Myanmar

Escalada de violência contra católicos

| 23 Nov 21

Dispensário de Karuna, Diocese de Loikaw, Myanmar. Foto do facebook do Dispensário.

 

Soldados às ordens da junta militar de Myanmar invadiram na segunda-feira, 22 de novembro, a catedral, uma clínica administrada pela Igreja e a própria casa do bispo da Diocese de Loikaw, no estado de Kayahno, fazendo buscas e prendendo 18 profissionais de saúde, noticiou a Union of Catholic Asian (UCA) News.

Numa operação de mais de sete horas, mais de 200 soldados e polícias invadiram o complexo da Catedral de Cristo-Rei em Loikaw e entraram à força na clínica conhecida como Karuna (Compaixão), forçando 40 doentes, incluindo quatro infetados pelo vírus da covid-19, a deixar a clínica. Um padre e duas freiras acompanharam os 18 profissionais de saúde presos ao centro de interrogatório.

De acordo com fontes eclesiais citadas pela UCA News, tem sido cada vez mais frequente os militares matarem civis, queimarem casas e fazerem prisões arbitrárias em operações na região (que é predominantemente cristã). Pelo menos 10 paróquias na Diocese de Loikaw foram vítimas de ataques graves, dando origem a mais de 100 mil deslocados, em fuga da violência militar.

A Associação de Assistência aos Presos Políticos (AAPP) de Myanmar, citada pelo Vatican News, regista de forma documentada a morte de 1.286 pessoas e a prisão de outras 10.380 desde o golpe militar de 1 de fevereiro até dia 22 de novembro.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This