Educação na infância

Escolas Católicas querem prevenir “qualquer tipo de abuso”

| 21 Fev 2024

creche, crianças, educação infância

Foto © MichaelMaggs, via Wikimedia Commons.

 

A Associação Portuguesa de Escolas Católicas (APEC) emitiu uma nota de imprensa onde defende um conjunto de princípios que considera que devem figurar no documento “Orientações Pedagógicas para Creche”, documento que esteve em consulta pública até ao final da semana passada. Entre os princípios enunciados, estão a prevenção de “qualquer tipo de abuso” junto das crianças e o sublinhado da “importância da espiritualidade e do sentido de transcendência desde fases muito precoces da vida das crianças”.

De acordo com uma nota de imprensa enviada ao 7MARGENS esta semana, depois da conclusão da consulta pública, a APEC avança, ainda, com uma série de outras noções que entende serem essenciais num documento deste género, como sejam “a garantia da inclusão e da diferenciação de cuidados, privilegiando as crianças mais vulneráveis” ou “o respeito pelas convicções sociais, culturais e religiosas das famílias”.

O documento da APEC foi enviado “no último dia do prazo de consulta pública”, 16 de fevereiro, à subdiretora geral de Educação, diz a nota.

As “Orientações Pedagógicas para Creche” enunciam “um conjunto de princípios e práticas pedagógicas, entre outros, que há muito são levados a cabo nos estabelecimentos do ensino particular e cooperativo, nomeadamente nas escolas católicas, e que agora se pretendem alargar aos estabelecimentos do ensino estatal”, diz a nota de imprensa.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This