Judeus no dia mais sagrado do ano

Estado de São Paulo assinala Yom Kipur pela primeira vez

| 14 Set 2021

Judeu a tocar o shofar, gesto que assinala o fim do jejum de Yom Kipur. Foto: Direitos reservados.

 

O estado brasileiro de São Paulo assinala este ano, pela primeira vez, o feriado judaico de Yom Kipur, o dia do perdão, que neste ano ocorre do pôr-do-sol desta quarta-feira, 15 de Setembro, até ao mesmo momento de quinta, 16. 

A medida foi decidida em Abril, pelo governo estadual, depois de proposta pelo deputado Manoel Barbosa do Nascimento, conhecido por Tenente Nascimento, pastor da Assembleia de Deus e membro do Partido Social Liberal. Na página da Assembleia Legislativa de São Paulo, refere-se que o deputado quis atender a judeus e cristãos como um todo. “No Brasil, os cristãos consideram esse período de 10 dias, entre Rosh Hashanah e o Yom Kipur, um tempo de arrependimento e de consagração a Deus. Tempo de buscar a paz com todos. Tempo de reconciliação com Deus e com o próximo”, diz o texto explicando a proposta e a decisão. 

O pastor evangélico e deputado acrescentava na ocasião que a prática do perdão é um ensinamento divino e benéfico à humanidade: “O pedido de perdão e a libertação do perdão proporciona a quem ora a paz espiritual, afasta-nos do mal e nos condiciona a uma reflexão sobre o conserto e o recomeço da maneira correcta, como Deus nos ensinou”, afirmava.

O Yom Kipur (em hebraico, יום כיפור) é celebrado anualmente e é uma das datas mais importantes e sagradas do judaísmo. Comemorada no décimo dia depois de Rosh Hashanah (dia 10 do mês de Tishrei), o Ano Novo no calendário judaico, é um dia dedicado por cada pessoa ao jejum e à oração.

Na tradição judaica, o Yom Kipur começa com Moisés, depois de Deus lhe entregar as tábuas com os Dez Mandamentos no Monte Sinai. Ao regressar, depois de ter estado ausente de forma prolongada, reparando que os israelitas estavam a adorar um bezerro de ouro, Moisés parte as pedras com a lei, voltando a subir a montanha para pedir o perdão de Deus para si e para o povo. Quando regressa com as novas tábuas da lei, traz também o perdão de Deus e a aliança renovada. 

Os dez dias entre Rosh Hashanah e Yom Kipur, os dias de arrependimento, são destinados pelos crentes à intensificação da oração e da prática da caridade. O objectivo é que o nome de cada um(a) seja inscrito(a) no livro dos nomes das pessoas que fazem o bem (e não no livro das pessoas más ou das que não são boas nem más). 

Durante o dia de Yom Kipur, tal como em cada Sábado (Shabath), os judeus não devem trabalhar e devem jejuar. Como se refere num texto da National Geographic sobre o tema, é a data em que muitos judeus não-observantes frequentam a sinagoga. 

Aqui, decorrem cinco orações, em que a comunidade confessa colectivamente os seus pecados ou recorda os que morreram. Nessa altura, toca o shofar, o corno de carneiro, assinalando o fim do jejum de 25 horas que deverá ter sido cumprido. Depois disso, é tradição as famílias juntarem-se à volta da mesa. 

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This