Erradicar a pobreza… com Manuela Silva

| 12 Out 19 | Entre Margens, Newsletter, Últimas

«Nós queremos erradicar a pobreza», afirmou a professora Manuela Silva, muito firmemente – lembrava o Público de 9 de Outubro (pg. 24). Como se poderá concretizar esta «erradicação», à luz do pensamento de Manuela Silva? Talvez seja razoável considerar segmentos de ação: a cooperação direta e permanente com as pessoas empobrecidas; a otimização possível, em cada momento; e a ação estrutural na transformação de práticas, políticas, culturas e sistemas.

A cooperação direta e permanente assume a assistência social, mas não se reduz a ela: na verdade, considera cada pessoa não só como destinatária da ação mas também como agente – e agente principal – mesmo quando se encontra muito debilitada; e procura as respostas imediatas possíveis para os seus problemas, sem perder de vista o caminho para a autonomia e suficiência possíveis, num projeto de vida gratificante. Esta cooperação – tal como a assistência – deve ser direta e permanente: direta, porque se baseia no contacto interpessoal; permanente, porque deve estar sempre disponível. Isto parece impossível, mas torna-se viável, e até normal, se tivermos em conta as relações de família, vizinhança, amizade, companheirismo, voluntariado social de proximidade…

A otimização, em cada momento, na erradicação da pobreza consegue-se pelo esforço interpessoal, associado e público. O esforço interpessoal depara frequentemente com enormes limitações, que podem levar ao desânimo, ao inconformismo e à desistência mas, por via de regra, salda-se por uma persistência impressionante verificada ao longo da história humana e por toda a parte. O esforço associado reveste a forma de instituições particulares de solidariedade social, cooperativas, iniciativas de desenvolvimento local, associativismo em geral, economia socialmente responsável…; ele complementa o esforço interpessoal, institucionaliza a permanência, proporciona qualificação profissional…; mas está limitado pela insuficiência de meios financeiros e outros, pelo grau de cobertura do país e pela falta de poder político para a consecução cabal dos seus objetivos. O esforço público – do Estado central, regional e autárquico – proporciona, em princípio, o que falta aos outros dois, corresponsabilizando toda a sociedade, os órgãos de soberania e a administração pública pelo bem comum. As inúmeras falhas que ainda se observam, com realce para a invencibilidade da pobreza até agora, tornam indispensável o patamar da ação estrutural.

Este segmento – centrado na transformação de práticas, políticas, culturas e sistemas – implica antes de mais o reconhecimento dos outros dois, sob pena de aumentar ainda mais o ostracismo a que a pobreza e o empobrecimento se encontram votados: note-se, a este propósito, que o primeiro segmento de ação é quase desconhecido, nunca foi reconhecido e é tratado, sobranceiramente, como «informal»; note-se também que não se difundem, regularmente, estatísticas «vivas» dos casos sociais atendidos. Por outro lado, é imperioso que as diferentes práticas, culturas, sistemas e respetivas correlações de forças sejam objeto de observação, análise e transformação regulares, sob pena de ocultarem e alimentarem a permanência da pobreza. A transformação pode implicar a própria substituição, mesmo que seja a longo prazo.

Como dizia Manuela Silva, não basta reduzir a pobreza; é mesmo indispensável erradicá-la, atuando nas suas raízes – causas – otimizando, em cada momento, a sua atenuação e não descurando as transformações estruturais.

(Nota da Redação: Manuela Silva será recordada na celebração de duas eucaristias, ambas em Lisboa: neste domingo, 13 de Outubro, às 12h, no Convento de São Domingos; e na segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, neste caso sob a presidência do patriarca de Lisboa)

 

Acácio F. Catarino é consultor social

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco