“Entre-Tanto somos símbolos e habitamos símbolos”

| 25 Mar 19 | Cultura e artes, Espiritualidades, Newsletter, Últimas

O cenário e o solo em que nos vamos formando desde esses primeiros anos que o tempo se encarrega de remeter para os recantos de penumbra da nossa memória, é singular, único até.

Longe vão os tempos, pelo menos para quem vive num paradigma cultural ocidental, em que um ou dois livros formavam gerações. Penso, por exemplo, no caso de alguém que nasceu em 1564 em Stratford-upon-Avon, e que foi formado pela Bíbliae pelos clássicos gregos e romanos.

Refiro-me a Shakespeare, como é óbvio.

Há muito que os nossos paradigmas educativos perderam um núcleo formativo transversal aos vários grupos sociais, como sucedia na minha remota “instrução primária”. Com efeito, hoje em dia, decorrente da ausência de um centro, esse núcleo formativo, radicalmente individual, pode ser desvendado em vozestão excêntricas como as de… um boneco de borracha.

Esclareço.

Referiu um dia George Lucas que alguém lhe confidenciara ter encontrado respostas para as suas inquietações existenciais nas palavras do Mestre… Yoda.

Serve este prólogo para esclarecer que o meu núcleo formativo, inicialmente devedor dos livros de leiturada “instrução primária”, foi modulado pelas lentes anglo-saxónicas, com tudo o que estas em si encerram de matizes no seio do protestantismo, como as fascinantes modelações puritanas.

Daí que amiúde me aproxime de solos estranhos a essas lentes através de subtilezas e analogias que elas me ensinaram a desvendar. Penso, por exemplo, nos diagnósticos formulados em ensaios do americano Ralph Waldo Emerson e do irlandês William Desmond, e na poesia de Walt Whitman, que, de imediato, reconheciem meditações teológicas de um… jesuíta português.

Refiro-me a essa fascinante obra que é Entre-Tanto, de José Frazão Correia sj.

Ora, uma das coisas que os anglo-saxónicos me ensinaram foi o chamado método indirecto. Por isso, ainda antes de sinalizar aquelas presenças, comecemos por antever alguns sintomas, como o título desta mesma obra: Entre-tanto. Não Entretanto, mas Entre-tanto. Um hífen cortava a palavra em duas, decompunha-a, para logo a recompor. Evidenciava que o tempo, o instante entre um antes e um depois, coexistia com um lugar, entre-tantoou no meio de tanto, ou no seio de tantoou algures no tanto, não necessariamente no centro, talvez nas margens, na fronteira, mas sempre algures no tanto, dentro do tanto.

Na verdade, a pedagogia desta obra inicia-se no título que, na esteira do conceito de in-betweenes, de William Desmond, indicia um método de escrita e de reflexão sobre a palavra (escolhida), sobre a sua etimologia, sobre as marcas do tempo que encerra.

Daí a necessária atenção aos itálicos, ao seu agoncom o tipo de letra normal, aos hífens: o entre-ver, o pressentir, o entre-o-Tanto. Ao desmembrar a palavra, é um véu que se ergue.

E assim recordo Emerson que proclamou ser a linguagem poesia fóssil.

Com efeito, o teólogo perturba o leitor quando lhe exige que se assuma como hermeneuta que deve desvendar a prosa do mundo – eco do Foucault de as palavras e as coisas-, e como arqueólogo em busca do sentido no tempo.

Mas não é apenas isso. Se o fosse, estaríamos confinados ao exercício semiológico. A importância que um qualquer signo pode assumir na nossa compreensão do real, lembra aqui Whitman quando, em “Canto de mim mesmo”, proclama: “Nem uma polegada, nem um fragmento de uma polegada, é impuro”. Ora, Frazão Correia sj revê e amplia esta ideia ao escrever: “cada porção de espaço e de cada fragmento de tempo sabe fazer um acontecimento de graça”.

A recusa da impureza é, recorde-se, uma asserção que indicia as tensões teológicas dos Estados Unidos de meados do século XIX, quando o carácter operativo de um puritanismo tardio era questionado.

Poeta e teólogo convergem, deste modo, nesta percepção da existência. Uma vez mais isso parece ocorrer quando o teólogo recorda que “somos seres de palavras que se exprimem por palavras”, algo que de novo me faz regressar ao pensador de Concord: “somos símbolos e habitamos símbolos.”

Entre-tanto – A difícil bênção da vida e da fé, de José Frazão Correia; Ed. Paulinas, 192 pág.s, € 12,99 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco