Católicos vivem aterrorizados

Estado de emergência prolongado em Myanmar

| 1 Ago 2022

birmania myanmar ataques a comunidades bayingyi

Os relatos que chegam de aldeias católicas e budistas indicam que os ataques têm sido cada vez mais frequentes e intensos. Foto: Direitos reservados.

 

A junta militar no poder em Myanmar prolongou por mais seis meses o estado de emergência no país. A decisão foi comunicada esta segunda-feira, 1 e agosto, num discurso dirigido à nação e publicado no Global New Light of Myanmar, enquanto a Union of Catholic Asian News (UCA News) divulgava a notícia de que os habitantes das aldeias católicas vivem cada vez mais aterrorizados na sequência dos ataques aéreos de que foram alvo nas últimas semanas.

O líder da junta, Min Aung Hlaing, pediu aos membros do governo militar que o deixassem no poder por mais seis meses, até fevereiro de 2023. Quanto a uma possível data para a realização de eleições (as quais tinham sido prometidas pela junta militar para novembro de 2021), não foi revelada. Min Aung Hlaing disse apenas que Myanmar deve primeiro ser pacificada e estabilizar para se realizarem eleições, e falou em “reformar” o sistema eleitoral.

Os relatos que chegam de aldeias católicas e budistas indicam que os ataques têm sido cada vez mais frequentes e intensos. No passado dia 18 de julho, os habitantes de  Mon Hla, uma vila católica histórica na região de Sagaing, em Myanmar, ouviram caças e helicópteros a aproximar-se dos campos e a começar a atirar indiscriminadamente.

“Estávamos a tremer de medo… Enquanto alguns de nós estavam deitados no chão, outros esconderam-se sob as grandes árvores. Não ousámos dizer uma palavra e orámos em silêncio”, conta uma das habitantes, Martha Tin. Como muitos dos aldeões, ela nunca havia testemunhado um ataque aéreo militar antes e diz que a experiência os deixou traumatizados.

O maior parte dos aldeões católicos voltou para casa depois de passar três noites nos arrozais. Ainda assim, alguns deles optaram por ir para as casas de parentes em cidades como Mandalay, enquanto outros optaram por refugiar-se dentro das instalações da Igreja, em municípios próximos. “Não sabemos quando as tropas voltarão e se haverá tempo suficiente para fugir”, justifica Mary Htar, outra residente na aldeia.

A junta tomou o poder através de um golpe militar no início de fevereiro de 2021, derrubando o governo eleito de Aung San Suu Kyi, e desencadeou uma campanha de violência brutal para reprimir a oposição. A Presidenta Suu Kyi está detida em parte incerta desde então e foi condenada a mais de 100 anos de prisão. Um total de 14.847 pessoas foram presas, das quais 11.759 permanecem detidas e 76 foram condenadas à morte, incluindo duas crianças, de acordo com o grupo de defesa da Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP) de Myanmar.

Depois de 30 anos sem execuções no pais, a junta militar executou quatro presos políticos, incluindo Phyo Zeya Thaw, rapper e ex-deputado eleito pelo partido de Aung San Suu Kyi, e o proeminente ativista da democracia Kyaw Min Yu, conhecido como Jimmy. As execuções terão tido lugar no domingo, 24 de julho, e geraram ondas de indignação e protesto no país e no estrangeiro.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This