Presos desde outubro

Eritreia: Bispo e padre católicos libertados

| 29 Dez 2022

bispo Fikremariam Hagos, de Segheneity (Eritreia), foto AIS

“Não houve qualquer explicação oficial que justificasse a prisão de D. Fikremariam Hagos”, afirma a Fundação AIS. Foto: Direitos reservados,

 

Acaba de ser libertado o bispo Fikremariam Hagos, de Segheneity (Eritreia), que havia sido detido a 15 de outubro por agentes dos serviços de segurança quando regressava ao país após uma viagem à Europa, anunciou esta quinta-feira, 29 de dezembro, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

Desde então, “e apesar de os representantes da Igreja terem questionado o governo sobre as razões de tão grave atuação, – refere o comunicado da AIS – não houve qualquer explicação oficial que justificasse a prisão de D. Fikremariam Hagos”.

Sabia-se, no entanto, de acordo com a Agência Fides, que teria sido encaminhado para a prisão de Adi Abeto, onde também se encontravam dois sacerdotes, os padres Mehretab Stefanos, pároco da igreja de São Miguel de Segheneity, igualmente libertado, e o padre Abraham, um sacerdote capuchinho detido pelas autoridades na cidade de Teseney.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This