Entre Margens

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

José Mattoso, um demandador de sentido

José Mattoso, um demandador de sentido

Confesso que escrevo este texto com temor e tremor, face à recente partida do Prof. José Mattoso. Talvez porque tantos outros o fizeram já com mais propriedade e saber ou por me sentir, tal como no Evangelho, como um dos trabalhadores da hora última, entre os que tiveram o privilégio de o conhecer e de o ter como orientador.

José Mattoso: a pessoa que morava naquele professor

José Mattoso: a pessoa que morava naquele professor

Um belo dia, deu-se um acontecimento singular. Um estimado professor do Curso de História que vários de nós frequentávamos apresentou-se a provas de doutoramento (sim, na altura, eram duas as provas, em dias subsequentes). Mais pelo professor do que pelo ato – ainda que esse tipo de atos fosse então facto raro – lá fomos ver o espetáculo.

“Ad Gentes”, a todas as gentes

“Ad Gentes”, a todas as gentes

O afastamento que alguém pode experimentar em relação à Igreja, como reacção à imperfeição do corpo que a compõe é, por um lado, compreensível – já que se abrem brechas que põem em causa a autoridade moral da instituição e revelam problemas complexos e enraizados. Mas é, ao mesmo tempo, expressão de uma imaturidade de fé que confunde situações específicas com um todo mais abrangente.

O que não é sinodalidade

O que não é sinodalidade

Desde que começámos a falar em “sinodalidade” na Igreja Católica que este termo saltou para o comum das reflexões quotidianas e, tendo um sentido oposto aos poderes do clericalismo, que se tentou e tenta – na minha opinião – o essencial de viver em comunhão, de viver em Sínodo.

Do autocarro 736 eu cheguei ao campo

Do autocarro 736 eu cheguei ao campo

 Cidade Cidade, rumor e vaivém sem paz das ruas, Ó vida suja, hostil, inutilmente gasta, Saber que existe o mar e as praias nuas, Montanhas sem nome e planícies mais vastas Que o mais vasto desejo, E eu estou em ti fechada e apenas vejo Os muros e as paredes, e não...

Cartas Vivas

Cartas Vivas

Durante séculos a fio, antes de a escrita ter sido inventada, os homens comunicavam essencialmente de forma oral. Depois os sumérios, os egípcios, os hebreus e os gregos, entre outros, criaram ou desenvolveram formas de registo escrito. Nos tempos do Novo Testamento as cartas eram a forma mais expedita de enviar uma mensagem um pouco mais longa.

“Bread and roses”

“Bread and roses”

Frei Bernardo nasceu em 7 de julho de 1902 e morreu a 4 de julho de 1932, prestes a cumprir 30 anos. No dia em que morreu, domingo, estava prestes a chegar o seu livro de poemas místicos Cântico de Amor. Toda a sua vida foi marcada pela dor e doença. Em Lovaina, Belgica, já monge beneditino, foi-lhe diagnosticado o Mal de Pott, uma espécie de tuberculose óssea, que o massacrou e moeu como trigo para pão.

A primeira maravilha

A primeira maravilha

Recordo bem um vídeo intitulado A Vida Humana, a Primeira Maravilha, que foi exibido em muitas sessões de esclarecimento realizadas aquando do primeiro referendo sobre a liberalização do aborto, já lá vão vinte e cinco anos. Ainda estão por aí espalhadas muitas cassetes desse vídeo (um suporte que entretanto se tornou obsoleto), mas penso que será sempre bom revê-lo.

Oh! teu nome faz-se à fome com rochedo e mel

Oh! teu nome faz-se à fome com rochedo e mel

Que fonte de prazer é para nós celebrar neste ponto de encontro, na confluência dos ribeiros, ao ar livre, aberto às fragâncias de eucalipto… com a sonoridade da água em fundo contínuo! Fizemos a procissão desde a igreja paroquial até ao alto de S. João, como quem sobe às antigas raízes da nossa comunidade, Fragoso, à ermida de S. Vicente e à fonte de Santa Isabel. Este texto corresponde à homilia Nascimento de S. João Baptista.

Liberdade, consumação e vontade de Deus

Liberdade, consumação e vontade de Deus

Se Deus é a nossa mais íntima verdade – mais íntima a nós mesmos que nós a nós próprios (Santo Agostinho) –, e se a verdadeira liberdade consiste em realizá-la, então não há contradição entre a Vontade de Deus e o livre-arbítrio humano. Muito pelo contrário, estarmos alinhados com a nossa mais íntima vontade e vocação, é estarmos alinhados com a Vontade de Deus.

O autor e a obra de arte

O autor e a obra de arte

Sem nunca minimizar o efeito nefasto do inaceitável comportamento sexual de que é acusado o padre Rupnik, parece-me que se deve manter a obra estritamente separada do autor. Não é a bondade ou maldade do autor que torna a obra de arte boa ou má. — a opinião de Jorge Paulo

Em busca de escutadores de histórias

Em busca de escutadores de histórias

Dos documentos saídos da etapa diocesana preparatória para o Sínodo [da Igreja Católica] de 2024 que consegui ir lendo, e das várias discussões e depoimentos que fui ouvindo, atordoou-me muito o vazio e ensurdeceu-me deveras o silêncio em relação ao que considero ser a provocação central do Evangelho, a saber, a hospitalidade incarnada, concreta, pessoalizada e actuante no mundo, qual sal da terra, qual luz do mundo, qual fermento da massa.

Catarina de Sena, uma mulher pela reforma

Catarina de Sena, uma mulher pela reforma

Por iniciativa da Província Portuguesa da Ordem Dominicana e do Instituto S. Tomás de Aquino (ISTA) foi publicada em abril a biografia de Santa Catarina de Sena (1347-1380), da autoria de Sigrid Undset. A obra foi editada na Biblioteca Dominicana – uma coleção surgida no âmbito das comemorações dos 800 anos da fundação da Ordem dos Pregadores – e que tem publicado livros fundamentais de, e sobre, autores dominicanos.

Aristides de Sousa Mendes, a coragem da desobediência

Aristides de Sousa Mendes, a coragem da desobediência

Para a primeira das quatro Conferências de Maio deste ano, organizadas pelo Centro de Reflexão Cristã, de Lisboa, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, enviou um curto depoimento sobre Aristides Sousa Mendes, o cônsul português que, em Bordéus, salvou milhares de judeus em fuga do nazismo, desobedecendo deliberadamente às ordens do ditador Salazar.

A minha paróquia está morta

A minha paróquia está morta

Há dias, numa assembleia de vigararia duma determinada diocese de Portugal, onde estava o bispo diocesano, alguns párocos e membros do povo de Deus, faziam-se grandes reflexões sobre como viver hoje a fé e como dinamizar a nossa Igreja. Entre bonitos discursos e palavras de ocasião, tentava-se olhar para o futuro e ver o que se podia melhorar.

Criatividade do Amor: A Arte da Contemplação na Era Digital

Criatividade do Amor: A Arte da Contemplação na Era Digital

O mundo não evolui pela sobrevivência dos mais fortes, mas através dos comunicadores mais aptos. Sob esta nova chave de leitura, a evolução biológica que deu origem à evolução cultural com o nascimento do pensamento, adquire um significado profundo, sobretudo na actual Era Digital.

Assumir a vida do coração

Assumir a vida do coração

Uma dimensão silenciosa da vida é um mapa que nos permite encontrar o espanto primordial diante da razão de ser das coisas. Este gesto de nos colocarmos diante das coisas, é em si, um movimento poético, que nos permite conceber formas inéditas daquilo que nos chega como mistério.

Maior que a nossa teologia

Maior que a nossa teologia

 Deus é maior que a nossa teologia. Esta é, possivelmente, uma verdade difícil de engolir, pois temos o desejo de conseguir explicar a nossa fé de forma sistemática. Gostamos de ter respostas para todos os fenómenos espirituais, e de preferência que esses fenómenos sejam facilmente explicados pelo sistema teológico que defendemos. Felizmente, Deus não se deixa circunscrever pelos nossos ideais sobre ele.

O que queremos realmente? 

O que queremos realmente? 

O que é que nós queremos realmente? Confusamente, nebulosamente, sabemos que queremos muito ser. Humanamente – e talvez não haja nada mais humano – desejamos algo que nos resgate deste nada em que, sem saber como, mergulhámos, como se, algures pelo caminho, tivéssemos perdido algo de absolutamente essencial.

O que se pode aprender num dia

O que se pode aprender num dia

Neste último ano, muitas destas mágoas e sofrimentos tornaram-se costumeiros e indiferentes, sendo que o estridente informativo tende a banalizá-los. Estas situações que cinicamente se justificam e se consideram ser o reconhecimento do realismo necessário para uns e outros sobreviverem. — a opinião de António Matos Ferreira

O Espírito Santo protagonista da missão

O Espírito Santo protagonista da missão

Falar sobre o Espírito Santo não é fácil; contudo, há muitas maneiras de o abordar. Há abordagens muito interessantes sobre as quais vale a pena debruçarmo-nos. Depois, há abordagens muitos simplistas e com uma linguagem demasiadamente piedosa que acaba por empobrecer o que é o Espírito Santo e o que Ele faz nos cristãos e na vida da Igreja. 

Sentido de missão ou imperioso apelo ao indevido destaque

Sentido de missão ou imperioso apelo ao indevido destaque

Muito recentemente estava a enviar uma nota biográfica – curricular resumida para facilitar a minha apresentação, pelo moderador, numas jornadas de saúde mental e dei por mim, no fim de tudo, a acrescentar – não tem redes sociais. E, sim, fi-lo pela primeira vez num registo oficial ou que virá a ser público. Como preferirem.

O que se traz em nós depois de entrar em Auschwitz e em Birkenau

O que se traz em nós depois de entrar em Auschwitz e em Birkenau

Entrei pela primeira vez no Campo de Auschwitz, na Polónia, no passado dia 5 de maio. Na viagem de autocarro que começara na belíssima Cracóvia aumentava a minha ansiedade e não conseguia abstrair-me das minhas perguntas de há tantos anos: como se entra num lugar como aquele, sabendo hoje o que sabemos? O que se sente? O que se traz em nós quando depois fazemos o trajeto de regresso que milhares de outros não puderam fazer?

Liberdade e verdade

Liberdade e verdade

As religiões, enquanto se consideram guardiãs da verdade, tendem a conviver mal com a afirmação da liberdade individual. Nas suas fileiras, coartam-na, limitam-na, enquanto apelam permanentemente à obediência férrea a uma autoridade que se considera incontestável, porque garante da verdade.

O escutismo católico português no seu centenário: três segredos, um desafio e o futuro

O escutismo católico português no seu centenário: três segredos, um desafio e o futuro

O Corpo Nacional de Escutas – Escutismo Católico Português atingiu a 27 de maio de 2023 a bonita idade de 100 anos. Como com uma pessoa que chegue a esta idade, todos queremos saber qual o segredo para tal longevidade? Tudo se afigura passível de admiração! O que agora apresento é uma visão muito pessoal, de alguém que ingressou aos 17 anos num agrupamento cheio de história, em Brito, no núcleo de Guimarães.

Oração pela nossa terra

Semana Laudato Si’ (VII)

Oração pela nossa terra

O 7MARGENS publica essas reflexões durante a Semana Laudato Si’, que se prolonga até este domingo, 28. Publicamos a seguir a Oração pela Terra, com que o Papa Francisco conclui a Laudato Si’ e que foi usada naquela paróquia como reflexão do Domingo de Ramos (2 de Abril).

Aonde fixar atentamente o desejo?

Aonde fixar atentamente o desejo?

A Ascensão assinala-nos a privação da presença incarnada de Jesus. Porém, é justa e necessária esta «perda», que estabelece outro ‘estar’. Recordado do que disse, terça-feira passada, a teóloga Isabella Guanzini, sublinho a urgência de vivermos com alegria o desejo do Seu retorno, que se vive, no entre-tanto dos dias, sob a neblina matinal a fecundar a realidade.

Sinais do tempo: Onde está o nosso caminho?

Sinais do tempo: Onde está o nosso caminho?

A tarefa de definir o tema principal das XXXIV Jornadas Teológicas de Braga, “Sinais do Tempo: Onde está o nosso caminho”, recebeu um forte impacto das dinâmicas em que a Igreja se encontra envolvida. Na resposta à sinodalidade e na consciência do entardecer que nos envolve, torna-se importante voltarmos aquilo que Nistezche anuncia: “Eu só podia acreditar num Deus que soubesse dançar (…); vede, um Deus que dança em mim”.

Símbolos de uma cultura de paz

Símbolos de uma cultura de paz

As festividades da Ascensão e do Pentecostes são em Portugal, como aliás na Europa, momentos de grandes e antigas tradições. Se entre nós a Ascensão deixou de corresponder a um feriado, por troca com o Corpo de Deus, o certo é que grande parte dos feriados municipais tem essa invocação.

Católicos e abusos: olhos nos olhos, escutar e conversar

Católicos e abusos: olhos nos olhos, escutar e conversar

A reflexão sobre o tema dos abusos deve, em meu entender, ter como premissa a realidade eclesial portuguesa; caso contrário, poderá tornar-se um ensaio meramente retórico, alheado da realidade concreta da esmagadora maioria das comunidades cristãs portuguesas – a maior parte das quais se situa, geograficamente, no território apelidado carinhosamente, pelos urbanos, como província.

A guerra do Iraque vinte anos depois

A guerra do Iraque vinte anos depois

Hoje, passados vinte anos, é oportuno refletir nas lições que podemos colher da guerra do Iraque quando somos confrontados com outra guerra que também envolve, direta ou indiretamente, as principais potências mundiais.

Que sentido tem a benção de uma união homossexual?

Que sentido tem a benção de uma união homossexual?

A Igreja Anglicana sofreu uma cisão por causa da aceitação de parceiros em união homossexual pedirem a um sacerdote a bênção da mesma. O que aconteceria se fosse o Papa Francisco a propô-lo? Em Fátima, se os sacerdotes abençoam qualquer objecto que uma pessoa eleve, sem qualquer discriminação, que razões teriam para discriminar a bênção do relacionamento entre duas pessoas do mesmo sexo senão por questões igualmente ideológicas?

Irmã Maia, precursora da Igreja Sinodal que desejamos

Irmã Maia, precursora da Igreja Sinodal que desejamos

No passado dia 12 de Abril morreu o bispo Jacques Gaillot, morte amplamente noticiada no 7MARGENS. Também grande admiradora do bispo Gaillot, lembrei a “amizade epistolar” que eu sabia ter existido entre a irmã doroteia Maria de Lourdes da Silva Maia (1926-2019) e ele. 15 de Abril seria o dia do aniversário da Irmã Maia – morreu aos 93 anos – e foi nesse mesmo dia que iniciei a escrita deste texto.

Profundamente insensata, a minha Igreja

Profundamente insensata, a minha Igreja

Hesitei entre dois títulos: “mais horror”, como que a prolongar a péssima telenovela em torno dos abusos sexuais, ou “profundamente insensata, a minha Igreja”, sublinhando desde o início a ideia que mesmo sendo a Igreja insensata, é a minha Igreja. Optei pela segunda, mas sem dúvida que é sob o signo da vergonha e da tristeza que escrevo estas linhas, depois do choque ao ver um selo do Vaticano sobre a JMJ 2023.

Vinde e ouvi, vou narrar-vos

Vinde e ouvi, vou narrar-vos

A palavra tem uma intensidade que surpreende! Sim, é mais diligente que as canções de Rita Lee que, nestes dias ventosos, fez e faz baloiçar, na avenida central, as tílias de corimbos em flor; e, nos camiões do ‘Enterro da gata’, os jovens universitários… (Joaquim Félix. Este texto corresponde à homilia do passado Domingo, dia 14 de maio, Domingo VI do tempo pascal na liturgia católica, 2023.)

Georgino Rocha um professor aluno

Georgino Rocha um professor aluno

O autor do livro Pedagogia do Oprimido, o pedagogo e andragogo Paulo Freire, escreveu: “Ninguém ensina ninguém, nós ensinamo-nos uns aos outros”. A frase é aplicável ao Professor Doutor Georgino Rocha. Nas aulas em que, na Universidade Católica Portuguesa (Porto), tive o prazer de ter como professor o padre Georgino, portador de uma visão moderna do que é uma “aula”, ele mostrava que sabia interagir com os seus alunos.

Três lições de uma peregrinação a pé a Fátima

Três lições de uma peregrinação a pé a Fátima

Sempre tenho peregrinado devido à gratidão, mas a condescendência de Deus tem-se servido destas peregrinações como ocasiões de penitência, de crescimento humano e espiritual. Por isso, gostaria de partilhar aqui algumas lições que aprendi. [A opinião de Nuno Ventura, padre católico]

Yunus e a teoria dos três zeros

Yunus e a teoria dos três zeros

Muhammad Yunus, prémio Nobel da Paz em 2006, esteve em Portugal para participar no Fórum Sustentabilidade e Sociedade, o qual teve lugar nos dias 11 e 12 de maio em Matosinhos. A iniciativa, da responsabilidade da Global Media Group em parceria com a Galp, CGD, Fundação INATEL, Grupo BEL e Câmara de Matosinhos, trouxe ao nosso país, além de Yunus, Kadri Simson (Comissária Europeia da Energia) e Jos Delbeke  (Instituto Universitário Europeu de Política Climática).

Grito de revolta!

Grito de revolta!

O mundo inteiro, como venho dizendo, cada vez mais vem defendendo o lucro fácil passando por cima dos valores democráticos, pisando os homens e criando uma sociedade profundamente egoísta ao contrário do espírito do 25 de Abril.

Afinal deveríamos ser todos cuidadores uns dos outros

Afinal deveríamos ser todos cuidadores uns dos outros

Durante toda a celebração da Eucaristia (onde foi lido o Evangelho de João 10, 1-10), há dias, tive à minha frente um casal de 40 e tal anos, com uma filha adolescente de uns 12, 13, movendo-se com lentidão de um lado para o outro. Num determinado momento, o padre convidou «os meninos e as meninas para junto do altar, para rezarmos todos a oração que Jesus nos ensinou». Os pais relancearam o olhar para a filha, mas ela continuou a baloiçar-se.  

(In)correções teológicas

(In)correções teológicas

Porque é que pessoas que se consideram religiosas acreditam e fazem o que não devem? Porque é que os crentes na Bíblia comem cheeseburgers quando as regras do Levítico dizem para não se misturar carne de vaca com lacticínios? Porque são racistas e defendem a pena de morte? Porque rezam para ganhar guerras? [A opinião de Vítor Rafael]

Dia da Mãe com um filho preso

Dia da Mãe com um filho preso

Não chores meu filho, não estás sozinho, eu estarei sempre contigo. Lembras-te em que momento te perdeste de mim? Puxo pela cabeça e não sou capaz. Talvez tenha sido numa noite, sim, o mais possível é que tenha sido numa das noites em que eu ficava acordada à espera de que chegasses e não chegavas e eu tinha de sair para trabalhar.

Como cartão de tapeçaria de Dom Robert

Como cartão de tapeçaria de Dom Robert

Ao tempo de Jesus e de Simão Pedro, sabemos bem que, também por aqui e muitos outros lados, o pastoreio de rebanhos era uma paisagem comum. Pedro falava para uma comunidade de hebreus, alguns vindos da diáspora e, entre outros, certos pastores, que apascentavam ovelhas de seus senhores. (Homilia do Pe Joaquim Félix, vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga)

A bondade da criação

A bondade da criação

Associa-se habitualmente a bondade da criação à flora e à fauna, aos rios e às montanhas. Mas importa também associá-la ao corpo humano. Vêm-se sucedendo notícias sobre as implicações da ideologia do género em vários âmbitos da sociedade: da cultura, da educação, da medicina, do desporto, etc. (Opinião de Pedro Vaz Patto, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz).

A fronteira

A fronteira

Ao olhar um grupo de crianças a brincar na rua (ainda as há!), custa-me engolir a evidência de que, para estas crianças, um dia de escola pode significar o maior dos perigos. No Texas, as armas estão por todo o lado e, absurdamente, o nome “Jesus” encaixa frequentemente no discurso que defende o direito a tê-las à disposição e prontas a engatilhar. (Opinião de Sara Leão, mediadora educativa e formadora de Português Língua Estrangeira).

Sementes

Sementes

Na parábola que Jesus contou a semente pode cair em diferentes locais e isso determina o seu futuro, isto é, os casos em que vai gerar vida nova ou ficar simplesmente pelo caminho, sem cumprir o propósito para o qual foi lançada à terra.

Abusar de nós

Abusar de nós

Nos tempos mais recentes toda a nossa atenção se tem dirigido para assuntos preocupantes e sérios que nos fazem inquietar, que nos fazem discutir e lutar por aquilo em que acreditamos, uns de uma forma mais ativa, outros de um modo mais discreto, mas também válido. Não há dúvida que o testemunho é um enorme instrumento de bem-fazer aos que temos à volta, àqueles que nos podem olhar com olhos de ver. A busca da coerência torna-se, dentro deste, o mais relevante sinal de quem pretende mudar o mundo ainda que, ao seu alcance, apenas se encontre um pequeno lugar.

Ser cristão como experiência vital

Ser cristão como experiência vital

O corpus paulino – sobretudo o que inclui apenas as sete cartas autênticas – é de extrema importância para equacionarmos corretamente a identidade cristã e a natureza da Igreja. A muitos títulos, o seu conteúdo é também provocatório e crítico, se compararmos as suas propostas com a forma como o cristianismo foi sendo posteriormente concebido e vivido. (Opinião de Jorge Paulo, católico e professor do ensino básico e secundário.

Igreja em Crise é Igreja reconciliadora

Igreja em Crise é Igreja reconciliadora

A Igreja esteve sempre em crise, porque inquieta e inquietadora, por isso mesmo é reconciliadora. Prestando atenção às homílias da Semana Santa até à Páscoa libertadora, das hierarquias – clero, pois, portanto, consequentemente -, podemos assistir às mais variegadas intervenções, mas existe uma que chama a atenção, e que fala do “povo simples” que já se “reconciliou com os católicos”. (Opinião de Joaquim Armindo)

Gostava de ler na igreja e não ouvir tanto o eco da minha voz

Gostava de ler na igreja e não ouvir tanto o eco da minha voz

Fui à missa. Os espaços vazios são mais do que os ocupados. Procurei jovens e contei-me a mim para que o número não fosse tão reduzido. Estará a fé a perder-se? Ou estarão os costumes em mudança? Os católicos são cada vez menos. A Igreja esconde o seu carácter resiliente. É assustador pensar na extinção de algo tão antigo. Avançada a idade, desvaloriza-se a essência. Os meus avós são idosos, mas sinto que ainda tenho muito a aprender com eles.

A Igreja não pode voltar a dar “uma mão cheia de nada”

Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 18)

A Igreja não pode voltar a dar “uma mão cheia de nada”

Nesta décima oitava resposta, Helena Martins Carmona, leiga, católica, professora de Educação Moral e Religiosa Católica, chama a atenção para a importância das decisões coletivas ao nível da CEP e para a necessidade de que todo o processo seja isento e transparente. Propõe ainda a participação de todos os batizados através de assembleias diocesanas.

Pedra do Acordo

Pedra do Acordo

Iniciamos hoje a Semana de Oração pelas Vocações. É o primeiro dia e, talvez por parecer muito preliminar, sinto-me à procura de uma primeira parábola, capaz de abrir o ‘dizer justo’. Que início poderia ter esta partilha da Palavra, esta conversa familiar, de forma a não arrefecer os corações incendiados, por certo ainda sem entrar em rescaldo, deste a sua escuta direta? (Homilia de Joaquim Félix)

Sinodalidade: critério processual a assumir com radicalidade e com verdade

Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 17)

Sinodalidade: critério processual a assumir com radicalidade e com verdade

Nesta décima sétima resposta, José Veiga Torres, nascido e batizado na paróquia de Santa Maria Maior, da cidade de Viana do Castelo e residindo atualmente em Coimbra, sem a preocupação de se restringir às perguntas, centra as suas propostas na sinodalidade e suas implicações na vida da Igreja e, sobretudo, nas relações entre comunidades.

Porque no mar ninguém chora sozinho

Porque no mar ninguém chora sozinho

De alma e olhos postos no horizonte, a mulher estendia a roupa nas cordas da varanda caiada frente ao mar. Estranho foi, nesse dia, não se avistar ainda o aceno aliviado dos homens, como de costume àquela hora.

O celibato como afirmação do poder clerical

O celibato como afirmação do poder clerical

Deixemo-nos de rodeios. Não vale a pena procurar tapar o sol com a peneira. Serão tentativas inúteis de ocultação da verdade. Por mais que não o desejemos, a verdade é como o azeite, acaba sempre por flutuar sob o olhar atónito dos mais distraídos. A insistência milenar da Igreja ocidental (latina) no celibato obrigatório é uma forma de afirmação e consolidação do clericalismo. (Opinião de Jorge Paulo é católico e professor do ensino básico e secundário)

Jesus Cristo salvou-nos de quê?

Jesus Cristo salvou-nos de quê?

Com a vida, paixão, morte na cruz, e ressurreição de Jesus Cristo somos salvos – esta é uma das afirmações centrais do cristianismo. Mas somos salvos de quê? Como resposta a esta questão desenvolveram-se ao longo da história várias teorias da “expiação”. Pretendo argumentar brevemente que algumas dessas teorias, muitas vezes veiculadas acrítica e dogmaticamente nas comunidades cristãs, são imorais e, por isso, não podem ser verdadeiras. (Opinião de Domingos Faria)

Papa e dez jovens comunicam para além das palavras

Papa e dez jovens comunicam para além das palavras

Dez jovens de várias nações juntaram-se para fazer perguntas ao Papa Francisco e partilhar as suas experiências sem filtros num documentário que saiu a 5 de Abril no serviço de streaming Disney+. O conteúdo foi decidido pelas questões dos jovens, mesmo se se nota que a produção escolheu pessoas com experiências em questões “quentes” como o aborto, os abusos sexuais, os LGBT, a pornografia, os refugiados, entre outras. (Opinião de Miguel Panão).

Como é que se cuida sendo fiel ao Evangelho?

Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 14)

Como é que se cuida sendo fiel ao Evangelho?

 Nesta décima quarta resposta, Margarida Ferreira, coordenadora do Centro de Espiritualidade Redentorista (CER), propõe-nos cuidar das vítimas, o que pressupõe uma Igreja que “responda a uma só voz, com honestidade e clareza, que se mostre despojada, que mostre as feridas e as assuma.” Criar contextos de diálogo com abertura e honestidade e central a vida no Evangelho, é papel no qual todos nos devemos empenhar.

Abusos, mais abusos e protestos

Abusos, mais abusos e protestos

É manifesto que a vida da Igreja neste mundo tem sido feita de luzes e sombras; o tratamento da questão dos abusos foi indubitavelmente uma zona sombria e, nos casos em que continua na sombra, é essencial fazer incidir sobre ela um potente foco. [a opinião de Maria José Figueiredo]

Mas nesta Caminhada pela Vida, não te vi

Mas nesta Caminhada pela Vida, não te vi

Este texto surge como uma reflexão que preciso de fazer e partilhar, depois de me ter sido dito, por uma pessoa que pertence à hierarquia da Igreja, que tinha de escolher entre seguir esta instituição ou “outras ideologias” incompatíveis. Esta bifurcação foi-me apresentada depois de ter falado da importância dos movimentos cristãos participarem em acções populares cuja procura se encontra com o Evangelho. (Opinião de Raquel Luíz).

Levar os crentes à (re)aprendizagem do Evangelho

Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 11)

Levar os crentes à (re)aprendizagem do Evangelho

Nesta décima primeira resposta, o casal de professores universitários em Massachussets e Providence (Estados Unidos), Lourdes e José Francisco Costa sugerem um conjunto de medidas em relação à reparação dos problemas surgidos com os abusos sexuais e o debate, entre os batizados, sobre as tarefas e desafios que a sociedade coloca à renovação da Igreja.

Uma assembleia sinodal periódica nacional, diocesana e paroquial

Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 10)

Uma assembleia sinodal periódica nacional, diocesana e paroquial

Nesta décima resposta, Conceição Oliveira Lopes, sugere a realização de uma assembleia sinodal periódica de âmbito nacional, diocesano e paroquial, que assuma diferentes focos temáticos, incluindo a escuta e acompanhamento de vítimas de abusos, o repensar da formação e exercício do ministério eclesiástico e a promoção de uma cidadania cristã ativa.

O mistério da vida é o Eu sou

O mistério da vida é o Eu sou

A vida é muito mais do que um mistério da objetividade, isto é, algo que possa ser compreendido apenas a partir da bioquímica ou qualquer outra abordagem dita objetiva.

As Fontes do Amor

Semana Santa em Taizé

As Fontes do Amor

Um grupo de jovens de Lisboa esteve em Taizé a viver a Semana Santa que termina com este Domingo de Páscoa. Rita Sousa, enfermeira, membro do Corpo Nacional de Escutas, escreveu para o 7MARGENS este testemunho sobre a experiência vivida estes dias na pequena aldeia da Borgonha, onde reside a comunidade monástica de monges católicos e de diferentes denominações evangélicas e reformadas.

Um maior sentimento de alegria

Páscoa em Taizé

Um maior sentimento de alegria

Um grupo de jovens de Lisboa esteve em Taizé a viver a Semana Santa que termina com este Domingo de Páscoa. Inês Viegas, gestora de desporto e oriunda da paróquia da Venda do Pinheiro, gravou para o 7MARGENS este testemunho sobre a experiência vivida estes dias na pequena aldeia da Borgonha, onde reside a comunidade monástica de monges católicos e de diferentes denominações evangélicas e reformadas.

Getsémani: o jardim onde me encontro com Jesus

Getsémani: o jardim onde me encontro com Jesus

Na semana pascal [dos cristãos] o foco é Jesus. Um Jesus que é totalmente Deus e por isso podemos encontrar n’Ele a salvação dos homens. No entanto, antes do sacrifício maior, que era antecipado pela Lei, Ele mostrou mais uma vez a sua humanidade.

O Nobel da Paz para o Papa Francisco

O Nobel da Paz para o Papa Francisco

Desde essa iniciativa do grande Papa João XXIII, que foi para mim o homem mais notável do século passado, que os papas inovadores – ele, Paulo VI e agora Francisco – e a Igreja abriram as portas a toda a população em lugar de as fechar. A defesa frontal da democracia, da promoção social e do combate à pobreza tem levado os grupos mais defensores das mordomias a alcunharem-nos de comunistas. (Opinião de Francisco Crespo, médico)

Francisco, dez anos: tempos de mudança

Francisco, dez anos: tempos de mudança

Ocorreu no passado dia treze de março, o décimo aniversário da eleição do Papa Francisco, para ocupar a “cadeira de Pedro”, após o Papa Bento XVI ter abdicado inesperadamente, em 28 de fevereiro de 2013. (Opinião de Florentino Beirão).

Zero penitentes

Zero penitentes

Para nenhum penitente aconteceu essa confissão auricular, nas vésperas do último Natal, numa diocese do norte do país. Por duas horas, três párocos sentaram-se nos respectivos confessionários, de modelo tradicional. Durante esse tempo, nenhum penitente para ali dirigiu os passos. Ninguém se levantou nem se ajoelhou. Ninguém pediu perdão. (Opinião de Manuel Villas Boas)

A situação de Ronaldo e o problema de todos nós

A situação de Ronaldo e o problema de todos nós

Não quero ser ousada ao referir que Cristiano Ronaldo tem um problema. Mas a sua situação sobre o eventual fim de carreira relembra-me que todos nós temos o problema de saber quando terminar bem. Terminar algo que nos deu satisfação ou algo que é a concretização dos nossos sonhos pode ser difícil. (Opinião de Débora Hossi)

Justiça e solidariedade para com as vítimas

Justiça e solidariedade para com as vítimas

Questões relativas à justiça e solidariedade para com a vítimas de abusos sexuais praticados em ambientes da Igreja, como a punição dos autores dos crimes e a reparação dos danos, têm sido tratadas com alguma superficialidade. Gostaria de esclarecer alguns equívocos, com a modéstia das minhas opiniões pessoais e dos meus conhecimentos e experiência como juiz que lida frequentemente com estes crimes no foro do Estado.

A valentia da menina da roça

A valentia da menina da roça

Foi em meados do ano 2020, quando tudo começou. Confesso que após escrever milhares e milhares de palavras, senti que era uma grande tolice partilhar esse acontecido: “inspirações inesperadas” e não só seriam parte da minha vida que preenchia as páginas em branco de um futuro livro. (Ivanete Dias autora do livro “Além da Montanha Existe um Arco-íris”).

Entre o argueiro e a trave

Entre o argueiro e a trave

E o Papa Francisco tem sido muito claro ao dizer-nos que as situações graves não podem ser tratadas de ânimo leve. “Nunca serão suficientes as nossas palavras de arrependimento e consolação para as vítimas de abusos sexuais por parte dos membros da Igreja. (Opinião de Guilherme d’Oliveira Martins).

Além da montanha… existe um arco-íris

Além da montanha… existe um arco-íris

Vi o livro no balcão do espaço de atendimento, no seminário dos Dehonianos, em Alfragide. A capa chamou-me a atenção. Peguei nele, folheei aleatoriamente e comecei a ler algumas frases. Despertou-me curiosidade, depois atenção e logo após interesse. (Opinião de Rui Madeira).

Direito a tudo

Direito a tudo

Quando pensei escrever este artigo quase lhe dei o título “originalidade gratuita”; depois, refletindo um pouco mais, decidi-me por “Direito a tudo”. É que fui percebendo que estamos a atravessar uma época em que o que importa é ser original. (Opinião de Margarida Cordo).

O poder clerical e os abusos

O poder clerical e os abusos

É imperioso assumir os pecados dos crimes de abusos de crianças – como também dos outros abusos sexuais com pessoas de maior idade; é com clareza que se devem suspender todos os bispos e padres e agentes de pastoral envolvidos, pagar indemnizações e  todos os tratamentos a “abusados”. (Opinião de Joaquim Armindo)

“No Armário do Vaticano”: uma leitura desconcertante

“No Armário do Vaticano”: uma leitura desconcertante

Embora tenha sido publicado em Portugal em 2019, só agora me atrevi a ler o famoso livro No Armário do Vaticano, escrito pelo jornalista francês Frédéric Martel, que levou por diante uma intensa investigação sobre homossexualidade e poder no interior e nas franjas do Vaticano. O livro deixou-me estupefacto! (Opinião de Jorge Paulo)

Precisamos de terapias neuroteológicas

Precisamos de terapias neuroteológicas

Desde que saiu o relatório da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica que a atenção das nossas comunidades e da sociedade civil se volta para todos os desenvolvimentos que resultam desse processo. Queremos acção como sinal do apoio incondicional a dar às vítimas e pelo sentido de haver alguma justiça. (Opinião de Miguel Panão)

O que não está, mas brilha

O que não está, mas brilha

Há alguns anos, numa mesa de café, uma mulher contou-me uma história. A sua infância acontecera numa casa muito pobre, iluminada apenas por brasas numa lata, num chão de terra. Era sobre estas que, com o dedo, desenhava, e as cores-fogo surgiam na escuridão que rouba as coisas de lugar. (Opinião de Raquel Luiz)

Como é que as pessoas querem envelhecer?

Como é que as pessoas querem envelhecer?

Como é que as pessoas querem envelhecer? Quando esta questão me foi posta, mentalmente reagi de imediato: eu é que sei? E pensei que teria de interrogar várias pessoas sobre este problema na tentativa de obter uma informação mais fundamentada. Também me ocorreu de imediato que a primeira pessoa a interrogar seria eu próprio… E a resposta emocional saltou de imediato: mas eu não quero envelhecer!… (Opinião de José Pires)

Estou triste

Estou triste

Estou triste porque Deus não tem culpa. Estou triste porque há muitas pessoas a sofrer. Estou triste porque se tem usado o silêncio quando se deve falar e se tem falado quando se devia ter ficado calado apenas para não deixar alastrar a ignorância. (Opinião de Margarida Cordo)

Cuidemos das vítimas

Cuidemos das vítimas

Ao ler e ouvir a voracidade com que se discute o número de casos de abusos cometidos por membros da Igreja, só me vem à cabeça a frase pronunciada por Josef Estaline: “A morte de um homem é uma tragédia, a de um milhão é apenas uma estatística.” (Opinião de Sofia Távora)

E depois dos abusos, que Igreja Católica?

E depois dos abusos, que Igreja Católica?

Sei que há muitos e muitas para quem a fé, mais do que uma vivência, é um conjunto de ritos e de práticas que tendem a manter o seu próprio estatuto, o seu poder e a sua aparência. Para estes, a questão dos abusos será entendida como um desvio de alguns e o tempo, como sempre tem acontecido, tudo resolverá. (Opinião de José Centeio).

Sou porventura o guarda do meu irmão?

Sou porventura o guarda do meu irmão?

O pequeníssimo relato do primeiro homicídio da humanidade dado pelos livros sagrados é entre irmãos. Vale a pena ler com detalhe aquelas poucas linhas aos olhos de hoje, vendo que tudo começa porque aparentemente Deus olha com benignidade para a oferta de Abel, mas não olha com benignidade para a oferta de Caim (Génesis 4, 2-10).

Completou-se o tempo

Completou-se o tempo

  Todos nós, em particular os católicos, deveríamos aferir a nossa vida pelo critério supremo da fidelidade ao «seguimento radical da ‘vida em acto’ de Jesus de Nazaré». Todos os conflitos, que, com naturalidade, surgem nas nossas vidas (íntimas e sociais),...

Uma mão vazia de compromissos

Uma mão vazia de compromissos

Perante a gravidade do que foi revelado e tendo sido identificados vários padres alegadamente abusadores ainda em actividade eclesiástica na igreja portuguesa, a expectativa sobre a reacção da Conferência Episcopal Portuguesa era necessariamente grande, mas a onda de desilusão e indignação com o que foi apresentado é enorme.

Olhando a dor dos outros. A Universidade Católica Portuguesa e o contributo para o bem comum

Olhando a dor dos outros. A Universidade Católica Portuguesa e o contributo para o bem comum

Toda a dor é intransitiva, pelo que o propósito deste texto não é aliviar a dor que a UCP supostamente provoca na autora de um texto recentemente publicado no 7MARGENS, mas antes almeja esclarecer as perplexidades, diria até a ignorância, que o texto confessadamente assume relativamente à missão e à atividade desta Universidade.  (Opinião de Isabel Capeloa Gil, Reitora da Universidade Católica).

Destruíram a minha esperança!

Destruíram a minha esperança!

Ao assistir à conferência de imprensa da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) senti vergonha, revolta e uma total ausência de esperança nesta hierarquia. Que pena, que oportunidade perdida! (Opinião de Sílvia Monteiro)

Mulheres do Irão – a liberdade em forma de grito que não se cala

Mulheres do Irão – a liberdade em forma de grito que não se cala

“Mulher, Vida, Liberdade” é mais do que um slogan, é o grito e a bandeira de um poderoso movimento de protesto contra o regime iraniano, que se levantou logo após o bárbaro assassinato de uma jovem iraniana de 22 anos, às mãos da chamada «polícia da moralidade», por alegado incumprimento da lei relativa ao uso obrigatório do véu. (Opinião de Isabel Estrada Carvalhais)

A proteção das vítimas exige muito mais

A proteção das vítimas exige muito mais

Na sequência do terramoto de emoções causado pela divulgação do relatório da Comissão Independente sobre os Abusos Sexuais na Igreja Católica muito tem sido escrito e pensado sobre este problema de saúde pública de enorme relevância. É bom que finalmente assim seja. (Opinião de Alice Caldeira Cabral)

Aldeias em mudança, revolução silenciosa

Aldeias em mudança, revolução silenciosa

Há cerca de um mês, esteve reunido em Castelo Branco o primeiro-ministro António Costa com os ministros do seu Governo e deputados socialistas. Uma iniciativa que quis apresentar “um Governo mais próximo”, numa tentativa de conhecer melhor este distrito, através de visitas à maioria dos seus concelhos.

Abusos sexuais e recrutamento dos padres

Abusos sexuais e recrutamento dos padres

O relatório da Comissão Independente para a investigação dos crimes de abusos sexuais na Igreja Católica veio tornar público aquilo que já se esperava. Os portugueses não são diferentes dos outros povos. A investigação em outros países já tinha trazido a lume esta ignomínia. — a opinião de Jorge Paulo

Alegra-te. Luta pela tua felicidade

Alegra-te. Luta pela tua felicidade

Percorri vários caminhos, cheguei a encruzilhadas, mas a figura de Jesus nunca me abandonou. Lavei feridas, desenganos, ilusões e estou muito grata a todos os que me ajudaram. Significa que a Igreja, apesar do que veio à luz recentemente, continua a ser um espaço muito importante na cultura ocidental. (Opinião de Maria Eugénia Abrunhosa)

Laicidade e laicismo

Laicidade e laicismo

Como de esperar e tem sucedido noutras ocasiões análogas, os apoios do Governo e autarquias locais à realização da Jornada Mundial da Juventude têm suscitado uma velha discussão sobre a compatibilidade entre tais apoios e o princípio da laicidade do Estado e há quem invoque esse princípio para negar a legitimidade desses apoios. (Opinião de Pedro Vaz Patto).

Uma Universidade Católica para quê? Para quem?

Uma Universidade Católica para quê? Para quem?

Em 2019 o Papa Francisco apresentou aos cristãos (e ao mundo) aquilo que apelidou de “Pacto Educativo Global”. É à luz desse Pacto, infelizmente pouco divulgado, que vou refletir sobre questões de fundo quanto à orientação da Universidade Católica Portuguesa (UCP). Escrevo sobretudo sobre a sua Faculdade de Medicina. (Opinião de Teresa Vasconcelos)

O presépio cósmico é o convívio fraterno

O presépio cósmico é o convívio fraterno

No tempo dos Reis Magos é altura de desfazer o presépio e guardá-lo para o ano seguinte. Este ano, porém, vejam bem!, comecei a pensar na “humanidade animalesca” que ele encerra e como nós cristãos e cristãs podemos pedir perdão pela forma desastrosa como tratamos os animais – os seres viventes não-humanos, como ousamos classificá-los. (Opinião de Joaquim Armindo)

Neotenia e o cristianismo

Neotenia e o cristianismo

Desde o início do século XX, por impulso do darwinismo, a biologia e outras ciências construíram, ainda que de forma larvar e quase subterrânea em alguns casos, a ideia prevalecente de neotenia humana, como uma retenção de características juvenis entre adultos, de características transmitidas à descendência e do ser humano prematuro. (Opinião de Alberto Teixeira)

A pena de Deus

A pena de Deus

Em pequeno opúsculo intitulado Madre Teresa Beata, há uma citação inicial da própria madre Teresa que diz o seguinte: “Foi tudo obra de Deus. Nada foi obra minha. Não sou mais que um pequeno lápis na mão de Deus.” (Opinião de Rui Estrada)

Que fazeis de extraordinário?

Que fazeis de extraordinário?

Por estes dias, alguns de nós ouviram um padre recém-ordenado a dizer, também numa homilia nesta comunidade, que, enquanto ouvia os pungentes relatos das vítimas, lidos por ocasião da apresentação do relatório da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais sobre Crianças na Igreja Católica em Portugal, só lhe apetecia chorar, chorar… chorar.

A presença da arte cristã em Goa

A presença da arte cristã em Goa

Goa é uma cidade que invoca uma história extraordinária, na qual o diálogo de culturas constitui a chave da sua existência e da sua perenidade. O Museu de Arte Cristã da cidade é uma demonstração disso mesmo. A civilização indo-portuguesa não se confunde nem com a cultura portuguesa, nem com a cultura hindu, é uma realidade própria com uma identidade singular. (Opinião de Guilherme d’Oliveira Martins)

Palavra de criança

Palavra de criança

Se na escola o seu filho é agredido por outro, além do consolo será apropriado estimulá-lo a responder com violência? Ou solicitar o poder apaziguador da direcção da escola e o diálogo? Quando defendo o diálogo para acabar com a barbárie na Ucrânia muitos tratam-me com condescendência paternal.

Igreja Católica: e agora?

Igreja Católica: e agora?

A Igreja Católica portuguesa tem, e agora ainda mais, o dever de dar um contributo para a reforma necessária, levando ao Sínodo, com clareza e verdade, as principais preocupações dos católicos portugueses que a própria Conferência Episcopal Portuguesa resumiu no Relatório de Portugal ao Sínodo 2021-2023. (Opinião de Ana Bessa)

Nós, os vencidos do catolicismo

Nós, os vencidos do catolicismo

Roubo o título para este texto ao poema de Ruy Belo e a um livro de memórias de João Bénard da Costa, que nos tumultuosos anos 1960 perderam a fé ou apenas a esperança, vencidos por uma Igreja velha, autoritária. Deixaram de lutar, perderam-se na luta da fé. Talvez como eu, sim, nestes tempos mais recentes. — a opinião de Miguel Marujo

Sexualidade na Igreja Católica não é procriação

Sexualidade na Igreja Católica não é procriação

Em 1979, o Papa João Paulo II começou a fazer umas catequeses sobre a Teologia do Corpo (TC) que duraram cinco anos. Assim, no próximo ano de 2024, faz 40 anos que na Igreja Católica, a moral sexual teve uma actualização imensamente profunda, que me marcou quando era jovem, e daí que a sua versão seja a “TC-40”. (Opinião de Miguel Panão)

Do “não ter onde assentar a cabeça” ao alheamento do mundo

Do “não ter onde assentar a cabeça” ao alheamento do mundo

Jesus, que dizia de si próprio “não ter uma pedra onde assentar a cabeça”, rodeou-se de um grupo de discípulas e discípulos que o seguiam. Retiravam-se para a oração com frequência, mas viviam no mundo: eram pescadores, muitos deveriam ser agricultores, se tivermos em conta o tipo de simbologia utilizada por Jesus nas suas parábolas. Jesus falava de Deus a partir da linguagem comum do seu tempo e a partir das vivências daqueles que O ouviam. (Opinião de Teresa Toldy)

Penitência! Penitência! Penitência!

Penitência! Penitência! Penitência!

Folheei, com a atenção possível, tendo em conta o horror sentido, o relatório apresentado pela comissão nomeada pela Igreja, a fim de analisar os abusos sexuais praticados em contexto eclesial. Procurei o que lá não está: o nome das comunidades em que tais actos foram praticados, o nome das paróquias e freguesias onde cresceram os abusadores. (Opinião de Ruy Ventura)

Uma ponte que se agita. Reflexões sobre o sínodo

Uma ponte que se agita. Reflexões sobre o sínodo

Participei nas discussões da assembleia continental na qualidade de presidente da Federação Internacional das Universidades Católicas, instituições que por missão e identidade estão na linha da frente de um diálogo com a modernidade, inspirado pelos valores do humanismo cristão. (Opinião de Isabel Capeloa Gil, Reitora da Universidade Católica Portuguesa)

Prova de fogo

Prova de fogo

Estamos cada vez mais alertados e sensibilizados para a dimensão e abrangência que o sofrimento psíquico vai tendo nos dias de hoje. A depressão é, atualmente, o problema de saúde mais frequente em todo o mundo. Torna-se claro que não é preciso haver fatores desencadeantes para que esta doença se instale. — a opinião de Margarida Cordo.

Cuidar é humano

Cuidar é humano

Somos todos frágeis e vulneráveis. Contudo, vivemos num mundo onde há cada vez menos tempo e lugar para abraçar a fragilidade e vulnerabilidade humana.
O ritmo alucinante que consome as nossas vidas, as dificuldades económicas e sociais sentidas pelas famílias, a cultura da indiferença e do descarte, a sobrelotação de doentes e a escassez de profissionais nas instituições de saúde têm contribuído para a desumanização progressiva dos cuidados prestados aos nossos doentes.

Eutanásia e vida autenticamente humana

Eutanásia e vida autenticamente humana

Acredito que mesmo quem assuma a vida como uma dádiva gratuita com um sentido inerente não terá necessariamente de recusar liminarmente a eutanásia. Na visão cristã tradicional, a eutanásia – tal como o suicídio – seria um ato de ingratidão face a um dom divino que urge manter e valorizar até ao último momento. A morte procurada direta ou indiretamente constituiria, portanto, uma recusa da vida que Deus pôs à disposição de cada ser humano.

Dois pesos e duas medidas

Dois pesos e duas medidas

Dois episódios recentes vêm confirmar o que venho concluindo desde há algum tempo. É verdade que nalguns âmbitos as democracias liberais contemporâneas dão grande relevo à liberdade de expressão. Penso mesmo que esse relevo é nalguns aspetos excessivo, como se estivéssemos perante um direito absoluto, uma liberdade ilimitada, de teor individualista extremo. Mas também assistimos recentemente a graves afrontas a essa liberdade noutros âmbitos, afrontas que pareceriam impensáveis.

JMJ: Discutem-se os milhões, mas não se ouvem os próprios jovens

JMJ: Discutem-se os milhões, mas não se ouvem os próprios jovens

Gostava que se falasse, a partir dos jovens, da exorbitância dos custos do palco para a Jornada Mundial da Juventude de 2023. E gostava também que os jovens fossem ouvidos a este respeito. É que, num país com escassas políticas para a infância e a juventude, parece-me ofensivo, e até obsceno, os montantes que têm vindo a lume.

Um grande equívoco

Um grande equívoco

O recente debate sobre o palco da Jornada Mundial da Juventude mostrou o que de pior existe na nossa sociedade: inveja, mediocridade e incapacidade de fazer. Quase todos ficaram mal na fotografia.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Já não somos livres?

Já não somos livres?

O título deste pequeno artigo é uma pergunta que me coloco muitas vezes a propósito de variados acontecimentos. Contrariamente ao que é habitual, este ano decidimos fazer uma viagem grande em Janeiro e, por isso, só à distância me fui apercebendo de alguns factos, se assim se pode dizer, nacionais, honra seja feita às novas tecnologias que nos enviam jornais e revistas em tempo útil, porque escolho não ter redes sociais.

O cristianismo resiste

O cristianismo resiste

Expomos neste artigo a dispersão das crenças religiosas dos portugueses nos últimos 120 anos, baseados nos censos da população, publicados pelo Instituto Nacional de Estatística no dia 23 de Novembro de 2022.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Não esqueço de modo nenhum o tempo de companheirismo de ano e de turma, desde a idade dos 14/15 anos, no seminário de Almada prolongando-se depois pelo dos Olivais, ao todo num período de nove anos. O Luís evidenciava-se pela inteligência, sem nunca fazer disso pedestal para sobressair; sempre a cumplicidade alegre, brincalhona e solidária com todos os colegas. E assim foi crescendo, evidenciando-se sempre sem nunca deixar de ser o mesmo.

Eutanásia numa sociedade pluralista

Eutanásia numa sociedade pluralista

A eutanásia nada mais é do que o cumprimento da vontade soberana do indivíduo de querer pôr termo a uma vida que, pelas mais variadas razões, considera destituída de sentido. A legalização da eutanásia revela tão-só o respeito do Estado pela autonomia individual e a garantia de que o indivíduo terá todo o apoio necessário para que a sua vontade soberana se possa cumprir.

Os meus livros também

Os meus livros também

… são para mim motivo de cuidados. Por razões de espaço e, como diz a minha mulher, por estar a criar problemas aos meus filhos: que farão, depois, dos meus livros? O que quiserem, é claro. Já tive de dar, com gosto e desgosto, muitos deles. Mas o maior dos meus problemas, quanto aos livros, é que já não terei tempo para ler aqueles que tenho mesmo de ler.

A deficiência não é castigo, é uma manifestação da diversidade

A deficiência não é castigo, é uma manifestação da diversidade

A deficiência não é castigo, é uma manifestação da diversidade humana. É desafiante para os seus próximos e para a sociedade: o desafio do cuidado e da atenção às necessidades uns dos outros. Desinstala-nos das maneiras de fazer habituais “para o cidadão médio” exigindo criatividade no repensar na organização da sociedade para que todos tenham lugar.

Transumanismo

Transumanismo

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Um estrado de 5 milhões de pregos

Um estrado de 5 milhões de pregos

Sejamos brutos, porque é preciso, mas justos, porque devemos ser sempre justos: é preciso ser absolutamente cego, insensível, insensato e outras coisas que ultrapassam “bruto” para permitir um estrado de 5 milhões de euros (fora derrapagens, por certo) para servir de altar papal da Jornada Mundial da Juventude, cujas mais valias evangélicas alguém um dia deveria provar (terão notado que eu escrevi evangélicas, não me referia às outras mais valias, obrigadinho pela atenção).

Azul e verde a Sul: Yakushima

À procura de Sentido em Terras do Sol Nascente: Japão (4)

Azul e verde a Sul: Yakushima

Antes da ilha de Okinawa, chegáramos de avião ao pequeno aeroporto de Yakushima e deparámo-nos com uma ilha paradisíaca, muito montanhosa, apelidada de Ilha da Vida ou Ilha Encantada. Em japonês a palavra shima quer dizer ilha. Trata-se de uma ilha em forma de pentágono (bastante diferente das outras, em geral ilhas longas e estreitas), com uma área de cerca de 500 quilómetros quadrados. 

A porta aberta e a mesa posta: uma comunidade que celebra a Fé

A porta aberta e a mesa posta: uma comunidade que celebra a Fé

Ao Domingo, pelas onze horas, cerca de 300 pessoas, isoladas ou em família, sobem a rampa do Mosteiro para a celebração da eucaristia, o encontro semanal da Comunidade e centro da sua vida religiosa. Uns, vão a pé. São os que residem nas imediações e para quem o Mosteiro da Serra do Pilar (Gaia) sempre foi uma referência; para muitos a casa onde brincaram, cresceram, fizeram amigos, abriram horizontes e aprenderam a Fé.

O presbítero que “soprava” a centelha divina que existe em cada um de nós

O presbítero que “soprava” a centelha divina que existe em cada um de nós

Lembro-me de uma das primeiras grandes lutas: “missas de casamentos, funerais, e baptizados” eram fontes de receitas da irmandade que então administrava o Mosteiro da Serra do Pilar. E da clara mensagem do Arlindo, tão revolucionária à época: “Os sacramentos são para se dar; não são para se vender.” De facto, nunca, na Comunidade Cristã da Serra do Pilar que então nascia, se levou ou aceitou dinheiro por uma celebração, fosse ela qual fosse.

Luta pelo clima: da sobrevivência à vivência

Luta pelo clima: da sobrevivência à vivência

Temos assistido nos últimos tempos a várias manifestações de jovens exigindo decisões urgentes que conduzam a alterações que permitam a sustentabilidade do planeta – o mesmo será dizer a nossa sobrevivência. Ainda bem que os jovens saem à rua, se manifestam e não têm receio de sofrer as consequências. Esta luta é deles, mas também de todos nós. Tanto mais que este é o legado que nós lhes deixamos, embora também eles sejam o que são porque filhos desse mesmo legado.

Como as árvores

Como as árvores

Tudo vem do planeta, da terra ou do mar, seja madeira, alimentação, pedra e metais, petróleo e gás. E mesmo as substâncias compostas, manipuladas pela mão do homem, partem do que a Natureza oferece, o que aumenta a nossa responsabilidade pelo equilíbrio do planeta e nos obriga a uma economia sustentável e a uma mordomia responsável pela sua preservação.

O Irão em brasa: A brutal repressão aos protestos

O Irão em brasa: A brutal repressão aos protestos

Não há dia que não cheguem notícias relativas ao grande e antigo país que é o Irão. As ruas das cidades desde há largas semanas que têm sido palco de multidões de manifestantes a clamarem por liberdade. Aos apelos dos iranianos, o governo religioso autocrático do Irão tem respondido com uma desmesurada e sangrenta violência, chegando a condenar à morte alguns manifestantes.

Arlindo

Arlindo

Conheci o presbítero Arlindo numa celebração da Vigília Pascal. Fui com um amigo que me convidou. Tinha 18 anos e fiquei fascinada com a intensidade celebrativa da comunidade da Serra do Pilar e a beleza derramada em luz e canto. Integrei essa comunidade e lá permaneci por longos anos. Com o Arlindo aprendi a viver a graça de cada momento, a alegria na simplicidade, partilha e acolhimento mútuo. Aprendi a aprofundar as razões da minha fé e a questionar as “verdades” estabelecidas.

Bento XVI, a marca da Esperança

Bento XVI, a marca da Esperança

Em lugar da simplificação tão repetida centrada num perfil conservador, temos de entender que, ao longo do seu percurso teológico e pastoral, o Papa Bento XVI foi uma figura de paradoxos virtuosos. E tais paradoxos correspondem a uma articulação futurante entre a compreensão das raízes culturais e históricas da tradição e a perceção crítica da modernidade.

O papel da Lógica na Teologia

O papel da Lógica na Teologia

Nas palavras do filósofo Jc Beall, “a teologia cristã é uma teoria de Deus”. Ora, quando se constrói uma teoria de Deus (ou seja, uma teologia), começa-se por adicionar algumas verdades ou axiomas sobre Deus como, por exemplo, que Deus é trinitário, que Jesus Cristo é simultaneamente divino e humano, que Deus é omnipotente, entre outros.

Orlas temporais

Orlas temporais

Tempo de mudança e novo ano é um tempo panorâmico entre extremos. Um tempo de olhar em volta, para o que ficou atrás e para o possível que se adivinha em frente. São dias em torno da transição, um limbo entre o fim de ano que espera o futuro e o princípio de ano que se volta para admirar o passado.

Lei natural ou liberdade responsável?

Lei natural ou liberdade responsável?

A aceitação da legitimidade moral das relações homoafetivas não é nenhum protesto contra as relações heterossexuais ou contra o casamento tradicional. Quem tal afirma está simplesmente a desviar a atenção do ponto essencial: a urgência da aceitação da homossexualidade como uma das formas com que a sexualidade humana se manifesta, sem exclusões nem restrições indevidas.

O ano aceitável do Senhor

O ano aceitável do Senhor

Ao longo dos séculos, a Igreja [cristã] tem conseguido, de uma maneira ou outra, levar a cabo essa importantíssima tarefa que é a de ser agente transformadora da sociedade na qual está inserida. Mesmo em muitas das nossas sociedades modernas e secularizadas, ainda persistem assimetrias sociais gritantes. Importaria recuperar cada vez mais essa voz profética da Igreja que, além de denunciar as injustiças sociais, também proporcione esperança, libertação e cura para muitos dos males que nos assolam nos dias de hoje.

Três ideias evolucionárias de Bento XVI

Três ideias evolucionárias de Bento XVI

Ao ler as primeiras palavras e títulos das notícias após a morte de Bento XVI, fez-me muita impressão como o traço mais marcado da pessoa – o seu pensamento evolucionário – ficou ocultado pelo sensacionalismo despertado pelo entretenimento fácil que os escândalos na Igreja Católica suscitam no insaciável desejo pelo melhor sensacionalismo que adormenta as mentes.

Saber esperar

Saber esperar

A evolução necessária para uma vida mais plena, livre, consciente, vasta e frutífera, exige que façamos da insatisfação um caminho. Há que abraçá-la como o motor mesmo da nossa evolução e realização própria, de tal maneira que, em obediência à própria dinâmica da nossa vocação para ser e para o Ser, saibamos esquecer continuamente o que está para trás e avançar sempre para diante.

Quando o abusador processa a vítima

Quando o abusador processa a vítima

A comunidade religiosa das Testemunhas de Jeová na Espanha pôs em tribunal uma associação que visa representar ex-membros dessa religião que se sentem vítimas das suas práticas religiosas, em especial, pelo ostracismo ou morte social praticados contra os ex-membros e regras internas que têm promovido o encobrimento de casos de abuso sexual de crianças.

Terá a comunidade LGBT lugar na Igreja Católica?

Terá a comunidade LGBT lugar na Igreja Católica?

A recente leitura do estimulante livro de James Martin, Construindo uma Ponte, aumentou em mim a convicção de que há muito caminho a fazer no contexto da Igreja Católica quanto aos direitos das pessoas LGBT, tal como também em relação aos direitos das mulheres.

Uma vida de serviço inteligente à Igreja

Bento XVI

Uma vida de serviço inteligente à Igreja

As últimas palavras de Joseph Ratzinger, na língua materna alemã, “Jesus, eu te amo” representam o essencial do seu discurso teológico, iluminam o núcleo da sua dedicação ao serviço do Evangelho, constituem a força das suas decisões, sobretudo a de renunciar ao papado.

O menino que não se cansa de nascer

O menino que não se cansa de nascer

Este menino não se cansa de nascer porque em todas as peripécias da vida se foi unindo cada vez mais profundamente ao mistério de Deus. Porém, Deus não é um mistério: Deus é o mistério. O Homem é um mistério, o Universo um mistério… porque “se movem e existem” dentro de o mistério. E o menino de hoje aprendeu a saborear em tudo esse único e total mistério: na dor e prazer, tristeza e alegria, vida e morte e, sobretudo, na inquietante e inextrincável questão do Bem e do Mal.

Do Natal ao Dia da Paz

Do Natal ao Dia da Paz

O caminho para a construção de um plano integrado para a Sustentabilidade Total norteada pela Ecologia Integral, como atrás referido, nas comunidades em que nos integramos, será bem sucedido na medida em que for bem sucedida a coordenação e harmonização intercomunitária fraternalmente conduzidas.

Finalmente despertos – doença mental e estigma

Finalmente despertos – doença mental e estigma

Por vezes temos dificuldade em usar palavras simples, mas são elas que traduzem o que nos preenche e nos ajuda a ser felizes. Falo da esperança, que é a confiança em algo melhor, ou seja, a relação mais saudável que podemos ter com esse tempo do nosso tempo chamado futuro.

S. Paulo nos dias de hoje

S. Paulo nos dias de hoje

Metamorfose Necessária – Reler S. Paulo de José Tolentino Mendonça (Quetzal, 2022) é um livro oportuno para esta quadra de Natal como leitura utilíssima. Através de Paulo, podemos entender melhor a essência da Epifania, representada metaforicamente na presença dos Magos no presépio, mas só compreensível através do fundamental encontro na Estrada de Damasco.

Quioto, finalmente!

À procura de Sentido em Terras do Sol Nascente: Japão (2)

Quioto, finalmente!

Não posso deixar de sugerir o haiku japonês em epígrafe. Sabemos que o haiku remonta à forma clássica da poesia japonesa; é um poema curto, em geral de 17 sílabas. A tradição consistia em que vários poetas se reuniam e compunham poemas em conjunto. Muito belo, muito ao jeito de uma das características culturais japonesas, a vida de grupo. E estivemos no Japão em pleno outono.

Voluntários no mundo – ‘És meu irmão amigo, és meu irmão’

Voluntários no mundo – ‘És meu irmão amigo, és meu irmão’

Na sua forma mais simples, que até uma criança entende, ser solidário começa assim, neste imaginar-se na condição do outro, neste entender a sua dor, mesmo que não se saiba que a isso se chama empatia. Para uma criança, bastará. Mas à medida que crescemos, crescem as dores do mundo, e vamos percebendo que não basta a nossa empatia para as sossegar, muito menos para as curar. É preciso ação. E é neste sentido de urgência que emerge o voluntariado como uma das formas mais nobres e mais belas de expressar a nossa humanidade, de sermos verdadeiramente irmãos do Outro.

“Homem e Mulher os criaste à Tua imagem”

“Homem e Mulher os criaste à Tua imagem”

Antes de mais, sinto que tive a graça de crescer numa família cristã, numa paróquia (Padrão da Légua) onde o anúncio da Palavra gerava vida, vida comunitária e na liberdade dos filhos de Deus. Desde cedo, percebi que o batismo recebido em criança tinha de ser assumido e vivido no dia-a-dia, como filha muito amada e criada à imagem de Deus.

Natal: a celebração de uma contradição

Natal: a celebração de uma contradição

Aparentemente os cristãos acreditam em doutrinas logicamente inconsistentes e contraditórias. Por exemplo, no Natal os cristãos celebram a encarnação. Mas será essa uma doutrina consistente do ponto de vista lógico? Parece que não, pois ao celebrarem o Natal os cristãos proclamam que Jesus Cristo é essencialmente o Deus omnipotente e omnisciente que, como todos os humanos, exemplifica essencialmente a natureza humana com as suas inúmeras limitações, incluindo o poder e conhecimento imperfeito, a compreensão imperfeita, etc. Assim, a contradição é vívida.

A Quaresma de Natal e o Advento na Igreja Ortodoxa

A Quaresma de Natal e o Advento na Igreja Ortodoxa

Na ortodoxia, o período de preparação para a Natividade do Senhor é conhecido por Quaresma de Natal; este ano, iniciou-se no passado dia 28 de Novembro do calendário gregoriano (15 de Novembro no calendário juliano) e prolonga-se até 6 de Janeiro (24 de Dezembro).

Estás de esperanças?

Estás de esperanças?

Oferece a cidade parábolas para entender o tempo presente? Sim, muitas. São como sinais a ler, e a reler, para nos lermos. Se andarmos atentos como Jesus à sua quotidianidade, as parábolas hão de saltar para os olhos e os ouvidos a cumprir a atenção, o estilo de vida em espera incessante.

Natal e dignidade

Natal e dignidade

Deus surge no palco da História de forma singular. Ele não apenas providenciou Salvação para a humanidade, mas o nascimento de Jesus é em si mesmo um acto de dignificação da família humana em diversas dimensões.

Missão: resgate do Natal

Missão: resgate do Natal

Natal! Esta é uma das épocas mais emblemáticas dos países cristãos. É sem dúvida um tempo de grande relevância! Sem Jesus não haveria esta festividade. Como este Homem marcou o mundo! Entre muitos homens e mulheres que se destacam pelos seus feitos, nenhum se compara a Jesus Cristo, nascido em Belém. Jesus é singular por continuar a fazer história neste mundo e talvez seja por isso que continua haver muita controvérsia à volta da sua Pessoa.

Adultos. Com A grande, sff. (II)

Adultos. Com A grande, sff. (II)

O primeiro propósito deste texto está cumprido: citar os Capitão Fausto. Não garanto que cumpra o segundo, ou seja, perceber como olhamos hoje para a idade adulta no chamado Ocidente.

Cristãos e finanças

Cristãos e finanças

    Diz o famoso poema de Fernando Pessoa que Jesus Cristo não percebia nada de finanças. Mas o recente documento da Academia Pontifícia das Ciências Sociais Mensuram Bonum (uma alusão àquela “medida transbordante” que o Evangelho promete a quem dá...

Perdoar: gesto de inclusão

Perdoar: gesto de inclusão

Perdoar nunca é fácil, pois exige a humildade de nos desnudarmos da roupagem que ao longo da vida vamos vestindo e de nos olharmos naquilo que realmente somos.

A “ideologia de género”, ou como deitar achas para a fogueira da direita radical

A “ideologia de género”, ou como deitar achas para a fogueira da direita radical

Como é sabido, o berço da expressão “ideologia de género” encontra-se na documentação do Vaticano. Por diversos motivos, não sendo os de menor importância uma reação a documentos e diretivas das Nações Unidas, da União Europeia e de diversos países relativas aos direitos das mulheres (nomeadamente, no que diz respeito aos direitos reprodutivos e à igualdade de oportunidades) e, mais recentemente, no que diz respeito aos direitos de pessoas LGBTQ (nomeadamente, casamento entre pessoas do mesmo sexo e adopção por casais do mesmo sexo).

O milagre de um segundo Sol

O milagre de um segundo Sol

Os olhos do mundo voltam-se para o Laboratório Nacional Lawrence Livermore nos EUA onde os cientistas conseguiram, pela primeira vez na história humana, a ignição por fusão nuclear, o mesmo tipo de energia que existe no nosso Sol. É o milagre de um segundo Sol com uma energia limpa no sentido de ser segura, produção residual de lixo radioactivo de curta duração; ou seja, um dia, um copo de água pode fornecer energia a uma casa durante um ano. Mas da prova de conceito ao fornecimento comercial deste tipo de energia podemos ter de esperar ainda algumas décadas. Décadas que não temos.

Espero por ti… espero em ti

Espero por ti… espero em ti

O meu tempo de Advento tem sido marcado pela Esperança… esta palavra tem estado presente nas nossas conversas e orações comunitárias, no que vou rezando e lendo. Ultimamente reparo também que viver com esperança é um desejo de muitos, o que, na verdade, não é novo. Todos os anos, neste tempo, esperamos…

Porque choraste, Papa Francisco?

Porque choraste, Papa Francisco?

Nunca tinha visto um Papa chorar, convulsivamente, em público nem em privado. As pessoas importantes, ou mesmo as ditas figuras públicas, são obrigadas a guardar os seus sentimentos mais dolorosos para os seus domínios privados. A atual pessoa mais notável da Igreja Católica chorou rodeada por uma multidão. Só pessoas com corações empedernidos não se sensibilizaram.

Japão: À procura de Sentido em Terras do Sol Nascente

Japão: À procura de Sentido em Terras do Sol Nascente

Fui brindada, sem qualquer expectativa de que tal me pudesse acontecer, com uma visita de estudo a creches e jardins de infância no Japão, sobretudo de alguns edifícios construídos de raiz (ou adaptados) pelo famoso arquiteto Takaharu Tezuca. Partilho uma experiência que foi uma lição de vida, diria mesmo uma espécie de “peregrinação”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

Desarmar-se

Desarmar-se

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver. É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This