Católicos vivem aterrorizados

Estado de emergência prolongado em Myanmar

| 1 Ago 2022

birmania myanmar ataques a comunidades bayingyi

Os relatos que chegam de aldeias católicas e budistas indicam que os ataques têm sido cada vez mais frequentes e intensos. Foto: Direitos reservados.

 

A junta militar no poder em Myanmar prolongou por mais seis meses o estado de emergência no país. A decisão foi comunicada esta segunda-feira, 1 e agosto, num discurso dirigido à nação e publicado no Global New Light of Myanmar, enquanto a Union of Catholic Asian News (UCA News) divulgava a notícia de que os habitantes das aldeias católicas vivem cada vez mais aterrorizados na sequência dos ataques aéreos de que foram alvo nas últimas semanas.

O líder da junta, Min Aung Hlaing, pediu aos membros do governo militar que o deixassem no poder por mais seis meses, até fevereiro de 2023. Quanto a uma possível data para a realização de eleições (as quais tinham sido prometidas pela junta militar para novembro de 2021), não foi revelada. Min Aung Hlaing disse apenas que Myanmar deve primeiro ser pacificada e estabilizar para se realizarem eleições, e falou em “reformar” o sistema eleitoral.

Os relatos que chegam de aldeias católicas e budistas indicam que os ataques têm sido cada vez mais frequentes e intensos. No passado dia 18 de julho, os habitantes de  Mon Hla, uma vila católica histórica na região de Sagaing, em Myanmar, ouviram caças e helicópteros a aproximar-se dos campos e a começar a atirar indiscriminadamente.

“Estávamos a tremer de medo… Enquanto alguns de nós estavam deitados no chão, outros esconderam-se sob as grandes árvores. Não ousámos dizer uma palavra e orámos em silêncio”, conta uma das habitantes, Martha Tin. Como muitos dos aldeões, ela nunca havia testemunhado um ataque aéreo militar antes e diz que a experiência os deixou traumatizados.

O maior parte dos aldeões católicos voltou para casa depois de passar três noites nos arrozais. Ainda assim, alguns deles optaram por ir para as casas de parentes em cidades como Mandalay, enquanto outros optaram por refugiar-se dentro das instalações da Igreja, em municípios próximos. “Não sabemos quando as tropas voltarão e se haverá tempo suficiente para fugir”, justifica Mary Htar, outra residente na aldeia.

A junta tomou o poder através de um golpe militar no início de fevereiro de 2021, derrubando o governo eleito de Aung San Suu Kyi, e desencadeou uma campanha de violência brutal para reprimir a oposição. A Presidenta Suu Kyi está detida em parte incerta desde então e foi condenada a mais de 100 anos de prisão. Um total de 14.847 pessoas foram presas, das quais 11.759 permanecem detidas e 76 foram condenadas à morte, incluindo duas crianças, de acordo com o grupo de defesa da Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP) de Myanmar.

Depois de 30 anos sem execuções no pais, a junta militar executou quatro presos políticos, incluindo Phyo Zeya Thaw, rapper e ex-deputado eleito pelo partido de Aung San Suu Kyi, e o proeminente ativista da democracia Kyaw Min Yu, conhecido como Jimmy. As execuções terão tido lugar no domingo, 24 de julho, e geraram ondas de indignação e protesto no país e no estrangeiro.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This