Escrever com os polegares

| 4 Ago 19 | Entre Margens, Newsletter, Últimas

Nas margens da filosofia (VII)

No passado mês de Junho morreu o filósofo Michel Serres. A sua obra é vastíssima e profundamente original. De facto escreveu sobre filosofia, história das ciências, matemática, pedagogia, ecologia, ciências da comunicação, banda desenhada. Neste campo é de relevar a importância que atribuiu a Hergé e aos seus personagens, que analisou como objectos de estudo filosófico.Escolhi falar de M.S. a partir de um pequeno livro que considero precioso para estudantes e professores dos tempos actuais. Refiro-me a Petite Poussette(Paris, Le Pommier, 2012; ed. portuguesa Polegarzinha, Bertrand, Brasil, 2013).

Neste livro, o autor traça um retrato optimista dos jovens contemporâneos, congratulando-se com a fantástica possibilidade de terem o mundo à distância de um clique. Trata-se de uma revolução pela qual, tal como aconteceu com a escrita ou com a imprensa, estabelecemos uma nova relação com o mundo. E o facto de ter feminizado o “Polegarzinho” não é inocente pois resulta de uma constatação – a luta das mulheres por uma sociedade mais justa em que os seus direitos sejam reconhecidos teve consequências na atitude das estudantes, exigindo delas mais empenhamento e atenção. Serres reconheceu-o nas suas alunas, e daí o título deste seu livro.

Quatro séculos antes, ao debruçar-se sobre a política, Espinosa escrevera: “(…) para investigar aquilo que respeita a esta ciência com a mesma liberdade de ânimo que é costume nas coisas matemáticas, procurei escrupulosamente não rir, não chorar, nem detestar as acções humanas mas entendê-las.” (Tratado Político, I, 4). M. Serres não cita o filósofo judeu, mas está em sintonia com ele quando se debruça sobre o modo como os jovens contemporâneos pensam, escrevem, falam e se relacionam. Só que o seu ponto de partida já não é a matemática nem a física. As referências que elege dizem respeito às ciências computacionais  e às profundas alterações que estas provocaram nos jovens de hoje, por ele classificados como “mutantes.”

Apoiando-se nas actuais ciências cognitivas, Michel Serres conclui que os estudantes do século XXI não têm a mesma cabeça dos seus pais e avós. Na verdade, a consulta da Wikipédia ou do Facebook e o uso permanente do écran em detrimento do livro, actuam sobre zonas corticais específicas, produzindoalterações.Os adolescentes do século XXIhabitam um universo diferente daquele em que viveram e foram educados os seus pais.Tal como aconteceu em outras épocas, defrontamo-nos hoje com o aparecimento de uma nova humanidade.Os actuais mutantes habitam as redes virtuais, nas quais se movem com à vontade. As suas vivências postulam um pensamento rápido pois em poucos segundos conseguem um manancial de informação que ao estudante de anos atrás exigira a consulta de múltiplos livros e o estudo de muitas horas. É um mundo fascinante mas inevitavelmente perigoso pois amemória foi substituída pela informação. É um mundo que ignora a questão, transformando-a em pergunta e resolvendo-a pelo recurso ao Google ou a qualquer outro motor de busca.

Enquanto professora de filosofia não posso deixar de constatar o modo como a velocidade da informação a que os alunos de hoje estão habituados contrasta com a paciência e com a lentidão inevitáveis no trabalho filosófico. E verifico que a linguagem dos filósofos é cada vez mais estranha aos códigos linguísticos dos alunos, bem como ao seu universo conceptual. O aluno comum (e aqui tanto faz ser um aluno de filosofia como de outra qualquer disciplina) rege-se por códigos pragmáticos e gosta de solucionar rapidamente as suas dúvidas.

De modo algum pretendo negar os aspectos positivos das mutações ocorridas. Lembro sem saudade a época em que escrevi a minha tese de doutoramento, as esperas infindas na requisição de livros, os ficheiros poeirentos onde se procurava uma citação ou um termo, a carência de obras essenciais, o difícil acesso ao que se escrevia e pensava fora do país.

É inegável que as novas técnicas de comunicação beneficiam jovens e velhos e, tal como Serres, congratulo-me com a facilidade de acesso ao que se vai escrevendo e pensando por este mundo, a partir de um tabletou de um smartphone. Com alguma perseverança (e com bastante ajuda por parte dos netos) fui ultrapassando dificuldades e adquirindo competências. Mas confesso que há uma performance que invejo aos mais novos e da qual desisti. Trata-se de algo que qualquer aluno do primeiro ciclo do ensino básico realiza com uma velocidade estonteante e que, por mais que me esforce não consigo aprender: falo da habilidade, por mim inalcançável, de escrever com os polegares.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco