Presidente da Zero sobre Glasgow

Esta é “a última das últimas chamadas”

| 8 Nov 2021

As oportunidades para cuidarmos da Casa Comum estão a acabar, diz Francisco Ferreira. Foto © Karsten Wurth | Unsplash

 

Esta conferência é “verdadeiramente a última das últimas chamadas”, afirmou Francisco Ferreira, presidente da Zero, durante a entrevista Renascença/Ecclesia publicada hoje, 7 de novembro, na véspera da semana decisiva da Cimeira do Clima de Glasgow. Para Ferreira, é indiscutível que “a humanidade enfrenta um desafio sem precedentes. “

Na entrevista conjunta, o presidente da Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, uma organização não-governamental ligada à defesa do ambiente, sublinhou que o dramatismo da atual situação reside no facto de não estarem em causa “apenas as alterações climáticas em si”, mas também o facto do Planeta estar a “perder a sua biodiversidade”. E o dramatismo é simples: “Tudo aquilo que nós atrasarmos a partir daqui começa a ser praticamente irreversível para garantirmos” que não ultrapassamos os 0,4 graus Celsius de aquecimento adicional que nos atirarão para além dos 1,5 graus de aumento que os cientistas admitem ser a barreira a partir da qual a vida na terra deixará de ser como foi nas últimas centenas de milhares de anos.

Em Glasgow terminou no fim-de-semana a semana técnica, enquanto na cimeira “oficial” foram assinados acordos tímidos em matéria de abrandamento da desflorestação, da redução do impacte ambiental do setor agrícola e das emissões de metano, bem como do fim da utilização do carvão.

Agora começa a semana decisiva com o debate e posterior assinatura pelos responsáveis políticos dos acordos e compromissos para os próximos anos.

Antecipando o que se poderá passar, Francisco Ferreira recordou que “atualmente há 10 países que são responsáveis por 64% das emissões”, grupo em que se incluem os mais desenvolvidos e a Índia e a China, enquanto os últimos 100 países no ranking da riqueza “são apenas responsáveis por 3% das emissões”; mas são exatamente “os povos mais vulneráveis aqueles que irão sofrer mais com as consequências do aquecimento global, cujos responsáveis historicamente são os países desenvolvidos”.

Para o presidente da Zero há opções decisivas que têm de ser assumidas pelos responsáveis políticos, mas há também, para além da mudança dos hábitos, uma mudança de mentalidades necessária: “A nossa qualidade de vida não tem a ver com termos tudo e mais alguma coisa, porque nessa altura ainda vamos querer mais. A nossa satisfação pode ser feita com menos e mesmo assim termos perfeitamente toda a qualidade de vida, todo o gozo de viver. É essa a mudança de paradigma que é crucial.”

Domingo, dia 7 de novembro, Portugal foi palco de várias manifestações no âmbito da Greve Climática Estudantil, depois de dois dias – sexta e sábado – em que milhares de pessoas encheram as ruas de Glasgow a pedir também medidas mais eficazes para combater a emergência climática. De acordo com a agência Lusa, citada no Público, as manifestações realizaram-se em Faro, Alcácer do Sal, Braga, Caldas da Rainha, Guimarães, Lisboa, Leiria, Porto e Santarém.

“A greve às aulas é uma consequência muito menor daquilo que podemos vir a enfrentar com as alterações climáticas. Os jovens estão muito alarmados”, defendeu Salomé Rita, porta-voz do colectivo, em declarações à Lusa, na manifestação que teve lugar na capital.

Em Portugal, a Greve Climática Estudantil marcou presença em vários pontos do país: Algarve, Alcácer do Sal, Braga, Caldas da Rainha, Guimarães, Lisboa, Leiria, Porto e Santarém. “Não há planeta B”, “apaga as luzes quando sais de casa”, “aqui há capitalistas, há” foram algumas das palavras de ordem que se podiam ouvir e ler no protesto em Lisboa, que juntou jovens de três escolas e terminou na Alameda Afonso Henriques, descreve a mesma fonte.

“A greve às aulas é uma consequência muito menor daquilo que podemos vir a enfrentar com as alterações climáticas. Os jovens estão muito alarmados”, defendeu ainda Salomé Rita. No Porto, segundo a agência noticiosa, reuniram-se várias dezenas de jovens na Avenida dos Aliados para debater “problemas, causas e soluções”, classificando as metas climáticas mundiais como “pouco ambiciosas”. “As medidas são insuficientes, no sentido que estão a incidir no ponto errado. Querem ser rápidos para solucionar uma crise, mas não estão a ir à raiz do problema”, disse por seu lado a activista Joana Coimbra.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This