Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

| 30 Mai 20

Enzo Bianchi

Enzo Bianchi, em Trento, a 12 de Dezembro de 2013. Foto © Niccolò Caranti/Wikimedia Commons

 

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habituou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Enzo sempre disse que deixaria a direção da Comunidade de Bose, mesmo sendo fundador. Nunca vi com bons olhos tal decisão, porque o seu carisma, a sua visibilidade mediática, a sua forte personalidade, a sua “criação” (Bose), feita à sua imagem e semelhança poderiam revelar-se problemáticas na hora de se confrontar com um prior que poderia ter uma personalidade, um estilo, diferente, um projeto para a fraternidade que poderia não coincidir, nos métodos e no governo, com aquilo que o fundador sonhou para o futuro da comunidade.

Luciano Manicardi, um monge de grande espessura intelectual e espiritual, era o seu número dois e seu braço direito desde sempre. E era, naturalmente, a grande aposta de Enzo para a sucessão, que aconteceu há três anos. Parece que o estilo mais fleumático, menos mediático, menos interventivo, aparentemente mais apático e introspectivo e menos carismático na liderança terão chocado com a presença física e fantasmática de Enzo, que mesmo estando mais ausente, deliberadamente, da comunidade, não se coibia, agora como simples monge, de “ter palavra em capítulo”. A fraternidade começou, assim, a dar sinais de fratura, divisão e de mau tempo no clima fraterno.

Como aconteceu com os franciscanos, como aconteceu com os carmelitas, como se calhar é normal, porque a graça é transbordante e excessiva por natureza, a comunidade parece ter-se dividido entre os de “Enzo” e os de “Manicardi”, mas todos de Cristo.

Esta crise parece a típica reação freudiana da necessidade de matar o pai para que se possa crescer. A presença de Enzo é arrebatadora, icónica, quase cultual, demasiado mediática e amada pela elite cultural da esquerda e da Igreja progressista, pelas suas ideias sobre o Concílio Vaticano II, o ecumenismo, a presença dos cristãos e da Igreja na pòlis, o diálogo com os não-crentes e a cultura. Bose é tudo isso, que Enzo criou e acompanhou pessoalmente e quase de forma maníaca: desde a fruta e os legumes da horta, cultivados com esmero e amor, no respeito pela natureza, o cuidado extremo na preparação das refeições, do pão, das compotas, dos chás, mas também dos livros que ele cuidava como quem cuida de um horto, dos ícones, da música, do estudo rigorosíssimo da Palavra de Deus e da lectio, da liturgia divina. Tudo isso é a herança do Enzo. Tudo isso Bose herdou e elevou. Tudo isso Enzo administrou como um bom pai de família.

Mosteiro de Bose, Itália. Escultura Epiclese-Invocação, B. Martinazzi, durante a Primavera. Foto © Mosteiro de Bose.

 

Mas a velhice avança, ameaçando os olhos com a morte, e é preciso abandonar, passar o testemunho, e profeticamente conhecer a kenosis do logos… nem sempre é fácil, é humano. Mas eu acredito no Enzo, um verdadeiro cristão.

Acredito no que disse na manhã do day after do seu afastamento da comunidade, por decisão do Papa: “Nestes últimos dois anos, durante os quais estive deliberadamente mais ausente do que presente na comunidade, principalmente morando no meu eremitério, sofri por não poder continuar a dar a minha legítima contribuição como fundador. Como fundador, há mais de três anos renunciei livremente; entendo que a minha presença pode ter sido um problema, mas nunca contestei com palavras e ações a autoridade do legítimo prior, Luciano Manicardi, meu estreito colaborador por mais de vinte anos, como mestre do noviços e vice-prior da comunidade, que partilhou decisões e responsabilidades comigo em plena comunhão.

O problema é que o Decreto de 13 de maio de 2020, que tem a assinatura do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, e foi “aprovado em forma específica pelo Papa” (o que faz com que a decisão seja da sua responsabilidade) não é passível de apelação. O documento exige que o fundador de Bose, o ex-prior Enzo Bianchi, deixe a comunidade “e se mude para outro lugar, decaindo de todos os cargos atualmente ocupados”. A mesma imposição vale para dois outros irmãos de Bose, Goffredo Boselli e Lino Breda, e para a monja Antonella Casiraghi.

Enzo Bianchi, segundo o jornal La Repubblica, não conhece o conteúdo do decreto, as suas motivações. O apelo à Santa Sé foi “em vão”, diz. “Em vão, aos que nos entregaram o decreto, pedimos que pudéssemos conhecer as provas das nossas faltas e nos podermos defender das falsas acusações.

Mas Enzo é um cristão e, por isso, sabe obedecer no meio do sofrimento e declara: “Na mais profunda tristeza, sempre obediente, em justiça e em verdade, à vontade do Papa Francisco, por quem tenho amor e devoção filial.

 

Mário Rui de Oliveira é padre, autor de O Livro da Consolação e trabalha em Roma

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco