Entrevista… entre vistas… entre olhares

| 22 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

A realização de entrevistas é sempre um desafio muito grande que os alunos encontram no contexto dos seus trabalhos académicos. Na verdade, são um desafio enorme em qualquer fase da nossa vida de investigação e ninguém pode, em rigor e com seriedade, dizer que possui “traquejo” suficiente a ponto de ignorar cuidados especiais na condução desta técnica. Para muitos alunos, o desafio reveste-se de particular intensidade porque é a primeira vez que realizam um trabalho de campo que implica a aplicação de uma das técnicas mais ricas e mais exigentes da recolha de informação. As dúvidas e os receios, antes de se aventurarem no terreno, são por isso também eles muitos e absolutamente legítimos.

Estando nesta fase alguns alunos meus a equacionar (palavra tão racional…) as vantagens e limitações de se lançarem na aventura das entrevistas, dei por mim a pensar na palavra ‘entrevista’. E ao invés de correr a buscar a sua origem etimológica (sendo fiel à curiosidade sobre a identidade das palavras que me acompanha desde os tempos de estudante do secundário), desta vez abandonei-me ao simples exercício de “brincar” com a palavra.

Vi então duas palavras distintas (e nisso até nem andarei muito longe das suas origens etimológicas…): entre vistas, ou seja, entre olhares – não no sentido de “entre ver” o outro, num jogo de véus e de sombras, mas antes no sentido de “dar-se a ver” entre outros.

Ora, o maior desafio da entrevista está precisamente nisto: no facto de estarmos, olhos nos olhos, perante alguém que se deixa ver por nós e nós por ele. Uma entrevista é, por assim dizer, uma construção a um tempo artificial (porque ocorre fora da espontaneidade do simples encontro de amigos ou de desconhecidos que aguardam o transporte público e resolvem falar das suas vidas) e a outro tempo dramática, porque ocorre sem rede, nem resetpossível, seja para quem pergunta seja para quem responde.

Daí que, enquanto entrevistadores – digo aos meus alunos – nunca devemos causar dano em quem nos olha, em quem no fundo nos confia as suas ideias, opiniões ou experiências de vida. Da mesma forma, se formos nós os entrevistados, não devemos selecionar apenas o que achamos que fica “bem” à nossa imagem, o que nos fará parecer mais inteligentes, mais coerentes, mais assertivos, ou mais o que quer que seja que a sociedade avalia como fazendo parte de “qualidades superiores”. Nisto consiste a entrevista enquanto “dar-se a ver” ao outro sem véus nem sombras. E é isto que verdadeiramente esperamos encontrar no decurso de um trabalho académico, o que não deixa de ser extremamente ambicioso e difícil. Daí que nunca sejam demais os cuidados éticos a observar na realização de uma entrevista, pois se buscamos que o outro se exponha sem véus nem sombras, temos de revelar por ele máximo respeito, e máxima gratidão pela sua partilha.

Este é o universo das entrevistas de âmbito académico, com as suas exigências metodológicas e éticas muito próprias. Contudo, são múltiplos os espaços não-académicos nos quais nem sempre a entrevista é entendida como um “dar-se a ver” aos outros sem véus nem sombras. E perante esta verificação que nada tem de revelador ou de surpreendente, não pude deixar de pensar em como, enquanto sociedade, estamos tantas vezes dispostos a aceitar como normal o que seria inadmissível no mundo académico, isto é, que a entrevista possa ser um simples “entrever” o outro entre véus e entre sombras. Não quero com isto terminar com a ideia de que o mundo académico seja eticamente superior, nada disso, mas antes que este nos obriga ao cumprimento de uma ética de entrevista que depois, enquanto sociedade, nos esquecemos (?) tantas vezes de exigir em tantos outros contextos.

 

Isabel Estrada Carvalhais é Professora associada da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, doutorada em Sociologia e candidata independente pelo Partido Socialista ao Parlamento Europeu.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O sonho de um novo humanismo… novidade

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco