Cardeal Krajewski

Escapou a um tiroteio, rezou junto das valas comuns: esmoleiro do Papa continua na Ucrânia

| 20 Set 2022

cardeal konrad krajewski na ucrania foto vatican media

O cardeal Konrad Krajewski distribuiu ajuda numa área onde, “além dos soldados, não entra mais ninguém”. Foto © Vatican Media.

 

“Não há palavras, não há lágrimas”. Perante aquilo que tem vivido e visto, o cardeal Konrad Krajewski, esmoleiro do Papa enviado pela quarta vez à Ucrânia, já quase “só” consegue rezar. Mas prossegue a sua missão de levar ajuda, alimentos, terços e a bênção de Francisco, porque não quer que ninguém se sinta sozinho nesta “guerra absurda”.

Precisamente nove anos depois de ter sido escolhido pelo Papa como esmoleiro e ordenado bispo (a 17 de setembro de 2013), Krajewski viveu um dos dias mais difíceis desta missão. Carregou a carrinha na qual viajou até à Ucrânia com alimentos e dirigiu-se para uma área onde,  “além dos soldados, não entra mais ninguém”, porque os disparos são cada vez mais cerrados. Mas era precisamente ali que as pessoas tinham mais necessidade de apoio e alimentos, por isso não hesitou.

Juntamente com dois bispos, um católico e um protestante, e acompanhados por um soldado ucraniano, foi ao encontro das pessoas que ali vivem, descarregou os primeiros alimentos, mas na segunda etapa do percurso o grupo foi atingido por tiros e o cardeal, juntamente com os outros, soube que estava em perigo. “Pela primeira vez na minha vida eu não sabia para onde fugir… porque não basta correr, é preciso saber para onde”, contou ao Vatican News.

Nenhum elemento do grupo ficou ferido e conseguiram concluir a entrega de ajuda, incluindo os terços benzidos pelo Papa Francisco, que foram “imediatamente” colocados ao pescoço por quem os recebeu, relata. Um dia de guerra que o cardeal define como “sem piedade” e perante o qual, diz, ““só se pode rezar” e repetir: “Jesus, eu confio em ti!”.

cardeal konrad krajewski na ucrania foto vatican media

O cardeal fez questão de visitar Izyum, uma localidade “recém abandonada pelos russos” e onde foram encontrados os restos mortais de cerca de 500 pessoas. Foto © Vatican Media.

 

Krajewski continuou a sua viagem pela Ucrânia e, nesta segunda-feira, 19, fez questão de visitar Izyum, uma localidade “recém abandonada pelos russos” e onde foram encontrados os restos mortais de cerca de 500 pessoas. “Ali assistimos a uma ‘celebração’, onde 50 homens jovens, na sua maioria polícias, bombeiros e soldados, vestidos de macacão branco ,estavam a cavar e retirar das valas, muitas vezes comuns, os corpos dos pobres ucranianos mortos, há cerca de 3 ou 4 meses, alguns enterrados ali há pouco tempo”. Mais uma vez, o choque e a falta de palavras. “Eu sei… há a guerra”, reconhece o o cardeal, “e a guerra não conhece piedade, há também os mortos. Mas ver tantos numa só área é algo difícil de contar, de explicar”.

O esmoleiro do Papa refere, ainda assim, que “foi tocante ver a maneira como eles carregavam os corpos. Eles pareciam estar a fazê-lo pelas suas próprias famílias, pelos seus pais, filhos, irmãos. O bispo e eu caminhávamos entre eles, eu rezava o Terço da Misericórdia sem parar, ficámos ali pelo menos três horas. Eu não podia fazer outra coisa”. Foi – resume o cardeal – “uma celebração da misericórdia”. Comovido, sublinha que “aqueles homens mostraram a beleza que às vezes está escondida nos nossos corações. Eles mostraram uma beleza humana num lugar onde só poderia haver vingança”, conclui.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This