Erros e pecados

| 14 Out 2021

rembrandt dez mandamentos

“As obrigações dos Mandamentos são melhores guias quando os formulamos na forma afirmativa: dar vida, dar ao outro o que lhe pertence, falar a verdade, honrar, ser leal.” Pintura: Rembrandt,  Dez mandamentos. Gemäldegalerie, Berlim.

 

A tradução da Bíblia do grego levada a cabo por Frederico Lourenço contém um interessante reparo relativamente ao termo “pecado”. De acordo com o tradutor, o termo grego significa “erro” e, do ponto de vista semântico, relaciona-se com um verbo cujo sentido literal é “falhar o alvo”.[1]

Do ponto de vista teológico, há uma clara diferença entre erro e pecado. Este último pressupõe um ato livre e esclarecido. Não havendo liberdade e consciência, não existe pecado, ainda que certa conduta dê origem a um grave sofrimento. Pecar pressupõe, assim, uma conduta dolosa através da qual a integridade do próprio, de outra pessoa ou da criação é afetada.

Para várias gerações, a catequese baseava-se na memorização dos grandes pilares do cristianismo, dos dogmas aos mandamentos. Se é verdade que essas são as premissas base que nos guiam no caminho do seguimento de Cristo, sem que se fomente uma abordagem pessoal e dialética das mesmas, esses preciosos ensinamentos correm o risco de permanecer letra morta.

Comecemos pelos Dez Mandamentos. Estes têm a virtude de balizar as interdições morais. Se pensarmos na proibição de matar, lembramo-nos imediatamente da proibição do homicídio. E ninguém contestará que não podemos matar. A pergunta que nos podemos colocar nesta sede é: de que forma é que nós tiramos vida aos outros? Há muitas formas de matar para além de pôr termo à vida biológica. Como há muitas formas de trair, mentir ou ferir a honra de alguém. Partindo desta lógica, concluímos que matamos sempre que impedimos o outro ou nós mesmos de viver em plenitude. Ao examinar a nossa consciência, em vez de nos questionarmos se matámos, no sentido do primeiro termo, poderíamos antes perguntar se fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para que nós próprios e os outros tenham vida em abundância.

As obrigações dos Mandamentos são melhores guias quando os formulamos na forma afirmativa: dar vida, dar ao outro o que lhe pertence, falar a verdade, honrar, ser leal. Em suma criar condições para que haja vida em abundância. Se nos limitarmos a pensar no estrito cumprimento das obrigações elementares estaremos, de facto, a falhar o alvo. Entendidos desta forma, os mandamentos de Deus exigem uma atitude de constante vigilância e cuidado com os nossos atos diários. Isso implica um processo de conhecimento interior, esse é o nosso primeiro dever: conhecer-nos.

Cada um, com as suas diversas circunstâncias, é tentado de formas diferentes. Todos temos as nossas feridas e pontos fracos. Conhecer-nos é o melhor remédio contra a primeira de todas as nossas tentações: o orgulho. É a recusa em reconhecer que somos falíveis e carentes que nos cega e faz cometer os maiores erros e pecados. O medo que sentimos ao constatar as nossas dificuldades, a nossa dependência dos outros leva-nos às mais diversas precipitações. Pode ser não dar determinado bem a quem nos pede, com o medo de que nos possa fazer falta no futuro; a maledicência para sermos ouvidos e admirados; a vitimização para nos desresponsabilizarmos da condução da nossa vida.

Há, contudo, um denominador comum nas grandes tentações que nos assaltam: apresentarem-se como um bem.

O nosso grande “calcanhar de Aquiles” não são as tentações de fazer algo que seja, sem sombra de dúvida errado. Tomemos um exemplo: no desafiante mundo profissional, é quase certo que seremos tanto mais admirados quantas mais horas trabalharmos. Quando, muitas vezes, a dedicação quase exclusiva ao trabalho é um escudo contra a solidão e o isolamento que nos impomos, uma tentativa de ser autossuficiente ou não pensar no que nos atormenta. Outro exemplo: um filho, pequeno ou adulto, que faça aos pais todas as vontades e nunca os contrarie é admirado pela dedicação aos pais. Muitas vezes, essa dedicação é a resposta que tentamos dar ao medo do abandono e da reprovação, à ameaça de perder esse amparo, à recusa em tornar-nos próximos mas independentes e responsáveis pela própria vida.

Jesus e os profetas deram-nos os mandamentos como quem desenha uma rosa-dos-ventos para a oferecer a um peregrino, não um conjunto de prescrições a cumprir sem critério e reflexão. Grande é a tentação de nos demitirmos de ajuizar as situações e examinar a nossa consciência com normas gerais e abstratas que reconfortam a nossa inquietação, sempre presente, acerca do que é o bem ou o mal. O caminho de procura da verdade do nosso coração, por mais dura que seja, é um ponto de partida.

 

Sofia Távora é jurista e voluntária no Serviço de Assistência Espiritual e Religiosa do Hospital Dona Estefânia.

 

[1] Bíblia, volume I, Novo Testamento, 5.ª reimpressão, p 46, tradução de Frederico Lourenço

 

ONU pede veto da lei contra homossexuais no Uganda, Igreja em silêncio

Prevista pena de morte

ONU pede veto da lei contra homossexuais no Uganda, Igreja em silêncio novidade

Uma nova legislação aprovada pelo Parlamento ugandês esta semana prevê penas de até 20 anos de prisão para quem apoie “atividades homossexuais” e pena de morte caso haja abusos de crianças ou pessoas vulneráveis associados à homossexualidade. O alto-comissário para os Direitos Humanos da ONU, Volker Turk, já pediu ao presidente do país africano que não promulgue esta “nova lei draconiana”, mas os bispos do país, católicos e anglicanos, permanecem em silêncio.

Corpo Nacional de Escutas suspende alegado abusador de menores

Após reunião com Comissão Independente

Corpo Nacional de Escutas suspende alegado abusador de menores novidade

O Corpo Nacional de Escutas (CNE) suspendeu preventivamente um elemento suspeito da prática de abusos sexuais de menores, depois de ter recebido da Comissão Independente (CI) para o Estudo dos Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica a informação de sete situações de alegados abusos que não eram do conhecimento da organização. Em comunicado divulgado esta sexta-feira, 24 de março, o CNE adianta que “está atualmente a decorrer o processo interno de averiguação, para decisão em sede de processo disciplinar e outras medidas consideradas pertinentes”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Em Lisboa

Servas de N. Sra. de Fátima dinamizam “Conversas JMJ” novidade

O Luiza Andaluz Centro de Conhecimento, ligado á congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, acolhe na próxima quinta-feira, 30 de março, a primeira de três sessões do ciclo de “Conversas JMJ”. Esta primeira conversa, que decorrerá na Casa de São Mamede, em Lisboa, pelas 21h30, tem como título “Maria – mulheres de hoje” e será dedicada ao papel da mulher na sociedade atual.

Além da montanha… existe um arco-íris

Além da montanha… existe um arco-íris novidade

Vi o livro no balcão do espaço de atendimento, no seminário dos Dehonianos, em Alfragide. A capa chamou-me a atenção. Peguei nele, folheei aleatoriamente e comecei a ler algumas frases. Despertou-me curiosidade, depois atenção e logo após interesse. (Opinião de Rui Madeira).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This