Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

| 23 Nov 2020

manifestacao lei celaa espanha mas plurales

Os protestos decorreram em cerca de 30 capitais de província espanholas. Foto: Twitter Más Plurales.

 

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, aprovada na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

A LOMLOE (Lei Orgânica pela qual se Modifica a Lei Orgânica de Educação), também conhecida como Lei Celaá (por este ser o apelido da atual ministra da Educação) contou com a oposição de todos os partidos de direita, que terminaram o debate a gritar “liberdade, liberdade, liberdade” e com a promessa de recorrer ao Tribunal Constitucional e às instâncias europeias para evitar que a mesma entre em vigor, noticia o Religión Digital.

Entre as alterações que mais polémica têm suscitado estão as limitações impostas às escolas privadas com contrato de associação com o Estado, e o facto de o castelhano deixar de ser a língua oficial de ensino. Quanto à disciplina de Religião, deixa de ser objeto de avaliação e de contar para a média. Deixarão também de existir disciplinas alternativas à de Religião, como acontecia até agora. Uma emenda à proposta de lei refere ainda que poderá ser estabelecido o ensino não confessional de cultura das religiões, mas fontes socialistas indicaram que isto será regulamentado posteriormente, segundo avança o El Diario.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This