Entre o som e o silêncio: Terras sem Sombra estreia-se em Reguengos de Monsaraz

| 21 Fev 19 | Cultura e artes, Destaques, Música, Últimas

A edição deste ano do Festival Terras sem Sombra passa pela primeira vez por Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, no próximo fim-de-semana, 23 e 24 de Fevereiro, fazendo ecoar em pleno coração do Alentejo um dos mais reputados ensembles de música de câmara da atualidade, lançando um olhar sobre a estética das justiças divina e humana e propondo uma leitura da paisagem da região.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da lagoa, em Monsaraz, onde se realiza o concerto (Foto: Direitos reservados)

O concerto do Trio Arbós na vila medieval de Monsaraz inaugura a Mostra Espanha 2019, o grande ciclo de eventos de cultura do país vizinho em Portugal, fruto da colaboração bilateral luso-espanhola. Um acto que soa como uma espécie de celebração do alargamento do Terras sem Sombra a território espanhol, já que esta é uma das novidades da 15ª edição do festival itinerante do Alentejo que une, ao longo de seis meses – de Janeiro a Julho – a música, o património cultural e a biodiversidade, passando por onze localidades alentejanas e duas da Extremadura espanhola: Valência de Alcântara e Olivença.

Aos sons da música tardo-romântica, juntam-se os matizes da pintura mural do tempo de D. Manuel I, e uma interpretação das paisagens serenas de um concelho ímpar, banhado pelas águas do grande lago do Alqueva.

 

A exaltação da música de câmara

Trio Arbós (Foto: Direitos reservados)

 

A igreja matriz de Nossa Senhora da Lagoa, em Monsaraz, acolhe no sábado, 23, às 21h30, o concerto A Ordem Natural das Coisas: Música Espanhola e Portuguesa dos Finais do Século XIX, pelo Trío Arbós. O grupo madrileno nasceu em 1996, tem o nome do violinista, maestro e compositor espanhol Enrique Fernández Arbós (1863-1939), o seu repertório estende-se dos autores clássicos e românticos até à contemporaneidade. Residente, desde 2005, do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, foi galardoado, em 2013, com o Prémio Nacional de Música de Espanha, e é considerado um dos mais reputados ensembles de câmara europeus.

Mestres da música tardo-romântica, a violinista Cecilia Bercovich, o violoncelista José Miguel Gómez e o pianista Juan Carlos Garvayo interpretam um repertório composto por obras de Felipe Pedrell (1841-1922), Joaquín Malats (1872-1912) e Enrique Granados(1867-1916). A seleção musical conta ainda com a junção de três fados de Alexandre Rey Colaço, transcritos especialmente para trio por Garvayo. Filho de mãe espanhola e pai francês, mas com raízes portuguesas, Rey Colaço nasceu em Tânger, em 1854, e morreu em Lisboa, em 1928. A sua obra é um testemunho da intensa ligação entre músicos portugueses e espanhóis na transição do século XIX para o XX, servindo de inspiração para um concerto que torna patente como, aos olhos da sensibilidade artística dessa época, a música de câmara era um modelo ideal de como o ser humano pode contribuir para o bem comum.

 

 

Um olhar sobre o fresco do Bom e do Mau Juiz

 

Em 1958, foi descoberta no antigo tribunal de Monsaraz, atualmente museu, uma invulgar pintura a fresco datada de finais do século XV, uma obra-prima da arte tardo-gótica, que evoca, em forma de alegoria, as Justiças Divina e Humana.

Na parte cimeira, apresenta a figura de Cristo em majestade, supremo juiz, assente no globo terrestre com a inscrição (E)VROPAe ladeado por profetas e anjos músicos, indicando o Alfae o Ómega, simbolizando respetivamente o Princípio e o Fim dos Tempos. Na secção inferior e principal retrata as figuras do Bom e do Mau Juiz, sentados nas respetivas cátedras e acompanhados por figuras comuns de um julgamento civil – os escrivães. Enquanto o primeiro segura a vara recta da justiça e, enquadrado por anjos que apontam para o Alto, olha serenamente para diante, o outro tem duplo rosto e a vara da justiça quebrada. As figuras que encimam as cadeiras do Bom e do Mau Juiz são a Misericórdia no juiz íntegro e a perversão expressa na cabeça de um demónio no juiz corrupto.

Esta obra-prima é o ponto de partida para uma visita ao Museu do Fresco e para uma conversa em torno do mote O Bom e o Mau Juiz: Alegorias da Justiça na Audiência de Monsaraz, que terá lugar no sábado, a partir das 15h00. A visita será guiada pela historiadora Ana Paula Amendoeira, directora regional de Cultura do Alentejo, e pela conservadora-restauradora Milene Gil, do Laboratório Hércules, que coordenou a recente intervenção desta estrutura da Universidade de Évora na composição mural de Monsaraz.

 

 

A metamorfose paisagística e as águas do Grande Lago

 

A manhã de domingo, 24, será consagrada, a partir das 9h30, à interpretação da paisagem do município. Esta actividade, subordinada ao tema Interpretar a Paisagem: Reguengos de Monsaraz e o seu Hinterland, decorrerá sob a orientação de dois geógrafos: Teresa Pinto Correia e José Muñoz-Rojas. O ponto de encontro é nas portas da vila, em Monsaraz. 

A iniciativa pretende explicar as principais mudanças que o panorama do concelho tem sofrido nas últimas décadas nas áreas da vinha, do olival e, complementarmente, com o impacto da albufeira do lago Alqueva – a maior massa artificial de água na Europa.

Todas as atividades, organizadas em parceria com o Município de Reguengos de Monsaraz, são de acesso gratuito e sem inscrição prévia.

 

Um festival feito de viagem

O Terras sem Sombra, que viaja pelo território alentejano (e que, este ano, se estende além dele), passará, nas próximas semanas, por Valência de Alcântara e Olivença (na Extremadura espanhola), Beja, Elvas, Cuba, Ferreira do Alentejo, Odemira, Barrancos, Santiago do Cacém e Sines.

Sobre a Terra, Sobre o Mar – Viagem e Viagens na Músicaé o mote da edição deste ano, naqual se celebram os 550 anos do nascimento do sineense Vasco da Gama e os 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães.

Ainda antes do início oficial, o festival – que tem como país convidado os Estados Unidos da América –foi apresentado em Washington, a 14 de Janeiro, no Kennedy Center, com uma atuação de cante alentejano pelo Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento.

O Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento, na chancelaria da embaixada portuguesa em Washington (Estados Unidos), a 14 de Janeiro: uma pré-abertura do festival alentejano em terras da América (Foto: Direitos reservados).

 

O Terras sem Sombra, que já passou por Serpa (8 e 9 de Fevereiro), começou em território nacional a 26 de Janeiro, na Igreja Matriz de São Cucufate, em Vila de Frades (Vidigueira), com o concerto do Spelman College Glee Club, do estado da Geórgia – de onde virá o consagrado Kronos Quartet para protagonizar o concerto de encerramento, no fim-de-semana de 6 e 7 de Julho, em Sines.

Ao todo são 13 fins-de-semana distintos, cada um numa localidade diferente, e quase 50 atividades, entre concertos, conferências, visitas ao património e ações de salvaguarda da biodiversidade. Afirmar o Alentejo enquanto destino privilegiado de arte e natureza é o grande objectivo da iniciativa, cuja organização é da Associação Pedra Angular.

Até ao primeiro fim-de-semana de Julho, ouvir-se-á todo um mundo de sons, do século XV ao século XXI. Desvendar-se-ão os monumentos e paisagens megalíticos em Valência de Alcântara (9 de Março); aprofundar-se-ão as raízes portuguesas em Olivença (23 de Março); seguir-se-á a rota antiga dos pastores em Beja (7 de Abril); descobrir-se-á o património material da arte popular e da arte contemporânea que coexistem em Elvas (27 de Abril); conhecer-se-á o escritor Fialho de Almeida, natural de Cuba (4 de Maio); descobrir-se-á a villaromana do Monte da Chaminé em Ferreira do Alentejo (11 de Maio); contar-se-ão as histórias de São Martinho das Amoreiras, em Odemira (25 de Maio); observar-se-ão as constelações no cristalino céu nocturno de Barrancos, enquanto se contam as lendas locais a elas associadas (8 de Junho); visitar-se-á o Palácio da Carreira em Santiago do Cacém (22 de Junho) e o Farol do Cabo de Sines (6 de Julho).

Mais informações sobre o festival, incluindo a programação completa, estão disponíveis aqui.

Artigos relacionados

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

O quarto de brinquedos que é espelho do mundo

Toy Story/4 é uma metáfora da Humanidade que vale a pena ver devagar. Foram vários os críticos que não tiveram pudor em enunciar todas as lições de vida que tinham aprendido com este(s) filme(s).

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evoca o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Fale connosco