Turquia

Erdogan inaugura grande mesquita no centro de Istambul, a terceira em três anos

| 30 Mai 21

A nova mesquita na Praça Taksim, Istambul. Foto © Cagataydonmez10/Wikimedia Commons

 

A praça Taksim, principal espaço público da Istambul, passou a ter, desde sexta-feira, dia 28, uma grandiosa mesquita, que foi inaugurada pelo Presidente da Turquia, Recep Erdogan.

Com capacidade para juntar entre 3000 a 4000 pessoas, a nova mesquita, uma promessa antiga do Presidente, é a terceira que ele inaugura, nos seus 18 anos de mandato. A outra foi a enorme mesquita Camlica, erguida numa colina, que abriu portas em março de 2019, e a terceira foi a Hagia Sophia, um antigo espaço de culto cristão entretanto transformado em museu, que Erdogan decidiu converter também em mesquita, no ano passado.

A mesquita de Taksim tem uma abóbada de 30 metros e dois minaretes imponentes e insere-se num complexo que inclui um espaço de exposições, biblioteca, cozinha de refeições ligeiras e parque de estacionamento.

Os críticos vêem esta construção como parte dos planos do Presidente para minar o legado de Mustafa Kemal Ataturk, que estabeleceu uma república de orientação secular após o colapso do Império Otomano, segundo refere a agência Associated Press.

A mesma fonte diz que um centro cultural na praça Taksim, que tinha o nome de Ataturk e que era visto como um símbolo da sua herança, foi demolido e está a ser substituído por uma nova estrutura que abrigará um teatro de ópera. Já a Arab News tem outra versão: a mesquita foi construída no local em que existia um monumento a Ataturk.

O Presidente responde que o sonho da mesquita em Taksim remonta aos anos 80 do séc. XIX, datando de uma guerra russo-turca. E que ele acelerou o objetivo de mandar construir a mesquita no momento (“o momento em que aqueles terroristas se posicionaram contra nós”) em que a praça de Taksim foi palco, em 2013, das grandes manifestações contra o seu Governo, quando era primeiro-ministro.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This