Espírito do tempo

| 4 Set 2022

Papa Francisco fez nesta viagem ao Canadá um ‘mea culpa’ pelos abusos cometidos no passado, perante representantes indígenas. Foto © Vatican Media.

Papa Francisco fez nesta viagem ao Canadá um ‘mea culpa’ pelos abusos cometidos no passado: também aqui a Igreja esteve mais a funcionar como o mundo, e isso não é bom. Foto © Vatican Media.

 

A recente visita do Papa Francisco ao Canadá (que ele designou como “peregrinação penitencial”) e o seu pedido desculpas pela colaboração de filhos da Igreja no sistema de internatos que visava a destruição da cultura e assimilação forçada dos jovens indígenas desse país suscita várias reflexões, entre elas a seguinte:

No seu discurso às autoridades civis, aos representantes das comunidades indígenas e ao corpo diplomático, de 27 de julho, afirmou, a propósito, o Papa: «É trágico quando crentes, como sucedeu naquele período histórico, se adequam mais às conveniências do mundo do que ao Evangelho.» Na verdade, o sistema em causa foi implantado pelas autoridades civis da época, a quem cabe a sua responsabilidade primeira (facto que nem sempre é tido em conta), as quais delegaram na Igreja Católica e noutras comunidades cristãs a tarefa educativa a ele associada. Correspondia à mentalidade corrente da altura. Este facto poderá atenuar a responsabilidade moral de quem com ele colaborou, mas não exclui a sua nítida contradição com os princípios evangélicos. Salientou, a este respeito, o editorialista do portal Vatican News Andrea Tornelli que, em contextos semelhantes, também houve quem desafiasse essa mesma mentalidade corrente e a ela antepusesse as exigências do Evangelho, indicando os exemplos do jesuíta Matteo Ricci na China (cuja ação de verdadeiro diálogo de culturas tem sido reconhecida por governos chineses) e das reduções do Paraguai (retratadas no célebre filme A Missão).

A lição que deste exemplo pode retirar-se é a da importância de resistir ao “espírito do tempo”, à cultura dominante numa determinada época, quando esta contrasta com o Evangelho e outras fontes da Revelação. A fidelidade ao Evangelho exige, muitas vezes, caminhar “contra a corrente” ser “sinal de contradição”, como fizeram, desde logo, os primeiros cristãos. Para obter mais facilmente a compreensão e os aplausos do mundo, não há que fazer compromissos a este respeito. Jesus não prometeu aos seus discípulos que eles receberiam esses aplausos, pelo contrário…

Diferentes do “espírito do tempo” – também já o afirmou o Papa Francisco – são os “sinais dos tempos”, a que se referem os documentos do Concílio Vaticano II, que não substituem as fontes da Revelação ou a contrariam, mas colocam em relevo alguns dos seus aspetos. Também o desenvolvimento, ou aprofundamento, da doutrina perene da Igreja, que não se confunde com ruturas e contradições, se guia sempre por um objetivo de cada vez maior fidelidade à Revelação (é sempre esse o parâmetro a ter em conta), não pela adaptação à mentalidade corrente (de resto, sempre volátil e transitória).

Estas considerações são oportunas no atual contexto da vida da Igreja. Em meu entender, e no entender de bispos que sobre isso se pronunciaram (designadamente, os polacos e os dos países nórdicos), as conclusões do Caminho Sinodal alemão incorrem nesse erro: o de rejeitar os aspetos da doutrina e disciplina da Igreja que mais contrastam com a mentalidade corrente (porventura com a ilusão de que assim se evita o abandono de muitos fiéis, que comungam dessa mentalidade). Muito especialmente, esses aspetos relacionam-se com a ética sexual, radicalmente posta em causa.

É, na verdade, uma ilusão pensar que seja esse o caminho para evitar a debandada de fiéis. As propostas do Caminho Sinodal alemão, de verdadeiramente novo, nada têm. Foram já, algumas desde o início, outras mais recentemente, mas já há bastante tempo, seguidas em várias comunidades protestantes (por isso, disse, a propósito, o Papa Francisco, com ironia, que não é necessária outra Igreja evangélica alemã). E não foi isso que fez encher as suas igrejas. Antes pelo contrário. De entre as comunidades evangélicas de todo o mundo, são as que mais resistem ao “espírito do tempo” as que crescem numericamente. Também na Comunhão Anglicana, profundamente dilacerada (ao ponto de justificadamente se temer um cisma) devido à questão da aprovação das uniões homossexuais, são as comunidades do hemisfério sul, que resistem a esse espírito, as únicas que crescem numericamente.

O desafio para os cristãos é, então, o de «estar no mundo sem ser do mundo», partilhar as «alegrias e esperanças» dos homens e mulheres de hoje, mas ter a coragem profética de uma «voz que clama no deserto» e dizer o que, porventura, mais ninguém diz.

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This