Esta é a Igreja que eu amo!

| 22 Jan 2022

A Comissão liderada por Pedro Strecht é composta, da esquerda para a direita, por Álvaro Laborinho Lúcio, Ana Nunes de Almeida, Fili Tavares, Daniel Sampaio e Catarina Vasconcelos, para além do seu diretor, Pedro Strecht. Foto © 7Margens

 

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Não tenho dúvidas de que essa era já a vontade dos bispos, mas a posição deste grupo, tornada pública, permitiu que se sentissem apoiados nessa inadiável, mas desconfortável decisão.

A prova de que como foi importante esta nossa tomada de posição está nas reações que recebemos de alguns padres a agradecerem a iniciativa, por se sentirem incomodados na sua honra e na verdade do ministério que desempenham na Igreja Católica. É que, vulgarmente, quando se aborda na praça pública este flagelo humano e se referem as implicações que nele a Igreja tem, há a tendência para que a narrativa seja a da acusação ao clero católico e não a de que são alguns dos seus membros que a praticaram ou praticam.

O facto de ter havido quem tivesse, (segundo o 7MARGENS), contactado a Comissão de Estudo para os Abusos Sexuais “a criticar o Papa, por incentivar a averiguação das situações de abuso sexual, e a Igreja Católica portuguesa, por promover este estudo”, vem dar razão ao fundamental objetivo da carta escrita pelo grupo que também recebeu críticas por o ter feito.

É salutar que se pense diferente, seja o assunto e contexto que for, mas custa que ainda não se tenha conseguido um perseverante diálogo, sincero e construtivo, dentro da Igreja Católica. Não só a inexistência deste diálogo é nefasta para a Igreja, como é vergonhosa a atitude ignóbil de maledicência de alguns católicos, contra quem pense diferente.

A propósito da publicação desta carta, um padre da minha diocese (Setúbal) atacou ferozmente no jornal Diário do Minho os subscritores, particularmente dois, um dos quais eu próprio, tendo ferido o meu bom nome com calúnias infames. Não é a primeira vez que assim procede. Aliás, o estilo deste escriba é sempre muito “avinagrado”. Esta pessoa deveria ser repreendida pela justiça dos homens, mas prefiro que o seja pela de Deus, que sempre é mais compassiva.

O importante é a satisfação que sinto, como muita mais gente, pelas posições que sobre este nefasto problema os bispos de Portugal têm vindo a tomar nos últimos tempos, sabendo que, assim, estão a ser fiéis aos valores do Evangelho e a contribuir para que se edifique a justiça, tão querida pelo Deus de Jesus Cristo. A Igreja, como mãe que é, deverá aceitar o que determina o sistema judicial português ou assumir outro tipo de responsabilidades. Não deve, contudo, deixar entregues à sua sorte os agressores, mas deverá propiciar meios justos de remissão libertadora para eles.

Não vai ser uma realidade a curto prazo, mas acredito que os nossos bispos e o trabalho competente dos membros da Comissão que, por inspiração divina, eles escolheram, vão permitir retomar e fortalecer a credibilidade da Igreja Católica em Portugal e no mundo inteiro.

A Igreja que eu amo é a que defende, intransigentemente, e atualiza a Boa Notícia enviada por Deus através de Jesus Cristo, ou seja, que Deus é Pai de todos, e em Jesus Cristo nos tornou seus filhos adotivos e irmãos uns dos outros; a Igreja que eu amo é a que está sempre, e incondicionalmente, do lado dos mais frágeis; a Igreja que eu amo é a que promove um diálogo interno baseado nessa fraternidade cristã; a Igreja que eu amo é a que está, sem medo e nenhum complexo, aberta às novas realidades de cada tempo; a Igreja que eu amo é aquela em que todos se sentem membros de uma única família, sem distinções de classes; a Igreja que eu amo é a que tem consciência de que todos são filhos de “um só Deus e Pai de todos” (Ef. 4,6), por isso não são órfãos e podem viver, mutuamente, em paz (cfr. Encíclica Fratelli Tutti, nº 272)

Esta é a Igreja que eu amo e na qual quero permanecer e quero ajudar, com as minhas limitações, a ser fiel à sua fundamental missão.

 

Eugénio Fonseca é presidente da Confederação Portuguesa do Voluntariado.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This