Guterres e a guerra

“Escalada inaceitável” põe os civis a pagar pela invasão russa da Ucrânia

| 12 Out 2022

António Guterres

António Guterres: “Como sempre”, os civis pagam o custo mais alto da guerra. Foto UN/Mark Garten

 

“Outra escalada inaceitável” foi como o secretário-geral da ONU, António Guterres classificou a série de ataques em larga escala desencadeados pelas forças armadas da Federação Russa, a partir da manhã desta segunda-feira, 10, em várias cidades da Ucrânia, entre as quais a capital Kyiv.

Os ataques tiveram como alvo sobretudo edifícios civis, deles resultando dezenas de mortos e feridos. Atingiram igualmente serviços como os de distribuição de energia, um setor particularmente crítico, dada a proximidade do inverno.

Estas operações puseram em evidência, “como sempre”, o facto de serem os civis a pagar o preço mais elevado pela invasão da Rússia, em 24 de fevereiro, segundo um comunicado divulgado pelo porta-voz da ONU.

 

Via diplomática deve ser mantida aberta

Por sua vez, falando em Genebra sobre os últimos desenvolvimentos da guerra na Ucrânia, o chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, alertou para a situação em todo o país, que considerou profundamente preocupante. “Pelo menos 6,2 milhões de pessoas estão deslocadas no interior do seu país e muitas mais precisam de apoio humanitário”, disse ele na reunião anual do Comité Executivo daquela agência.

Grandi avisou ainda que, pela primeira vez no seu mandato, as doações para o trabalho da ACNUR têm registado um impacto negativo, em consequência da invasão da Ucrânia.

“Se não recebermos pelo menos 700 milhões de dólares adicionais até o final deste ano especialmente para as nossas operações mais subfinanciadas, seremos forçados a fazer cortes severos com consequências negativas e dramáticas para refugiados e comunidades anfitriãs”, alertou aquele responsável da ONU.

Entretanto, o presidente da Assembleia Geral da ONU, Csaba Kőrösi, afirmou esta segunda-feira que a porta para uma solução diplomática com vista a acabar com os combates entre a Rússia e a Ucrânia deve ser mantida aberta, e qualquer ameaça de uso de armas nucleares deve ser “universalmente condenada”.

Kőrösi falava na última reunião da Sessão Especial de Emergência do órgão mais representativo do mundo, sobre a guerra na Ucrânia, desencadeada pela invasão russa, reunião que acontecia na sequência do uso do veto pela Rússia no Conselho de Segurança em 30 de setembro último.

A resolução em debate naquela Sessão Especial, que deverá ser votada no final desta semana, afirma que os chamados referendos que levaram à “tentativa de anexação ilegal” de quatro territórios do Donbass também violam o direito internacional.

“Quando se torna uma rotina diária ver imagens de cidades destruídas e corpos espalhados, perdemos a nossa humanidade”, disse o presidente daquele órgão. “Devemos encontrar uma solução política baseada na Carta da ONU e no direito internacional.”

 

Rússia: “Campo ocidental” não deseja a paz

Guerra, Irpin, Ucrânia

Edifício destruído em Irpin, Ucrânia, em consequência dos bombardeamentos russos. Foto © UNICEF/Anton Kulakowskiy

 

Csaba Kőrösi citou a resolução da Assembleia Geral adotada em 2 de março, que pede às tropas russas que se retirem do território ucraniano: “Qual é a alternativa? Um mundo sem regras compartilhadas. Um mundo sem paz. Um mundo sem futuro.”

Em resposta, o embaixador da Federação Russa, Vassily Nebenzia, afirmou que o que designou por “campo ocidental” não tinha interesse real na paz, ignorando as propostas da Rússia no Conselho de Segurança.

“A Ucrânia (…) foi colocada sob seu controle e hoje é uma plataforma para o teste do armamento da OTAN e para o combate contra a Rússia, usando outras pessoas”, disse.

Refira-se que esta terça-feira, 11, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, abriu-se à possibilidade de conversações “com o Ocidente”, sobre a guerra da Ucrânia.

Falando na televisão estatal russa, Lavrov disse não ter recebido propostas sérias para negociar, admitindo que a Federação Russa poderia equacionar um encontro entre os presidentes Biden e Putin, aquando de uma próxima cimeira do G20.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This