Escola: prisão ou libertação?

| 6 Abr 21

SyriaEducation, crianças, escolas, Síria

“O aluno não fica limitado nem pelas suas preferências nem pelas preferências dos outros: coloca-se perante a polivalência da realidade.”  Foto © Caritas Internacional

 

Evitar o doutrinamento das crianças dá trabalho. Por um lado, necessitam de uma espécie de “catecismo elementar”, onde tudo venha explicado e estruturado de acordo com o seu desenvolvimento. Por outro lado, esta cultura inicial e maneira peculiar de olhar o mundo não podem ser prisão: pouco a pouco, de acordo com o ritmo da criança, virá a escolha de um trabalho personalizado e criativo. A criança tem de levar a sério as prescrições da sua cultura, para adquirir a norma de levar a sério o que escolhe fazer. De contrário, a timidez e o diletantismo ir-lhe-ão limitar a liberdade e, portanto, a capacidade de se realizar.

Como as sociedades organizadas necessitam de valores comuns, a pedagogia do conhecimento e discussão é essencial. Não se pode dar verdadeira comunicação entre pessoas se elas não ganham apreço por comunicar – o doutrinamento surge quando não surge um novo filósofo. Ser aberto a outras ideias, mesmo quando o que eu digo parece certo e de extrema relevância, é aceitar também a minha própria abertura. O outro é o estímulo da minha transcendência, desperta-a, actualiza-a, e permite a diferenciação entre verdades e a Verdade. Doutrinar é, pois, um isolamento não só do outro como de mim próprio.

Para Durkheim, compete à sociologia dizer aos educadores aquilo para que tende a sociedade; e aos educadores compete ajudar os alunos na realização desses objectivos. Porém, a escola, como grupo perfeito que deve ser, não pode limitar-se ao seguimento da opinião pública: pelo contrário, pertence às escolas conduzir a opinião pública. Em todas elas, desde as maternais às superiores, os “mestres” serão a origem crítica da opinião pública.

Deste modo, cabe aos professores agir como pessoas educadas, suficientemente informadas para criticar as próprias crenças e as do grupo social a que pertencem, demonstrando a qualidade dos fundamentos dessas crenças e das alternativas que se oferecem.

A esta actividade crítica prende-se a temática da regionalização do ensino. Os valores próprios de uma região integram-se em sistemas mais vastos, que relativizam os primeiros – relativizar não implica inferiorizar determinada posição. Mas o sistema de valores de um grupo social pode facilmente converter-se num sistema isolante.

Nesta crítica dos valores, a escola ensina a não esquecer os pormenores positivos de sistemas provavelmente contrários; e que a condenação em bloco é frequentemente exemplo da necessidade de bodes expiatórios, da figura má – e facilita a manipulação do próprio bom senso, com toda a arte do doutrinamento. A escola tem assim que se manter vigilante sobre si mesma.

As formas de conhecimento terão pois que ser muito equilibradas, sem obstar à especialização. O aluno não fica limitado nem pelas suas preferências nem pelas preferências dos outros: coloca-se perante a polivalência da realidade.

Devo às longas viagens de comboio para o estrangeiro a expressão doutrinamento técnico. Obviamente, tomava sempre comboios rápidos – mas sempre havia paragens inopinadas nalgumas estações secundaríssimas. Até que um dia, pedi explicações ao revisor sobre a “ofensa” à rapidez e dignidade do comboio. Ao que ele respondeu imperturbável: “Sabe, senhor, estas paragens são o que nós chamamos paragens técnicas: não se destinam a fazer entrar ou sair passageiros; é para descongestionar o tráfego, tornando mais segura a viagem”. E eu concluí: os passageiros não podem pensar que é para ficarem por ali ou para entrarem à batota – o destino ainda vem longe, e precisa de ser programado!

O doutrinamento técnico pode pois significar a “imposição provisória” de conhecimentos e valores aceites costumeiramente numa dada cultura (que se pode identificar com o grupo familiar, o grupo escolar e até o grupo profissional). São as boas maneiras, práticas religiosas, conhecimentos simples, técnicas de bom senso… Quem “doutrina tecnicamente” tem que se preocupar efectivamente com formar a criança ou o novo membro de modo a que ela, progressivamente, seja apta para discutir e escolher, abrindo caminhos novos.

As crianças começam por aprender “tradições” (entenda-se: aquilo que vale a pena ser transmitido) sem compreender plenamente por quê. Mais tarde, saberão discutir a razão de ser de muitas práticas. Por isso, o grupo significativo deve preocupar-se com a justificação daquilo que “impõe” e ao mesmo tempo deve dar exemplo de discussão e fundamentação do seu agir – mesmo que as crianças não penetrem no raciocínio. Adquirindo deste modo regras básicas, a criança forma o sentimento adequado para sustentar a vida que irá escolher.

Honestamente: as noções do catecismo, sobretudo para infantis, não podem ser dadas “de cima para baixo”: devem partir da experiência própria das crianças. A inicial noção de Deus é extremamente difícil, por razões psicológicas e filosóficas. Muitas catequeses dariam razão a Freud, para quem a religião é uma neurose colectiva – ou a inimiga da ciência. Mais vale começar pela experiência da autoridade, da ordem, do amor, da beleza… e do mistério – sem gerar ansiedade e sim o desejo de virem a conhecer cada vez mais a maravilha de existir.

 

Manuel Alte da Veiga é professor aposentado do ensino universitário.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This