. Note-se que o bom senso tem sido muitas vezes encarado como inimigo dos filósofos. Não nos lembraríamos de fazer filosofia a partir de opiniões consensuais, nem consideraríamos filosófico um discurso linear que se impusesse a todos numa primeira leitura.

A Inquisição acabou no papel mas não nas cabeças

Da mesma forma como não podemos esquecer os horrores do nazismo, do estalinismo, do maoísmo, dos kmervermelhos, do fascismo e de tantas outas ditaduras sanguinárias de direita e de esquerda, também não podemos esquecer esse maldito Tribunal do Santo Ofício, vulgo Inquisição, que de tribunal nada tinha e de santo muito menos.

Experimentar a comunidade

“O bailado desagregador e subversivo da Festa”
Não era só aos domingos que o meu coração batia de Alegria, também comecei a ir lá em algumas tardes da semana.

Papa Francisco em Moçambique: bênção ou nem tanto?

Há cerca de um mês começou a circular nas redes sociais o “segredo” revelado pelo padre Giorgio Ferreti, pároco na catedral do Maputo e membro da Comunidade de Santo Egídio: “Ainda neste ano o Papa Francisco estará connosco!”.
Logo se desenharam opiniões contraditórias sobre a oportunidade, ou não, desta visita ainda neste ano, sobretudo antes das eleições previstas para Outubro próximo. Desde o anúncio oficial da viagem para os dias 4-6 de setembro, as opiniões cruzam-se.

Acompanhamento, proximidade e cuidado

É sempre mais fácil criarmos critérios, normas, leis e termos uma espécie de formatação ou modelo nos quais tudo tem que se encaixar. Talvez ao padre Aureliano fosse mais fácil levar um texto, mas perderia a capacidade de escuta, que é a primeira realidade de quem quer acompanhar. Escutar para perceber as motivações que cada um traz dentro de si, angústias e problemas, ou sonhos e esperanças, ou ainda caminhos de vida ou opções a realizar.

Um estranho Rio que corre ao contrário

Pode parecer estranho, mas num país com uma população tão diversificada como é o Brasil, a intolerância religiosa cresce e assume contornos preocupantes. Mas parte do problema parece estar nas lideranças mediáticas neopentecostais.

Duas interrogações eclesiológicas

Aqueles que, em 1975, receberam a exortação apostólica
Evangelii Nuntiandi (O anúncio do Evangelho), do Papa Paulo VI, não deixaram de ler – na referência que o texto fazia às Comunidades Eclesiais de Base (as CEB’s “tornar-se-ão sem tardar anunciadoras do Evangelho”, nº 58) – o reconhecimento por parte da Cúria Romana da necessidade de renovar o modelo organizativo eclesial.

Na corda bamba

É fascinante ir descobrindo como a vida é cheia de contrastes e como eles nos fazem falta. Sem a noite não desejaríamos o dia, sem chuva não apreciaríamos o sol, sem o mal não reconheceríamos o bem, sem tristeza não sentiríamos alegria…
Alegria e tristeza.

Tecnologia e Espiritualidade em tempo de crise

A Espiritualidade não pode ser uma Espiritualidade de refúgio frente a um mundo ameaçador, muito instável e até violento. A Espiritualidade, pelo contrário, é uma atitude mental e afetiva que orienta a nossa pegada neste Planeta de maneira responsável, positiva, propositiva e alegre.

Senhores Bispos

Abusos sexuais na Igreja? Pedofilia? Já sabemos. A Comunicação Social anuncia, disserta, desenvolve. A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) já se pronunciou. Alguns bispos evocaram, nos seus documentos quaresmais. O assunto não morreu, o tema ressuscita a cada dia. É mais que universal. Monstruoso.

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Espíritos dos antepassados e santos canonizados, mediadores entre Deus e os Homens

Na tradição católica o acesso a Deus pode ser feito ou por via direta, na qual o crente se dirige a Ele, ou por intermediação de santos canonizados. Enquanto que na cultura bantu, o acesso a Deus é realizado, na maior parte das vezes, por intermediação dos espíritos dos antepassados, os eleitos, e em raras ocasiões por via direta: Homem-Deus. Entretanto, tanto numa, como noutra tradição, existe a crença num Deus único, mas em três pessoas: Pai, Filho, Espírito Santo.

Os bodos de S. Sebastião na Beira Baixa

É dentro deste espírito que ainda hoje, nas terras beirãs, em várias épocas litúrgicas do ano (Natal-Páscoa, Espírito Santo e Nossa Senhora da Assunção), se realizam alguns bodos que teimam em permanecer vivos. Sinal de que as populações os incorporaram na sua vida, tornando-os uma parte significativa e indestrutível da sua história religiosa local.

Reconciliação e fraternidade…

Mais do que uma cerimónia formal, a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana, em 4 de fevereiro de 2019, permitiu a afirmação de uma cultura de paz baseada no respeito mútuo, na liberdade de consciência e na necessidade de uma compreensão baseada no conhecimento e na sabedoria.

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco