Escolha dos bispos entre a sensibilidade do Papa e o trabalho das nunciaturas

| 26 Abr 2021

O Cardeal Marc Ouellet não quer bispos “carreiristas” à frente das dioceses. Foto ©Mazur_catholicnews.org.uk

 

A sensibilidade de um pontificado tem uma influência decisiva sobre as escolhas de bispos que têm lugar nesse pontificado. Quem o afirma em entrevista à Vatican News é o prefeito da Congregação para os Bispos, Cardeal Marc Ouellet, para quem: “Cada Papa recebe do Espírito Santo uma ‘visão’ particular sobre os problemas da Igreja e as suas prioridades. Os que colaboram com o Papa são chamados a entrar na perspetiva do Primeiro Pastor”.

Na entrevista publicada nesta segunda-feira, 26 de abril, o cardeal referiu que o processo de escolha de cada bispo pode sofrer influências perversas: “Como em todas as coisas humanas, a inveja e os interesses pessoais podem motivar aqueles a quem se pedem informações” o que é grave, pois “a Igreja não precisa de ‘carreiristas sociais’, pessoas que buscam os primeiros lugares, precisa de homens que sinceramente querem servir os seus irmãos e mostrar-lhes o caminho da fé e da conversão.”

De três em três anos os bispos responsáveis das sedes episcopais de cada país elaboram uma lista de presbíteros que poderiam ser adequados ao ofício episcopal. A lista é entregue à Nunciatura de dada país que, com recurso ao parecer confidencial de pessoas por si escolhidas, a filtra e a envia para a Congregação para os Bispos. A Congregação para os Bispos “considera as candidaturas à luz de critérios gerais e, com a ajuda de uma assembleia de membros designados pelo Santo Padre, atualmente 23 cardeais e bispos de todo o mundo, faz a avaliação final que será entregue ao Papa para sua decisão final – explicou Marc Ouellet ao Vatican News

O cardeal – um canadiano à beira dos 77 anos que tem sido apontado como candidato dos setores conservadores moderados à sucessão do Papa Francisco – divulgou no dia 12 de abril a realização de um Simpósio Teológico Internacional sobre o sacerdócio, organizado pela Congregação para os Bispos. O Simpósio terá lugar entre 17 e19 de fevereiro de 2022 e visa promover uma reflexão global e alargada sobre a missão do clero católico, procurando aprofundar “a importância da comunhão entre as diferentes vocações na Igreja”, disse, na altura, Marc Ouellet aos jornalistas.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This