Escrevam ao Presidente de Moçambique em apoio do bispo de Pemba, pede a Amnistia

| 8 Out 20

Organização de defesa dos direitos humanos lança “acção urgente” de apoio ao bispo de Pemba, por correio electrónico, e denuncia num relatório a falta de justiça para com as vítimas da violência no Norte de Moçambique.

bispo pemba com presidente Filipe Nyusi, foto FB presidente

Em 31 de Agosto, o Presidente Filipe Nyusi esteve com o bispo de Pemba, mas a Amnistia diz que não foi suficiente. Foto © Presidência da República de Moçambique.

 

O bispo católico Luiz Fernando Lisboa, de Pemba (Cabo Delgado, no Norte de Moçambique) “tem sido alvo de uma campanha de difamação que pretende prejudicar o trabalho fundamental e pacífico que faz na região”. Com esse pressuposto, a Amnistia Internacional (AI) lançou uma “acção urgente” de apoio à sua acção, que pede que seja concretizada até esta sexta-feira, 9 de Outubro.

“Queremos que o direito à liberdade de expressão e o trabalho desenvolvido por defensores de direitos humanos em Moçambique seja respeitado. Em particular, queremos que o bispo D. Luiz Fernando Lisboa possa continuar o seu trabalho pacífico sem qualquer ameaça ou riscos para a sua segurança”, diz a Amnistia Internacional, no comunicado com que anuncia a campanha.

Com o título “Fim à perseguição do bispo Lisboa em Moçambique”, a iniciativa pretende que cada pessoa que assim o entenda escreva uma carta por correio electrónico ao Presidente moçambicano, pedindo o fim da campanha de difamação e que o próprio Filipe Nyusi não se refira ao bispo e outros defensores dos direitos humanos como “estrangeiros” (o bispo é brasileiro), corruptos, terroristas ou criminosos.

A AI fornece, na sua página digital, a minuta sugerida para a carta, bem como o endereço electrónico para onde ela deve ser enviada.

Os ataques de que o bispo Lisboa e outros activistas dos direitos humanos têm sido alvo “seguem um padrão alarmante: muitos ocorreram na sequência da publicação de artigos e comentários sobre corrupção, utilização abusiva dos fundos públicos ou simplesmente após reportagens sobre o conflito armado na província de Cabo Delgado”, denuncia a AI. Apesar do encontro entre ambos a 31 de Agosto, quando Nyusi se deslocou a Pemba na tentativa de apaziguar as relações tensas entre o poder político e o bispo, a AI diz que isso não é suficiente para assegurar um ambiente pacífico à volta de Luiz Lisboa.

Moçambique, acrescenta a organização, “atravessa um período particularmente preocupante, com jornalistas, investigadores, académicos e outras pessoas que expressam opiniões críticas sobre o governo a serem sujeitas a perseguição, intimidação, rapto e tortura”.

A organização acrescenta que “o próprio presidente Nyusi, e outros apoiantes do governo, têm desempenhado um papel central nessa campanha de difamação, uma vez que têm incluído referências diretas e indiretas ao bispo, colocando a sua segurança em risco”. O bispo de Pemba, diz ainda a informação sobre a campanha, “tem sido uma das vozes mais críticas relativamente à gestão da crise humanitária pelo governo em Cabo Delgado e o seu trabalho tem sido crucial para ajudar a proteger os milhares de deslocados internos que fugiram de ataques terroristas”, bem como no apoio à “coordenação da ajuda humanitária” e na denúncia das “inúmeras violações de direitos humanos que se verificam na região”.

 

Gás natural, abandono, exclusão…
Ataque de grupos armados, que se reivindicam do Daesh, em Quissanga, Cabo Delgado (Moçambique).

Ataque em Quissanga, Cabo Delgado, a 6 de Abril. Foto: Direitos reservados.

 

Esta iniciativa surge no contexto dos episódios crescentes de violência que começaram há três anos, na província de Cabo Delgado, “rica em gás natural e outros recursos” e, por isso, “palco de um conflito que teima em não obedecer a qualquer lei, tanto por parte dos grupos armados, como das forças armadas moçambicanas”. Esquecimento e da falta de investimento durante décadas por parte do poder central, bem como as catástrofes naturais e, agora, a propagação da covid-19 ajudam ao agravamento da situação.

O grupo armado que tem protagonizado os ataques não fez, até agora, qualquer reivindicação de carácter político. Vários analistas defendem podem estar ligados à exploração dos recursos naturais da região – há várias empresas estrangeiras a trabalhar na zona –, bem como à centralização do poder em Maputo e à exclusão social e económica da população de Cabo Delgado. Só em Junho de 2019, os ataques começaram a ser reivindicados pelo autodenominado “Estado Islâmico da Província da África Central”.

Três anos após os primeiros incidentes armados na região, já foram mortas mais de 2000 pessoas e as vítimas da violência continuam a lutar por justiça, verdade e reparação, acusa ainda a Amnistia, num relatório divulgado nesta quinta-feira, 7 de Outubro, no qual afirma que “as autoridades não conseguiram responsabilizar criminalmente todos os suspeitos de terem cometido crimes contra o direito internacional e violações de direitos humanos”.

A AI recorda que o primeiro ataque armado lançado na zona de Mocímboa da Praia por uma milícia autointitulada “Al-Shabaab” visou instituições governamentais, entre as quais uma esquadra da polícia, e provocou a morte de dois agentes. Desde então, os ataques do(s) grupo(s), que se reivindica como sucedâneo do Daesh, tornaram-se cada vez mais frequentes e mais graves. Mais de dois mil mortos, na sua maioria civis, aldeias e localidades destruídas e mais de 300 mil deslocados, são o resultado da onda de violência, resume a AIS em comunicado.

“Este grupo armado é responsável por um sofrimento indescritível em Cabo Delgado. Eles reduziram casas a cinzas através de ataques coordenados de fogo posto, mataram e decapitaram civis, saquearam alimentos e propriedades, e forçaram centenas de milhares a fugir das suas casas”, diz o director da Amnistia Internacional para a África Oriental e África Austral, Deprose Muchena.

“Há provas de que as forças de segurança também cometeram crimes contra o direito internacional e violações de direitos humanos, incluindo desaparecimentos forçados, tortura e execuções extrajudiciais. Estes crimes são agravados pelo facto de as autoridades moçambicanas não permitirem que jornalistas e investigadores locais e internacionais documentem esta situação sem que sofram consequências”, acrescenta o responsável da AI.

 

Mais de 700 mil precisam de assistência humanitária
Cabo Delgado, Moçambique. Deslocados

Calcula-se que a violência tenha já provocado 300 mil eslocados. Foto © ACN-Portugal.

 

A organização internacional de defesa dos direitos humanos resume: os ataques violentos aumentaram 300 por cento, nos primeiros quatro meses de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado; a situação já provocou uma crise humanitária grave: além dos mortos e dos descolados internos, há ainda 712 mil pessoas com necessidade de assistência humanitária e, segundo o escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, mais de 350 mil pessoas enfrentam grave insegurança alimentar.

Além da situação provocada pela violência dos grupos armados que têm atacado as populações da região, a Amnistia também critica as Forças Armadas moçambicanas, acusando-as de “crimes contra o direito internacional e violações de direitos humanos na perseguição dos suspeitos de fazerem parte do grupo armado, como execuções extrajudiciais, tortura e outros maus-tratos”. O exército, acusa ainda a AI, também esteve implicado em sequestros e detenções arbitrárias de jornalistas, investigadores, líderes comunitários e outras pessoas que tentassem expor os abusos”.

Deprose Muchena exige, por isso: “As violações contra a população civil devem terminar imediatamente. As autoridades moçambicanas devem garantir que nenhum suspeito de crime, incluindo as forças de segurança, fique impune. Deve ser iniciada uma investigação independente e imparcial sobre estes graves abusos e, se houver provas admissíveis suficientes, devem ser feitas acusações em julgamentos justos perante tribunais civis comuns.”

As acusações, argumenta a AI, são fundadas em “relatos incontestáveis ​​de tortura e outros crimes ao abrigo do direito internacional cometidos pelas forças de segurança em Cabo Delgado”. A investigação feita para elaborar o relatório incluiu a análise de imagens da região que mostravam tentativas de decapitação, tortura e outros maus-tratos de detidos, o desmembramento de alegados combatentes de grupos armados, possíveis execuções extrajudiciais e o transporte de um grande número de cadáveres até valas comuns.

 

O vídeo de choque

Em meados de Setembro, a divulgação de um vídeo chocante que mostrava a perseguição e execução de uma mulher nua e indefesa, não identificada, levou a Amnistia a investigar também esse caso. O vídeo foi considerado verídico e, de acordo com as análises do Crisis Evidence Lab (laboratório de evidências criminais) da AI, “a vítima foi morta na estrada R698, junto à subestação elétrica, no lado oeste da cidade de Awasse, em Cabo Delgado, quando tentava fugir para norte”. Depois de ter sido abordada “por homens que pareciam ser membros das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM)”, foi espancada com uma vara de madeira”, acabando baleada 36 vezes. O corpo, despido, foi abandonado na estrada.

Na altura, o mesmo responsável da AI comentou: “Este vídeo macabro é mais outro exemplo repugnante das graves violações de direitos humanos e assassinatos bárbaros que estão a ocorrer em Cabo Delgado às mãos das forças de defesa e segurança moçambicanas”, afirmou Deprose Muchena.

Uma semana antes deste episódio, já a Amnistia exigira, a partir da análise de fotos e vídeos, que os actos de tortura e outros atentados aos direitos humanos cometidos pelas forças de segurança fossem investigados. “Este comportamento revela um total desprezo pelos princípios fundamentais da humanidade. Os abusos atribuídos ao grupo conhecido como Al-Shabaab não podem de forma alguma justificar mais violações de direitos pelas forças de segurança em Moçambique”, dissera Muchena, na ocasião, pedindo uma “investigação rápida, transparente e imparcial para levar todos os responsáveis ​​por tais crimes à justiça através de julgamentos justos”.

Também a Ajuda à Igreja que Sofre tem dedicado atenção ao que se passa naquela região. Segunda-feira passada, 5 de Outubro, a AIS referia de novo o episódio recente da libertação de duas religiosas apanhadas no ataque a Mocímboa da Praia e resumia que, nestes três anos, se calcula que já se registaram mais de 560 ataques armados – ou seja, em média, um ataque cada dois dias.

 

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia?

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia? novidade

A avó estava a dias de fazer 90 anos e a mesa para juntar a família reservada, não muito longe de casa para ela não se cansar. Tinha começado há dias no Público e a Rita estava animada com a viagem aos Açores marcada para Maio. Ela foi a primeira. Veio para casa a pensar que na quarta-feira regressava ao trabalho, ao ginásio e, no fundo, à vida normal. Mas não. Na semana seguinte foi a minha vez de fazer da casa, a redacção.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net” novidade

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This