Espíritos dos antepassados e santos canonizados, mediadores entre Deus e os Homens

| 19 Mar 19 | Entre Margens, Últimas

Artefactos da religião popular africana, numa demonstração cultural em Lesedi (Pretória, África do Sul). Foto © José Rebelo

Quando penso nos caminhos para chegar a Deus, duas frases, que aprendi na catequese da Igreja Católica ecoam na minha mente: “Deus é um espírito perfeitíssimo, criador do céu e da terra. É o nosso Pai que está no céu”; “Existe um só Deus, mas em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo”.

Tendo isso em conta e apelando a alguma relativização, recordo-me que a ideia que eu tinha, nos anos 80, era a de que, para falar com Deus, bastava entrar numa igreja, ajoelhar-me, fazer o sinal da cruz e agradecer pelas benesses que tivesse recebido e/ou pedir outras para o futuro. Podia ainda solicitar perdão por faltas cometidas, bênçãos e proteção para o momento atual ou vindouro. Se tivesse que fazer uma prova na escola, se desejasse uma nota alta, tivesse que viajar ou se estivesse doente, era de joelhos, na igreja, que pediria uma situação melhor; e fazia-o em português. Uma alternativa seria entregar os pedidos a um santo canonizado que intercedesse por mim junto a Deus. Não conhecia nenhum outro modo de o fazer, uma vez que sou neta de uma “assimilada” pela cultura portuguesa. Portanto, o meu acesso à Cultura e Religião Bantu (CRB) era extremamente limitado.

A partir dos anos 90, Moçambique começa a viver um contexto de pluralidade tanto política, como social e religiosa. Do ponto de vista religioso, começo a ouvir falar sobre o ecumenismo, o que despertou a minha curiosidade para o conhecimento de outras religiões. A ideia de que o acesso a Deus era tal como o descrevi acima foi-se diluindo. Percebi que, para as diferentes religiões moçambicanas, havia consenso de que: “Deus é um espírito perfeitíssimo, criador do céu e da terra. É o nosso Pai que está no céu”; e, por ser o mesmo, havia necessidade de se estabelecer um diálogo inter-religioso.

Foi nessa altura que comecei a ver na Igreja Católica as batinas dos padres a serem ornamentadas por capulanas, numa alusão ou sugestão de que a Igreja Católica se pode “vestir” em função das terras nas quais estiver instalada, demonstrando reconhecimento de diferentes modos de viver a fé cristã, a fé num único Deus. São exemplos desse convívio inter-religioso, a utilização, durante a missa, de batuques e do xikitsi e outros instrumentos que convivem harmoniosamente com o órgão. Além disso, os cânticos, até aqui em português, passaram a ser cantados em diferentes línguas moçambicanas, dependendo da região do país.

Foi, também, nessa altura que me dei conta de que, para a CRB, em Moçambique, há a conceção de que “Existe um só Deus, mas em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo”. Há entendimentosobre a existência de um ser superior ao homem, Deus, que em diferentes línguas moçambicanas, com grafia e significado mais ou menos similar tem o nome de Mulungu, Muluku, Ntanga Lwembe, N´Nungu, Nungu, Nnyinzingu, Mwari, Nungungulu, Xikwembu. São alguns exemplos. 

Entretanto, o acesso a Ele é feito com recurso a mediadores. Em nenhuma dessas culturas e religiões se fala diretamente com Deus (salvo em raríssimas exceções), do mesmo modo a que acima me referi. Este é realizado com recurso ao papel dos espíritos dos antepassados, que são os intermediários entre o que uma pessoa deseja e quer entregar a Deus. Ou seja, o acesso a Deus, os pedidos de proteção ou a gratidão para com Ele, são permeados por esses espíritos que, por sua vez, enviam essas preces a Deus.

 

Mortos a regular a vida dos vivos

Para perceber o poder dos espíritos dos antepassados, é preciso compreender as dimensões de vida do povo bantu e o estatuto que lhes é dado. No que à dimensão da vida diz respeito, é preciso recordar que a morte não é um fim em si. Entre estes povos, entende-se que há convívio entre vivos e mortos: por isso, alguns desses mortos, na condição de espíritos, é que regulam a vida dos vivos e intercedem por estes últimos a Deus. Entretanto, nem todos têm o mesmo estatuto e nem a todos os espíritos se atribui esse poder. É sim uma questão de atribuição, cujo papel depende em muito da decisão das famílias. Elas têm um poder muito forte na questão da gestão social, sobretudo na escolha de quem poderá ser o protetor da família.

Os espíritos protetores, os antepassados que falam com Deus, em nome dos seus familiares, têm de ter sido de um homem ou de uma mulher que, em vida, teve um comportamento exemplar, ao/à qual os preceitos sociais não têm muito que desabonar. E tem de ser alguém que tenha gerado vidas, porque estes povos creem que uma das maiores competências para a gestão social é ser-se pai ou mãe, mas esse é assunto para uma outra conversa. A esse espírito eleito, passa-se a venerar, é o protetor  da família. É alguém que ascendeu a uma categoria que, na Igreja Católica, corresponderia à de um santo canonizado,  por exemplo.

A veneração a eles e os pedidos de bênção têm sido feitas ou debaixo de uma árvore ou numa mata ou junto a um tronco no quintal de uma casa; mas, independentemente do lugar escolhido (porque outros existem, em função das tradições), este deverá ser eleito como o lugar sagrado da família. E antecipando qualquer ritual ou evento: um baptismo, uma viagem, um nascimento, um casamento ou a morte de alguém, é entregue a esse espírito, nesse lugar sagrado que serve de altar familiar, onde todo e qualquer diálogo é iniciado pela invocação da árvore da família, de outros espíritos de familiares já falecidos, que não sendo os que têm categoria de espíritos dos antepassados, são mencionados por darem força ao ato.

Não se confunda a categoria de espíritos dos antepassados com a dos espíritos  do mal, a dos feiticeiros, que é imperioso distingui-los dos nyangasou curandeiros. É importante recordar que esses espíritos dos antepassados são entendidos por alguns autores como deuses, por causa da expressão comum entre os bantus: “vai com os teus deuses”, que quer dizer vai com os espíritos dos antepassados (o que seriam os santos canonizados na tradição católica). E nessa expressão incluem-se os espíritos de familiares já falecidos, especialmente aqueles  que protegem cada um à nascença (os que se equiparam aos anjos da guarda). Isto demonstra a ideia de que Deus se desdobra em mais pessoas que o possam representar na terra, o que me sugere ser a mesma ideia da existência de um só Deus, mas em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo.

Falei, neste texto sobre a categoria do Pai e do Espírito santo. A do filho poderá ser tema para conversa futura. Em síntese, na tradição católica o acesso a Deus pode ser feito ou por via direta, na qual o crente se dirige a Ele, ou por intermediação de santos canonizados. Enquanto que na CRB, o acesso a Deus é realizado, na maior parte das vezes,  por intermediação dos espíritos dos antepassados, os eleitos, e em raras ocasiões por via direta: Homem-Deus. Entretanto, tanto numa, como noutra tradição, existe a crença num Deus único, mas em três pessoas: Pai, Filho, Espírito Santo.

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica, Maputo – Moçambique

Artigos relacionados

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

O quarto de brinquedos que é espelho do mundo

Toy Story/4 é uma metáfora da Humanidade que vale a pena ver devagar. Foram vários os críticos que não tiveram pudor em enunciar todas as lições de vida que tinham aprendido com este(s) filme(s).

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evoca o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Fale connosco