Debates em Lisboa

Espiritualidade e ecologia, uma nova abordagem

| 16 Mai 2022

floresta verde com árvores. Foto © Alexandra Lopes

Foto © Alexandra Lopes

 

A responsabilidade e o princípio da precaução, a espiritualidade ligada à ecologia, leituras sobre As Vidas dos Animais, de J.M. Coetzee ou a Caminhada, de Henry D. Thoreau – estas são alguma das propostas do ciclo “Diálogos entre Ética, Ecologia e Espiritualidade”, proposto pelo Foco de Conversão Ecológica da Capela do Rato (Lisboa), que se inicia nesta terça-feira, 17 de Maio, presencialmente e também através de vídeo, na página da capela (onde se pode ver ainda o programa completo da iniciativa).

Serão duas conferências (sobre “Ecologia e espiritualidade”, com Jorge Moreira, a abrir o ciclo, e “Responsabilidade e princípio da precaução”, com Maria José Varandas, a 21 de Junho) e três leituras: Maravilhar-se, de Rachel Carson (com Jorge Marques da Silva, 31 de Maio), Caminhada, de Thoreau (Sandra Escobar e Lavínia Pereira, 4 de Junho), e As Vidas dos Animais, de Coetzee (Maria Luísa Ribeiro Ferreira, 5 de Julho). Sempre às 19h.

Na conferência de abertura, o ambientalista e investigador Jorge Moreira propõe-se aprofundar o modo como a academia e os movimentos sócio-ambientais se aproximaram do tema da ecologia e espiritualidade. “A inoperância da abordagem tradicional – baseada no pensamento antropocêntrico – desfasado da realidade ecológica e incapaz de resolver muitos dos problemas da contemporaneidade, como a crise climática, a perda da biodiversidade, a justiça sócio-ambiental, as desigualdades, o bem-estar interior e a sustentabilidade” são factores que levam a essa nova aproximação.

“A espiritualidade, ao trazer compaixão por toda a vida e significado interior – em detrimento da voracidade material – é um excelente ambiente para desenvolver uma ética prática de vida, capaz de orientar as acções humanas em direcção a uma existência mais harmoniosa com a Natureza”, defende Jorge Moreira.

O Foco teve a sua origem e integra-se na Rede Cuidar da Casa Comum (CCC), fundada por Manuela Silva, que reúne pessoas, instituições, organizações, obras, movimentos católicos ou de outras igrejas cristãs. A CCC tem como fim aprofundar e difundir a encíclica Laudato Si’, publicada em 2015 pelo Papa Francisco, e propõe-se  “acompanhar as questões ecológicas de âmbito nacional e mundial, de modo a promover a tomada de consciência colectiva acerca da sua relevância e urgência”. A criação de Focos de Conversão Ecológica, entre os quais o da Capela do Rato, insere-se nesse objectivo.

O Foco da Capela do Rato constituiu-se em Novembro de 2019, por iniciativa de Maria Luísa Ribeiro Ferreira, professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e também colaboradora do 7MARGENS. A pandemia obrigou ao congelamento de actividades, mas a situação actual permite o seu regresso, que esta iniciativa assinala, com a colaboração da Junta de Freguesia de Santo António e da Sociedade de Ética Ambiental. “Pensamos que deste modo o Foco retomará o seu fôlego conseguindo concretizar as suas aspirações de se tornar um grupo de reflexão/acção de referência no domínio da ecologia integral”, diz Luísa Ribeiro Ferreira.

 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This