Esperança de renovação

| 1 Jul 20

Em entrevista recente a um jornal o novo presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse claramente ao que vinha, sem rodeios, o que alimenta alguma esperança de renovação no catolicismo português.

Bispo de Setúbal. José Ornelas.

Bispo de Setúbal. José Ornelas. Foto Paulo Rocha/Agência Ecclesia

 

Em 2017 tive o prazer de contar com o académico e bispo de Setúbal D. José Ornelas na Comissão Científica do Congresso Internacional Um Construtor da Modernidade: Lutero – Teses – 500 Anos, realizado na Gulbenkian e na Universidade Lusófona. De facto, o prelado da Igreja Católica estudou Filosofia, licenciou-se em Teologia, especializou-se em Ciências Bíblicas, em Roma e Jerusalém, concluindo com a licenciatura canónica no Instituto Bíblico Pontifício de Roma. Ordenado presbítero em 1981, foi docente assistente e secretário da Faculdade de Teologia de Lisboa (UCP), onde se doutorou em Teologia Bíblica.

O que chamou a atenção nesta entrevista a Natália Faria (Público) foram as tomadas de posição descomplexadas e corajosas em matérias que têm suscitado diferentes opiniões no seio da Igreja Católica. Desde logo a possibilidade de os padres casados poderem vir a ser aceites no sacerdócio. No fundo, José Ornelas justifica o fim do celibato obrigatório para os padres com o facto de a norma não ser dogma do quadro doutrinário católico, dando a entender que tal obrigação não se enquadra na actualidade, embora tivesse a sua razão de ser na época em que foi instituído, salvaguardando que a mudança deve ser realizada “num contexto eclesial alargado.”

Por outro lado, o bispo reconhece que a existência de padres casados em funções obrigará a uma reorganização da função sacerdotal, mas desdramatiza uma vez que “outras igrejas que têm a tradição de padres casados, resolveram esse problema e também nós haveríamos de resolvê-lo.” Dá até o exemplo da sua diocese onde conta com “um padre casado, com a sua mulher e três filhos e que até já tem um neto. É da Igreja Católica, mas de rito oriental.”

Já no que respeita à ordenação sacerdotal de mulheres reconhece maiores dificuldades na sua aceitação, tendo em conta a tradição da Igreja Católica, muito embora não tire o assunto “de cima da mesa”. Crê que se trata dum assunto que deve ser estudado a fim de “encontrar caminhos”. De todo o modo “o que não se pode é pretender que o problema não existe”, por isso “há que confrontá-lo”.

Sobre o elefante na sala, isto é, a praga do abuso sexual de menores por homens da Igreja Católica, o novo presidente da CEP aposta na formação e mudança de mentalidades, mas também no tratamento exemplar dos casos que venham a surgir, “para que as pessoas atingidas não vejam agravada a sua situação por terem encontrado incompreensão e reacções desajustadas”. Apesar dos casos em Portugal serem diminutos, julga ser “natural que, com as comissões e o encorajamento das denúncias, possam surgir mais”, e revela firme determinação para “enfrentar o que vier.”

Em matéria de justiça e coesão social D. José Ornelas refere que “estes levantamentos a nível mundial contra a discriminação e o racismo e exclusão vieram pôr bem a claro que as pessoas não podem ser deixadas de lado.” Até porque uma sociedade que não é justa e onde as pessoas não se sentem dignificadas “ou gera escravos, que baixam obrigatoriamente ou por comodidade a cabeça, ou então gera rebeldes”, quando o que se pretende é viver numa “sociedade justa e digna e que não precisa de enveredar por caminhos de violência para se reconstituir.”

Relativamente a eventuais medidas que vão para lá da necessidade de controlar os contágios, como a monitorização das movimentações dos cidadãos, considera não só aberrante como perigoso e não deixam de ser “um caminho directo para os totalitarismos”. Apesar de tudo o bispo pensa que o risco de as privações à liberdade individual e à privacidade dos cidadãos se tornar regra e não medida de excepção não se coloca, visto os portugueses não o permitirem, até “pela memória que ainda temos da ditadura”.

Sobre uma resposta à escala europeia para a crise económica decorrente da pandemia, o presidente da CEP mostra-se confiante, até porque se lembra da penitência que fizeram os que geriram a crise de 2008, ao não terem então considerado devidamente os seus inevitáveis custos sociais, e lembra que temos de ter “a coragem de voltar à raiz do projecto europeu, porque ou há um rejuvenescimento do projecto europeu ou este caminhará para o seu fim.”

Em suma, temos um presidente da CEP aberto a que a Igreja Católica possa encetar o processo de trilhar novos rumos em diversas matérias, em consonância com o Papa Francisco, sem medos nem tabus, defensor da transparência e da justiça dentro de portas e da coesão social no país, e ainda com sensibilidade europeia. Não se poderia esperar mais.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar novidade

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This