Entrevista… entre vistas… entre olhares

| 22 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

A realização de entrevistas é sempre um desafio muito grande que os alunos encontram no contexto dos seus trabalhos académicos. Na verdade, são um desafio enorme em qualquer fase da nossa vida de investigação e ninguém pode, em rigor e com seriedade, dizer que possui “traquejo” suficiente a ponto de ignorar cuidados especiais na condução desta técnica. Para muitos alunos, o desafio reveste-se de particular intensidade porque é a primeira vez que realizam um trabalho de campo que implica a aplicação de uma das técnicas mais ricas e mais exigentes da recolha de informação. As dúvidas e os receios, antes de se aventurarem no terreno, são por isso também eles muitos e absolutamente legítimos.

Estando nesta fase alguns alunos meus a equacionar (palavra tão racional…) as vantagens e limitações de se lançarem na aventura das entrevistas, dei por mim a pensar na palavra ‘entrevista’. E ao invés de correr a buscar a sua origem etimológica (sendo fiel à curiosidade sobre a identidade das palavras que me acompanha desde os tempos de estudante do secundário), desta vez abandonei-me ao simples exercício de “brincar” com a palavra.

Vi então duas palavras distintas (e nisso até nem andarei muito longe das suas origens etimológicas…): entre vistas, ou seja, entre olhares – não no sentido de “entre ver” o outro, num jogo de véus e de sombras, mas antes no sentido de “dar-se a ver” entre outros.

Ora, o maior desafio da entrevista está precisamente nisto: no facto de estarmos, olhos nos olhos, perante alguém que se deixa ver por nós e nós por ele. Uma entrevista é, por assim dizer, uma construção a um tempo artificial (porque ocorre fora da espontaneidade do simples encontro de amigos ou de desconhecidos que aguardam o transporte público e resolvem falar das suas vidas) e a outro tempo dramática, porque ocorre sem rede, nem resetpossível, seja para quem pergunta seja para quem responde.

Daí que, enquanto entrevistadores – digo aos meus alunos – nunca devemos causar dano em quem nos olha, em quem no fundo nos confia as suas ideias, opiniões ou experiências de vida. Da mesma forma, se formos nós os entrevistados, não devemos selecionar apenas o que achamos que fica “bem” à nossa imagem, o que nos fará parecer mais inteligentes, mais coerentes, mais assertivos, ou mais o que quer que seja que a sociedade avalia como fazendo parte de “qualidades superiores”. Nisto consiste a entrevista enquanto “dar-se a ver” ao outro sem véus nem sombras. E é isto que verdadeiramente esperamos encontrar no decurso de um trabalho académico, o que não deixa de ser extremamente ambicioso e difícil. Daí que nunca sejam demais os cuidados éticos a observar na realização de uma entrevista, pois se buscamos que o outro se exponha sem véus nem sombras, temos de revelar por ele máximo respeito, e máxima gratidão pela sua partilha.

Este é o universo das entrevistas de âmbito académico, com as suas exigências metodológicas e éticas muito próprias. Contudo, são múltiplos os espaços não-académicos nos quais nem sempre a entrevista é entendida como um “dar-se a ver” aos outros sem véus nem sombras. E perante esta verificação que nada tem de revelador ou de surpreendente, não pude deixar de pensar em como, enquanto sociedade, estamos tantas vezes dispostos a aceitar como normal o que seria inadmissível no mundo académico, isto é, que a entrevista possa ser um simples “entrever” o outro entre véus e entre sombras. Não quero com isto terminar com a ideia de que o mundo académico seja eticamente superior, nada disso, mas antes que este nos obriga ao cumprimento de uma ética de entrevista que depois, enquanto sociedade, nos esquecemos (?) tantas vezes de exigir em tantos outros contextos.

 

Isabel Estrada Carvalhais é Professora associada da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, doutorada em Sociologia e candidata independente pelo Partido Socialista ao Parlamento Europeu.

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco