Entre uma leitura literal e progressiva dos textos bíblicos

| 17 Ago 2021

Velha Senhora a Ler

“Podemos confiar e apoiar-nos numa leitura literal dos textos bíblicos?” Gerard Dou, Old Woman Reading (Velha senhora a ler), pormenor, c. 1631-32. Rijksmuseum, Amesterdão.

Uma pesquisa levada a cabo pela Gallup em 2017 revela que menos de um quarto dos norte-americanos interpretam a Bíblia literalmente, sendo esta a primeira vez em quarenta anos que, os que adotam a leitura literal dos textos bíblicos, foram ultrapassados pelos que acham que a Bíblia é “um livro de fábulas, lendas, história e preceitos morais registados pelo homem”. Enquanto isso, a outra metade dos americanos – uma proporção praticamente inalterada ao longo dos anos – assume uma posição intermediária, afirmando que a Bíblia é inspirada por Deus, mas que nem tudo deve ser interpretado literalmente.

A Bíblia é o livro mais traduzido de todos os tempos, sendo normativo em matéria de fé e prática para judeus e cristãos. Na verdade, não é um livro, mas um conjunto de livros escritos em hebraico, aramaico e grego por diversos autores ao longo de aproximadamente quinze séculos. Podemos desde já afirmar que as próprias escrituras, dada a variedade de estilos literários que a compõem, impelem forçosamente para uma variedade de metodologias interpretativas. Textos escritos em forma poética devem ser interpretados de maneira diferente de textos contendo relatos históricos. O mesmo se deve dizer de livros proféticos ou apocalípticos, que remetem mais para o simbolismo, muitas vezes de interpretação difícil e obscura. Os próprios evangelhos, não sendo propriamente biografias de Jesus, carecem igualmente de preparação de leitura atendendo tanto ao seu contexto sociológico e cultural como à sua morfologia e significado do texto.

O método literal, ou histórico-gramatical como alguns o definem, procura essencialmente descobrir objetivamente a intenção do autor. Tendo em conta o contexto cultural, histórico e literário do texto, esforça-se por aceder ao significado do texto como o foi para o seu público original baseando-se na análise do estilo gramatical.

Um dos grandes limites do uso da leitura literal dos textos, além de muitas vezes assumir os mesmos como plenamente autoritários e infalíveis (segundo algumas correntes dogmáticas, as escrituras foram ditadas, ipsis verbis, pelo próprio Deus), advoga-se que os mesmos tenham significado evidente e aplicabilidade universal, algo que por vezes colide com a nossa cultura contemporânea. Será que, eticamente falando, à luz da Declaração Universal dos Direitos Humanos que ainda se possa advogar e aplicar a pena de morte a qualquer ser humano com base em leituras literalistas de livros do Antigo Testamento? Será ainda aceitável a imposição de uma cultura patriarcal nos dias de hoje, onde a mulher ainda é “obrigada” a submeter-se aos seus maridos e onde até o exercício de certos dons no seio da Igreja lhe sejam muitas vezes negados? Será ainda igualmente aceitável que seja negada a plena comunhão na Igreja a pessoas que se assumem com orientação sexual diferente da norma?

Posto isto, podemos então confiar e apoiar-nos numa leitura literal dos textos bíblicos? Como a poderemos ler nestes tempos pós-modernos, onde muita da cultura e ética bíblica entra em choque com a nossa? Para muitos, o que é visto como ataque à autoridade bíblica, à Palavra de Deus, poderá ser um novo ponto de partida e convite a novas e infinitas leituras. Conforme aponta José Tolentino Mendonça no seu livro A Leitura Infinita: A Bíblia e a sua Interpretação: “os comentadores judeus do Antigo Testamento estavam convictos que para cada passo da Torá existiriam 49 possibilidades de interpretação. Quarenta e nove é o resultado da multiplicação de sete por sete, e sete é o símbolo do infinito. Por isso, a própria leitura da Bíblia pressupõe sempre uma hipótese de infinito.”

Talvez, ao invés de se lerem os textos bíblicos literalmente, duma maneira rigorosa e inerrante, os devêssemos ler como Jesus o fazia, com uma hermenêutica aberta, circunstancial e que aponta primariamente para o amor. Após quase dois mil anos de cristianismo, será este o tempo oportuno para que se deixe de lado uma fé que persiste por vezes ainda numa fase infantilizada e assente em leituras rígidas dos textos bíblicos, para essa maturidade que Deus deseja que alcancemos até à sua culminação e imagem do Seu filho Jesus, que é a derradeira e perfeita Palavra de Deus.

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This