Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

| 23 Set 2021

escutar ouvir musica headphones foto direitos reservados

É necessária uma escuta que preste atenção aos jovens, a fim de que, “nas suas dinâmicas de vida se sintam acolhidos tal como são, e orientados na melhor direção”, defendem as Equipas de Nossa Senhora. Foto: Direitos reservados.

 

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7MARGENS, cujas respostas damos hoje a conhecer, na sequência dos dois textos anteriores.

A Obra Católica de Migrações considera que a escuta “deve ultrapassar os movimentos e os grupos”, para assegurar que “chega a toda a comunidade”. E, nesta linha faz a sugestão de se “escutar as pessoas que servimos, reaprendendo a escutar sem julgar”. Ou seja, neste caso, escutar as pessoas, famílias e comunidades migrantes.

Vai na mesma direção a resposta das Fraternidades Leigas Dominicanas, ao propor uma “escuta atenta e inclusiva, mesmo que não seja a mais agradável de escutar, já que “comunhão e participação nem sempre são palavras fáceis de pôr em prática”.

“Parece-nos – dizem-nos, por sua vez, as Oficinas de Oração e Vida – que a escuta que as igrejas diocesanas devem fazer tem de assentar na escuta de todos os fiéis, num atitude de abertura, partilha e diálogo”. E concretizam: “Os meios digitais podem ser um apoio importante”, ainda que “não substituam o contacto presencial, que deve ser realizado sempre que possível”.

Acrescentam, por outro lado, que “não se trata apenas de ouvir as estruturas paroquiais, movimentos e obras”, mas de “perceber as suas dificuldades e escutar as suas propostas”, com base na experiência evangelizadora que experimentam no terreno”. “Isto inclui, naturalmente, a dimensão do acolhimento às situações de fragilidade – canonicamente afastadas da “comunhão”, uma das ideias-fortes do sínodo – que devem continuar a ser debatidas, de modo a perceber qual a ‘participação’ que cada um pode ter na construção eclesial”.

Já as Equipas Jovens de Nossa Senhora propõem uma escuta que preste atenção aos jovens, a fim de que, “nas suas diversas dinâmicas de vida se sintam acolhidos tal como são, e orientados na melhor direção”.

Para a Ação Católica dos Meios Independentes (ACI), é de “primordial importância a escuta dos anseios e sonhos que todos têm” para a Igreja, dando a cada fiel a ocasião para o expressar, “mesmo que isso dê trabalho ou que seja achado de menor importância”.

“Numa Igreja que deve ser a Casa de todos, há que ouvir a todos e a todos ajudar a contruir e a viver num Mundo mais generoso, com mais alegria e fidelidade ao que apregoamos ser”, conclui a ACI.

Finalmente, O Ninho responde a esta questão reiterando, de forma esquemática, as sugestões que a instituição já havia deixado na resposta à segunda questão (sobre o papel dos leigos e recomendações aos bispos). Refere, assim, quanto ao âmbito, um trabalho de escuta ao nível de cada paróquia, envolvendo também agnósticos; movimentos com expressão diocesana; um grupo inter-religioso e um sínodo diocesano semestral. Quanto às dinâmicas de escuta, sugere ideias como questionários online com perguntas fechadas, elaborados por equipas de crentes e não crentes; perguntas de rua em questionários abertos; debates animados por um crente e um não crente; encontros de reflexão; entrevistas em órgãos de comunicação social que possam ser utilizadas em debates de temas; e reuniões com pobres e excluídos apoiados pelas paróquias.

Texto com os contributos de António Marujo, Eduardo Jorge Madureira e Jorge Wemans

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This