7Margens na Antena 1

Estamos à beira de um desastre que não queremos ver?

| 10 Nov 2023

 

7Margems Antena 1, Clima, António Assunção, Beatriz Zoccoli,

António Assunção e Beatriz Zoccoli no debate na Antena 1. Francisco Ferreira interveio à distância. Foto: Direitos reservados

 

O último mês foi o Outubro mais quente desde que há registos, o que acontece pela quinta vez consecutiva, já que Junho, Julho, Agosto e Setembro também bateram o mesmo recorde. E 2023 pode vir a ser o ano mais quente desde que há registos: estamos 1,43ºC acima da média pré-industrial e a três semanas do início da Conferência das Partes (COP), da Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que decorre no Dubal entre 30 de Novembro e 12 de Dezembro.

Este foi o ponto de partida para o debate do programa 7MARGENS na Antena 1, emitido nesta noite de sexta para sábado, à volta do tema “Estamos à beira de um desastre que não queremos ver?

O debate contou com a participação de três activistas que têm privilegiado estratégias diferentes na sua acção: Francisco Ferreira, presidente da Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, e professor no Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente da Universidade Nova de Lisboa; António Assunção, que começou a fazer activismo pela justiça climática aos 15 anos (tem 20), participando em manifestações da Greve Climática Estudantil e integrando o Climáximo – tendo esta semana comparecido em tribunal por causa de algumas das acções em que se envolveu; e Beatriz Zoccoli, licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais, com uma tese de mestrado sobre o movimento lixo zero em Portugal e que cresceu “numa casa onde a sustentabilidade esteve sempre presente”.

Com as más notícias da última semana, dos últimos meses e dos últimos anos, ainda é possível ter esperança nos resultados da COP? Francisco Ferreira, que há anos participa nas COP, admite que “a esperança é sempre limitada e o que se consegue é sempre muito pouco em relação ao que é necessário”. Mas, acrescenta, “também é preciso reconhecermos que estas conferências são essenciais: temos um problema global, que diz respeito a todos os países, com grandes desigualdades entre eles para além das desigualdades dentro de cada um dos países”. E se não houver “decisões tomadas por todos, não conseguiremos construir as políticas, as medidas, as acções, o financiamento” necessários.

O conhecido ambientalista diz ainda que podemos colocar a pergunta inversa: “E se não tivéssemos estas conferências e o Acordo de Paris, que tem impulsionado alguma mudança?” É preciso, acrescenta, “reconhecer o pouco êxito” destas iniciativas, mas também olhar para os aspectos positivos deesta discussão multilateral para o planeta, não só para combater as alterações climáticas, mas também para conseguir tratados como a Convenção sobre a biodiversidade ou a Convenção sobre a Qualidade do Ar.

“O desastre já o vemos, mas não queremos agir”, diz António Assunção. “Marchámos no ano passado pelo interior de Portugal e toda a gente dizia que sabia que os incêndios são derivados da crise climática. O que falta é começar a agir perante a crise”, acrescenta o jovem activista no debate. Beatriz Zoccoli sugere ainda gestos quotidianos como fazer compras a granel ou usar detergentes concentrados para que cada pessoa possa dar o seu contributo para o combate à emergência climática.

António, filho de Rita Reino Assunção, que escreveu no 7MARGENS um testemunho sobre ser mãe de um jovem activista pela justiça climática, referiu ainda o problema das guerras, para afirmar que a acção climática implica também uma oposição mais sistemática às guerras: “É lógico que sim, somos pela vida e pelas pessoas, não pelos interesses” de uma reduzida percentagem da população que lidera governos e empresas, afirma.

Definindo o activismo que tem privilegiado uma luta pela “democracia radical e disrupção”, António Assunção contesta o sistema que continua a privilegiar o uso de combustíveis fósseis.

Logo 7Margens Antena 1

Como salvar, então, o planeta? As diferentes formas de intervenção complementam-se e são todas muito importantes, defende Francisco Francisco Ferreira, que apesar de tudo se diz encorajado por “algumas coisas que fomos conseguindo”. Mas a solução, concordam todos, é deixar de utilizar os combustíveis fósseis e passar de um modelo que privilegia o consumo para outro que assuma da natureza aquilo que ela pode dar para o que precisamos no dia-a-dia.

A mudança “traz sempre desconforto à vida das pessoas”, admite Beatriz Zoccoli, que lembra que “sustentabilidade não é só ambiente, também é justiça social e questões de base, seja de habitação, saúde ou educação”, sugerindo a diminuição do consumo de proteína animal (carne e peixe) na alimentação, a redução da utilização do automóvel e ter atenção a épicas de muito consumo como o Natal que se aproxima. “O desconforto do nosso dia-a-dia vai ser maior e aí vamos ter de ser forçados a tomar decisões.”

Os católicos devem “parar de legitimar um sistema que é destrutivo e participar em manifestações” ou protestos de acção directa”, diz António Assunção, dando o exemplo de grupos de católicos que fecharam vários gasodutos nos Estados Unidos. “É preciso parar com a destruição”, diz.

Nas notícias publicadas nos últimos dias no 7MARGENS, Beatriz Zoccoli registou o Fórum sobre violência doméstica, que decorre a 23 e 24 deste mês em Lisboa, António Assunção referiu a ida do Papa à COP28, e Francisco Ferreira as notícias que apelam a um cessar-fogo entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza.

Como sugestões culturais, os três convidados do 7MARGENS na Antena 1 foram todos para os livros: Francisco Ferreira propôs A Terra Tem Sede, sobre o qual aliás publicou esta semana um texto no nosso jornal, António Assunção sugeriu Tudo Pode Mudar – Capitalismo vs. Clima, de Naomi Klein, e Beatriz Zoccoli trouxe a Terra Americana, livro de Jeanine Cummins, que conta a história da travessia de uma mãe e de um filho do México para os Estados Unidos, fundo à morte da família às mãos dos narcotraficantes e à procura de uma vida melhor.

Tudo para escutar nas plataformas digitais ou na RTP Play, no endereço https://www.rtp.pt/play/p12257/7-margens

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This